Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2016

José: um jardineiro de Deus | por Alcindo Almeida

Minuto de graça 61 # Um viver trinitário

As nossas fragilidades

Vivemos numa cultura bem tecnológica e muito pragmática e nela evitamos falar dos nossos desejos mais profundos da alma. Temos medo de expor os aspectos da alma. Todo o pragmatismo desse Século tem nos tornado cada vez mais impessoais. Somos técnicos funcionais nos relacionamentos. Então ocultamos os dilemas da alma, mascaramos os sofrimentos e não revelamos os anseios da alma. No livro O mínimo eu, Christopher Lasch aborda o problema do narcisismo e diz temos uma sociedade com medo de amadurecer nas relações pessoais. E a vida secreta oferece mais riscos porque as pessoas se fecham cada vez mais e não tem espaço para dividir o coração. Temos então o eu sobrevivente, o mínimo eu. Bem, quando andamos com Deus, temos mais facilidade para revelar a nossa página interna e dizermos quem realmente somos, o que queremos e quais são as nossas fragilidades. Davi fez isso em todos os processos da vida. Ele não teve medo de dizer quem era, principalmente diante de Deus. Quando oramos para o noss…

Morte por pecadores

A Trindade é a primeira a experimentar o sofrimento ao decidir o resgate do ser humano. eu fixo pensando como deve ter sido. O Pai olha para o Filho e o Espírito Santo e diz: Filho, você irá para a terra e passará todo sofrimento humano e morrerá por pecadores e ressuscitará ao terceiro dia para trazer vida e significado para eles. Que amor é esse da Trindade? Ela ama pecadores por graça e misericórdia e dá um pedaço de si mesma para efetuar esse amor! (Alcindo Almeida).

Uma atitude nobre

Hoje ao ler Êxodo 18.7-8 fiquei a pensar sobre o respeito de Moisés quando saiu para receber o seu sogro. O texto afirma que ele se curvou diante dele e o beijou. Depois de um perguntar ao outro como estava indo, entraram na tenda. Moisés fez um relato minucioso de tudo que o Eterno havia feito. Que modelo de respeito de um homem de Deus? Receber o sogro com uma atitude dessa! Só vemos isso numa perspectiva de servo mesmo, servo do Deus da vida. Moisés agiu assim porque antes de ter respeito para com Jetro, tinha temor do Senhor! Que sejamos assim nas nossas relações, tratando a família e os amigos com respeito e servidão amorosa! (Alcindo Almeida).

Minuto de graça 60 # Tudo é vaidade

As palavras a cruz

As palavras a cruz parecem ser uma pedra de tropeço para o intelecto do homem natural, porque ele depende dele mesmo e acha que não precisa de cruz para ser transformado. A verdade nua e crua para nós é que, para sermos restaurados na vida e no caráter, precisamos da cruz de Jesus Cristo de Nazaré (Alcindo Almeida).

Deus é amor

Fico olhando aqui o amor do pai na parábola, ele é igual ao Eterno Deus mesmo. Eu vejo que em nós, o amor é uma qualidade, um dom dado por Deus. Só que em Deus, o amor é sua identidade, o amor faz parte da essência divina. Deus é amor, sem ser amor não tem como ser Deus. Como ele é Deus, então ele é amor! (Alcindo Almeida).

Ouvindo a voz do Pai

Precisamos deixar um pouco de lado as agitações e correrias da nossa vida cotidiana e silenciar o nosso coração para ouvir a voz do Pai. Todos nós somos viciados em trabalho, atividades e mais atividades. É hora de nos tornar viciados em silenciar o nosso coração para ouvir a voz do Pai. E fazemos isto através do momento da oração, em que paramos para ouvir Deus. Esse momento nos lança nos braços do nosso criador, o qual é a única que compreende as nossas dores, nossa crise e ilumina nosso caminhar (Alcindo Almeida).

A oração que Deus ouve

O essencial na oração não é o fato de aprendermos a nos expressar, mas de aprendermos a responder a Deus (Eugene Peterson. A oração que Deus ouve).

