A dureza do coração humano - Gênesis. 4.3-12


O texto de Gn. 4 afirma que Eva deu a luz a dois filhos Abel e Caim. Abel foi pastor de ovelhas e Caim foi lavrador da terra. Em alguns dias trouxe Caim do fruto da terra uma oferta ao Senhor. E Abel também trouxe dos primogênitos das suas ovelhas, e da sua gordura. O que é curioso na nossa avaliação humana é que o texto afirma que o Senhor atentou  para Abel e para a sua oferta. E quanto a Caim e para a sua oferta, o Senhor não atentou. O resultado triste foi que Caim se irou fortemente e descaiu-lhe o semblante. Sabemos que o final da história foi triste, porque Caim se levantou contra o seu irmão Abel e o matou.
Nesta primeira experiência do homicídio começamos a ver as atitudes falhas do caráter humano e suas consequências. Vemos o quanto o coração humano se tornou duro e insensível para com os mandatos da criação estabelecidos pelo Senhor. O medo de ser inferior toma conta da natureza humana, a inveja começa a fazer parte da vida humana. A estrutura do coração humano fica corrompida por causa do pecado, da ira, do medo, da inveja. Daí a atitude maligna de Caim é tirar a vida do seu próprio irmão porque Abel se tornou uma ameaça para a sua vida. Caim movido pela maldade no seu coração não tem a capacidade para compreender a maneira correta como Abel invoca o nome do Senhor. Aprendemos através desta experiência triste que o coração humano é perverso, mal, contumaz, leviano, invejoso, carregado de medo e vingativo.
Quando olhamos para o coração de Caim podemos perceber exatamente com é o nosso. Temos problemas com o medo, com a inveja quando o nosso próximo é melhor do que nós e aparentemente tem mais sucesso do que nós. Temos dificuldades quando o outro sobressai em algum instante e de repente a inveja se aflora dentro de nós mesmos. Talvez a maioria de nós não mata fisicamente, mas há muito que assassinam o próximo no próprio coração. Quando olhamos para Caim devemos assumir a nossa própria pecaminosidade e o quanto precisamos da graça de Deus para nos tornar verdadeiros Abéis que invocam de maneira sincera e verdadeira o Deus da aliança.
Um bom começo para esta adoração verdadeira é reconhecermos que o nosso coração é miseravelmente corrupto e enganoso como o profeta Jeremias afirma. Temos inclinações para a inveja, para o orgulho, para a soberba, para as injustiças da vida. Então, peçamos misericórdia e graça para o Pai para que não nos deixe praticar as ações de Caim. Que a graça do Pai seja sobre a nossa vida para não darmos vazão ao coração duro e insensível! (Alcindo Almeida).



Comentários

Postagens mais visitadas