Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2019

Crendo em Deus

Ter fé é crer que Deus nos visitará e entrará na nossa vida mesmo quando achamos que Ele está distante ou alheio ao nosso sofrimento e dor. Ter fé é permanecer aguardando os acontecimentos para saber aceitar neles o Reino de Deus.  Ter fé é crer que Deus agirá na nossa vida não do jeito que achamos que Ele deve agir, mas do jeito e da forma dele. Ter fé é crer que Deus está reinando no seu trono para sempre.  Ter fé é crer que Deus tem o melhor em todos os acontecimentos da nossa vida, inclusive os tristes, porque sabemos que Ele tem um propósito em tudo o que faz. Ter fé é descansar diante do Deus que sabe de todos os processos da criação e das nossa história.  Exercitemos a nossa fé no Deus da graça, aprendendo a ver o plano divino em todos os aspectos da nossa história. Tendo fé, crendo em Deus e na sua vontade eterna, viveremos de maneira mais sábia e serena. (Alcindo Almeida)

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …

Silêncio na alma

No silêncio, desligamos nossa alma dos sons, sejam eles ruídos, cânticos ou palavras. “O silêncio total é raro, e o que chamamos de quieto significa geralmente um pouco menos de barulho. Muitas pessoas jamais experimentaram o silêncio, nem se dão conta de que não sabem sequer o que ele significa. Nossos lares e locais de trabalho estão repletos de zumbidos, apitos, murmúrios, tagarelices e sonidos dos vários dispositivos supostamente idealizados para tornar a vida mais fácil.”  Henri Nouwen observa que “o silêncio é a forma de tornar a solitude uma realidade”. Entretanto, o silêncio é assustador porque ele nos desnuda como nenhuma outra coisa, nos confrontando com a realidade crua de nossa vida. Ele nos lembra a morte, a qual nos cortará deste mundo, deixando apenas nós e Deus.  O som sempre irrompe de modo profundo e importuno em nossa alma. A grande verdade é que temos de buscar momentos em que desligamos das atividades para ouvir a voz silente de Deus lá no fundo do nosso ser. Precis…

A igreja centrada na Palavra

Hoje estava lendo o livro de Jonathan Leeman. E me chamou a atenção da fala deLeeman: Quero falar para cristãos e não cristãos. Quero me dirigir tanto aos acomodados como aos necessitados. Quero pregar tanto para os legalistas quanto para os hedonistas. Cada uma dessas categorias requer um desafio diferente. Os acomodados precisam ouvir as advertências de Deus, ao passo que os necessitados precisam ouvir suas promessas. Os legalistas precisam ouvir sobre a graça, ao passo que os licenciosos talvez precisem ser confrontados por imperativos. (Jonathan Leeman. A igreja centrada na Palavra. Como as Escrituras dão vida e crescimento ao povo de Deus)

Minuto de Graça #151 - O Evangelho é graça

https://www.youtube.com/watch?v=wHCNS4PfnsU

Um desafio na cultura

Viver a vida plena que é oferecida pelo Evangelho é sempre um desafio quando estamos imersos numa cultura secular. Nossa cultura brasileira tende a viver imersa em práticas que afastam Deus de cena.  Vivemos numa cultura onde se valoriza mais o corpo do que o ser. Vivemos numa cultura onde se valoriza mais o dinheiro do que o ser humano. Vivemos numa cultura onde os jovens estão se perdendo e se entregando profundamente às drogas, bebidas e vida dissoluta. O que dizer, o que fazer, como nos comportar no meio de tudo isso?  Paulo nos responde dizendo para os cristãos de Corinto: Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas convêm. Todas as coisas me são lícitas, mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas. Calvino comentando esse texto diz que "Paulo está tratando de coisas externas que Deus deixou para a discrição dos cristãos. Paulo ou censura sua excessiva licenciosidade de um a forma indireta, ou louva a infinita generosidade de Deus, a qual é o melhor meio de mantermos nos…

Dor é para ensinar a gente a viver!

Adélia Prado afirmou num dos seus poemas: "Dor não tem nada a ver com amargura. Acho que tudo que acontece é feito pra gente aprender cada vez mais, é para ensinar a gente a viver. Desdobrável. Cada dia mais rica de humanidade." A dor humana é algo que faz parte mesmo. Não adianta fugir quando alguém da nossa família morre, sofremos a dor da perda e não tem como encarar de outra forma. Sofremos a dor quando terminamos um relacionamento de namoro. Temos dor quando somos esquecidos por alguém, quando pecamos ou ofendemos alguém.  Na jornada com Cristo somos convidados a viver assim, no meio das feridas, das dores e das decepções. Não há como negar a dor da alma em momento algum. No meio da dor somos moldados e lapidados pelo Senhor Deus e nos sentimos mais perto dele.  Não tenhamos medo da dor, ela é parte de nós, ela caminha ao lado de seres limitados como nós. O fato é que todos as temos em momentos da vida. Mas, com a paz que vem do céu, vem do Deus da graça, nos ajuda a pass…

O verdadeiro valor da vida

Quando nos voltamos para o nosso individualismo, para o envolvimento com o nosso ego, nos esquecemos de que quem faz tudo em nós é o Senhor. Quem cura é Jesus, não nós. Quem fala palavras de verdade e poder é o Senhor e não nós. Quem supre as necessidades da vida é Deus e não nós.  O valor da vida é nos dedicar nas demandas do Reino de Deus. Então não deixemos de crescer neste valor espiritual. Porque a vida é assim como esta baforada de fumaça, a qual é vazia e não passa de um nada. (Coração sábio. Série Intimidade com a Palavra - Livro de Eclesiastes)