A arte espiritual de ser pai

Há um livro extremamente profundo e que nos ensina demais sobre as crises e dilemas da adolescência e juventude: Crescendo com o seu filho adolescente de Eugene Peterson. Ele diz que a juventude é um momento especial tanto para os pais como para os filhos. Se ela for ignorada, acabará rapidamente se transformando em idade adulta. Só que diante da realidade diante da inversão de valores, tem sido difícil a aproximação dos pais com os seus filhos. Vivemos uma confusão enorme quanto aos valores de pais para filhos. Alguns pais não têm uma atitude e nem comportamento adequado para transmitir algo de positivo e elucidativo para os filhos. Porque a conduta é estranha e não há autoridade suficiente para influenciá-los. Como o pai pode ensinar o seu filho sobre o cuidado com a mentira se ele mente todo dia? Como o pai pode ensinar o seu filho sobre a lealdade e a justiça se ele não pratica? Olhamos para a realidade hoje e percebemos que temos dificuldades para educar os filhos porque faltam p…

Deus é amor

Fico olhando aqui o amor do pai na parábola, ele é igual ao Eterno Deus mesmo. Eu vejo que em nós, o amor é uma qualidade, um dom dado por Deus. Só que em Deus, o amor é sua identidade, o amor faz parte da essência divina. Deus é amor, sem ser amor não tem como ser Deus. Como ele é Deus, então ele é amor! (Alcindo Almeida).

Ser evangélico sem deixar de ser brasileiro.

Terminei ler agora um livro muito joia: Ser evangélico sem deixar de ser brasileiro. Esse livro quer responder às seguintes perguntas: O que faz do brasileiro, brasileiro? O que faz do evangélico, evangélico? E como ser o segundo sem deixar de ser o primeiro? Temos dificuldade de aceitar as manifestações culturais. Ao mesmo tempo, criamos versões “cristãs” de quase tudo e batizamos de “gospel”. Para não sermos mundanos, copiamos – e mal – em nossos guetos o mundo. Gerson Borges convida o leitor para um bate-papo sobre cultura e graça. Para ele, ser evangélico não é romper com a identidade nacional, mas redescobrir a música, a poesia e a literatura nacional. E, mais do que abrasileirar nossa adoração, é preciso também redescobrir o que a Bíblia diz sobre arte e cultura. Vale a pena ler essa obra!

Somos frágeis

A leitura de Eclesiastes tem um efeito tônico porque as falas de Salomão são uma realidade nua e crua. Tudo nessa vida é supérfluo, tudo é insuficiente. Tudo nessa vida é correr atrás do vento. Corremos, corremos e percebemos o quanto somos frágeis nessa vida. Ela é efêmera e fugaz. Quem sabe se compreendermos melhor essa realidade humana, olhemos mais para Deus e aprendamos a colocar nossa vida toda na presença dele! Porque como diz Salomão: Vaidade de vaidades, diz o pregador, vaidade de vaidades! Tudo é vaidade (Alcindo Almeida).

Um viver trinitário

Ser cristão é ser um pequeno Cristo, ser cristão é viver a vida trinitária. Como é isso? É agirmos de tal maneira que em nossas atitudes exaltamos o Pai, o Filho e o Espírito Santo! Não tem a menor possibilidade de dizermos que somos cristãos, se não tivermos atitudes que refletem o caráter de Cristo! (Alcindo Almeida).

Mais perto de Deus

Terei menor tendência a negar meu sofrimento quando aprender que Deus o usa para me moldar e me atrair para mais perto de Si. Deixarei de ver minhas dores como interrupções dos meus planos e serei mais capaz de vê-las como meios de Deus me fazer pronto a recebê-lo (Henri Nouwen).

A esperança

Onde a morte é declarada, a esperança encontra as suas raízes (Henri Nouwen).