A experiência da oração

Como precisamos ser verdadeiros diante de Deus, reconhecer que não sabemos orar. E é fato que a oração começa no nosso coração quando percebemos esta realidade. Percebemos que se Deus não for santificado em nosso coração, se ele não abrir as portas da graça, nunca entenderemos que ele é o Senhor majestoso, glorioso e grandioso.  Creio que só na experiência do nosso quarto é que aprenderemos a orar assim. Aprenderemos a glorificar o Pai e dizer que queremos depender exclusivamente da sua vontade e desejo para o nosso coração.(Alcindo Almeida)

Transforma meu pranto

Henri Nouwen escreveu um livro extraordinário que se chama: Transforma meu pranto em dança. Nouwen trata sobre um movimento do ser humano, que normalmente não gostamos muito, o sofrimento. Ele diz que “muitos de nós somos tentados a pensar que, se sofremos, a única coisa importante é o alívio da dor. Queremos escapar a qualquer custo. Mas quando aprendemos a nos mover através do sofrimento, em lugar de tentar evitá-lo, o aceitaremos de modo diferente. Estaremos dispostos a deixá-lo nos ensinar. Começaremos, até mesmo, a perceber como Deus pode usá-lo. O sofrimento deixa de ser aborrecimento ou maldição de que temos de fugir sem poupar esforços, para se tornar um caminho para uma realização mais profunda.” Nouwen diz também “que lamentar significa enfrentar o que nos fere na presença daquele que pode curar. Isso não é fácil! Esse processo não incluirá passos que não exijam esforços. Teremos que praticar, com certeza.”  Esse livro do Nouwen realmente cria um impacto em nós diferente para …

Uma dança graciosa

C. S. Lewis afirmou: “No cristianismo Deus não é algo estático, mas sim dinâmico, uma atividade pulsante, uma vida, quase que uma espécie de drama. Quase que, se você não me achar irreverente, uma espécie de dança”.

Deserto e transformação

Olhando para a vida de Moisés e toda a história que ele viveu, percebemos que não é sempre no palácio que alguém é trabalhado por Deus, geralmente somos lapidados e transformados no deserto mesmo. Somos levados nos lugares mais complicados da vida e é lá que Deus remodela o nosso coração do jeito que Ele deseja. Prestem bem atenção nisso, Ele nos remodela do jeito, da forma, do modo que Ele deseja e ponto final. Moisés sai do palácio e vai para um tratamento divino durante oitenta anos. No deserto, Deus trata com Moisés preparando-o para enfrentar os desafios de ser o líder do povo de Deus no Egito. Ele só enfrentará o Faraó depois de aprender com Deus lá no deserto e com todas as dificuldades que ele se apresenta. Quantas vezes Deus trata conosco no meio dos desertos da vida, Ele nos leva para os tempos de dor e sofrimento para que aprendamos a depender e confiar nele. Nos desertos, Deus remodela o nosso coração. Nos desertos, experimentamos a graça divina, neles percebemos a necessida…

Leituras em maio de 2019

1.TRIPP, Paul. Desafio aos pais. Os 14 princípios do evangelho que podem transformar radicalmente sua família. São Paulo: Cultura Cristã, 2018. Paul Tripp sempre nos faz voltar ao poder vivificador do evangelho e da infalível graça de Deus. Criar filhos é um de nossos maiores desafios na vida e Paul nos direciona à única coisa que pode fazer a diferença: um encontro genuíno com o Deus vivo. Contém 176 páginas.
2.PORTE, Wilson Jr. Unidos pela cruz. A mensagem de Efésios para a igreja de hoje. São Paulo: Vida Nova, 2017.É urgente conhecermos a obra de Cristo na cruz. É urgente também que a igreja de hoje conheça a mensagem da cruz. Só ela é capaz de nos unir em torno daquilo que é central em nossa fé fazendo que nossa luz brilhe diante dos homens. A Bíblia diz que a igreja, o povo da cruz, é a luz deste mundo, tal como uma cidade sobre um monte, com povoados em trevas à sua volta. Mas, olhando para a igreja de hoje, a impressão que se tem é que a luz tem se apagado. O que fazer para que …

Conhecendo a si mesmo

Lendo Leila Navarro, Talento à prova de crise, vi algumas ideias bem interessantes sobre nosso autoconhecimento. Ela diz que somos frutos do que pensamos, sabemos, sentimos e fazemos. Concordo numa perspectiva calvinista e agostiniana de olhar para nós mesmos e quanto mais nos conhecemos, também conhecemos ao Eterno Deus. Assim temos a grande eficácia de nos reavaliar, refletir sobre nós mesmos e a dinâmica do divino dentro de nós.  Quanto mais nos conhecemos, tanto percebemos como Deus é dentro de nós. Ele é o cuidador, o orientador do nosso coração. Quando o conhecemos, olhamos para nós mesmos e percebemos que somos pecadores que são redimidos pela graça e bondade dele. Percebemos que todo nosso talento, propósito como criação dele, missão e crescimento na vida, vêm da provisão divina. Quanto mais conhecimento de nós mesmos, mais percebemos quão benignamente o Eterno Deus continua derramando sua graça para conosco. Isso é bom demais!  Então, como diz o texto sagrado: Conheçamos e pr…