Na presença de Deus

Na meia hora em que eu me sento para estar na presença de Deus e orar, não acontece coisa sobre a qual poderia comentar com meus amigos. Mas talvez esse tempo seja uma maneira de morrer com Jesus (Henri Nouwen. Diário do último ano sabático de Henri Nouwen).

Recantos do ser

A oração é a única via para que o Espírito vivificante de Deus penetre todos os recantos do meu ser. É o instrumento divino de minha completude, unidade e paz interior (Henri Nouwen).

Silêncio e solidão

O silêncio e a solidão convidam-me a, gradativamente, abandonar as vozes externas, que me dão uma sensação de bem-estar entre as pessoas, para confiar na voz interior que me revela meu verdadeiro nome. O silêncio e a solidão incitam-me a desvencilhar-me dos andaimes da vida diária e a descobrir se alguma coisa consegue se sustentar quando se arrancam os sistemas de apoio tradicionais (Henri Nouwen. Nossa maior dádiva: Meditação sobre o morrer e o cuidar).

Ter coragem

“Fé significa a coragem de viver na incerteza. Não significa ter as respostas; significa ter a coragem de fazer as perguntas e não desistir de Deus, da mesma forma que Ele não desiste de nós” (Jonathan Sacks em Para curar um mundo fraturado).

ELE É - Os Arrais (Lyric Video) - ao vivo

Vem aí o relançamento do livro Salmo 23: Descanso no pastor da nossa alma

Dia 23.09 na 5ª edição da Feira Literária Internacional Cristã (FLIC).

Local: Espaço São Luis/SP. Rua Luís Coelho, 323 – São Paulo/SP Metrô: Consolação e Paulista. Horário: 13:30.
Dia 02.10na IPALPHA. Horário: 10:45.
Local: Campus Alphaville • Largo da Igreja Presbiteriana, 01 • 06541-025.
Espero vocês se Deus nos permitir.

O pacote do amor

Nossa falta de paciência é prova suficiente de que não esperamos muito da oração. Deixamos o lugar secreto da oração, prontos a prosseguir nosso caminho de qualquer jeito – e ficaríamos até chocados se Deus realmente respondesse. Pensamos que Deus não nos ouviu porque não vemos nenhuma evidência de resposta. Mas disto você pode ter certeza – quanto mais uma oração é protelada, tanto mais perfeita será finalmente a resposta. E também, quanto maior o silêncio, mais barulhenta a resposta. Abraão orou por um filho, e Deus respondeu. No entanto, quantos anos se passaram até que ele segurasse aquela criança nos braços? Toda oração de fé é ouvida no momento em que é feita, mas Deus escolhe responder de Seu próprio modo e em Seu próprio tempo. Enquanto isto, Ele espera que nos alegremos nas suas promessas, e que nos banqueteemos na esperança enquanto esperamos pelo cumprimento. E além disso, Ele envolve Suas recusas no doce pacote do amor, para impedir que caiamos no desespero (David Wilkerso…

Minuto de graça #58 - Affectus divino

O Senhor é o nosso socorro verdadeiro

O Salmo 121:1 e 2 afirma: Elevo os meus olhos para os montes; de onde me vem o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra. O salmista diz que olha para os montes e pergunta de onde vem o socorro para a sua alma. Montes aqui se referem a Sião, uma colina, o lugar onde o templo de Jerusalém foi edificado. É para este lugar que o salmista olha, o lugar onde ele percebe a bondade do Senhor, o lugar onde ele poderá encontrar algum sentido e conforto para a sua alma.  Ele pergunta: De onde me virá o socorro? E responde depois de olhar para o alto: O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra. Ele responde que o socorro da sua alma vem do Senhor, criador dos céus e da terra. O socorro vem daquele que é maior do que todas as coisas. O socorro vem daquele que tem o controle do universo em suas mãos. O socorro vem daquele que é a ajuda incomparável do seu povo. A vida só faz sentido verdadeiro quando entendemos que o Senhor é o nosso socorro verdadeiro e presente e…