Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2014

Meditando em Marcos 1.35

Richard Foster no seu livro Celebração da disciplina trabalha a ideia da oração e diz que a meditação nos introduz na vida interior. Disciplina de oração é o que nos leva à obra mais profunda e mais elevada do espírito humano. A oração verdadeira cria e transforma a vida. Orar é mudar. A oração é a avenida central que Deus usa para nos transformar. As palavras de Marcos mexem com o nosso coração: Tendo-se levantado alta madrugada, saiu, foi para um lugar deserto, e ali orava. Esse é o estilo de vida de Jesus, ele tem um tempo a sós com o Pai. Ele sai na madrugada para cultivar no seu coração o tempo de oração e meditação. A dica para nós é que precisamos de um tempo com Deus. Lembro do que Martinho Lutero declarou: “Tenho tanto o que fazer que não posso prosseguir sem passar três horas diariamente em oração”. Pensemos sobre essa realidade importante da oração.

Meditando em Marcos 1.7

João pregava dizendo: Após mim vem aquele que é mais forte do que eu, do qual não sou digno de, abaixando-me, desatar a correia das suas alparcas. O kerygma (pregação) de João Batista passa pela afirmação de que Jesus é maior, é o grande profeta do céu. Ele se considera tão indigno de servir a Cristo que mostra um exemplo profundo sobre a humildade de uma pessoa que reconhece Jesus como Senhor absoluto sobre tudo e todos. João não se sente mais que os outros, mais que seu mestre. Ele aplica a humildade no seu coração e diz que há um maior do que ele, alguém que fala com mais autoridade, alguém que batiza com fogo, alguém que fala palavras vivas. João faz Cristo aparecer e ele diminuir. João mostra que Jesus é o máximo e ele um servo menor. Humildade profunda desse homem chamado João Batista! (Alcindo Almeida).

O Evangelho de Marcos

Comecei hoje a ler o Evangelho de Marcos e destaco alguns pontos:
1. A narrativa de Marcos é acelerada, sóbria e extremamente dramática.  2. Marcos não se demora, não desenvolve os pormenores, não explica, não divaga.  3. Um acontecimento sucede outro, e os detalhes se acumulam de maneira aparentemente desordenada e despropositada. 4. Marcos conta a história fundamental da salvação de modo a nos impedir de separar qualquer um de nossos líderes como parte de uma elite espiritual e colocá-lo em um pedestal. Esta é uma história de salvação, e o Salvador é Jesus.  5. Marcos não permite que nada na história desvie a atenção do foco central: Jesus.

O que faz a diferença

A arte de se comunicar faz a diferença na vida do homem e da mulher (Livro: Um jeito doce de viver com seu cônjuge).

A dificuldade de ouvir

A nossa grande dificuldade é ouvir o outro na relação e isso com o coração, com a alma (Livro: Um jeito doce de viver com seu cônjuge).

Uma das primazias de quem ama

A honestidade é uma das primazias de quem ama. A honestidade é o que dignifica um homem na relação com a sua mulher (Livro Um jeito doce de viver com seu cônjuge).

Brotando amor

A inteligência não nos torna amorosos, é o coração que faz brotar amor (Livro: Um jeito doce de viver com seu cônjuge).

O ser divino revelando a si mesmo

O caráter distintivo da forma "evangelho" é que ela traz os séculos de histórias hebraicas — Deus fazendo o seu relato da criação e salvação por intermédio de seu povo — para dentro do relato sobre Jesus, a consumação madura de todas as histórias, de uma forma que é claramente uma revelação — ou seja, o ser divino revelando a si mesmo (e que convida, mais do que isso, insiste) em nossa participação (Eugene Peterson).

O Espírito de Cristo

http://promo.editoradosclassicos.com.br/o-espirito-de-cristo O Espírito de CristoAndrew Murray  “E ninguém fala dessa interação [dos cristãos] com o Espírito Santo como Andrew Murray! Eu recomendo com ênfase a leitura deste clássico.” (Ariovaldo Ramos) Quantidade: R$ 30,90 R$ 39,90 -R$ 9,00

Frase de Dave Gibbons

A história de Deus em nós

A salvação não é um lance passageiro. Não pode ser isolada da textura rica da história; ela abrange todas as coisas, atraindo tudo o que aconteceu e acontece, todas as pessoas designadas pelo nome ou anônimas, para uma relação com a obra de Deus na história. A salvação é um encontro com a vida de Jesus de Nazaré no próprio coração da gente. A salvação é a história de Deus em nós através do seu Filho.

A Copa é uma delícia, o governo uma vergonha!

A percepção mundial sobre a corrupção no Brasil piorou em 2013 de acordo com a classificação da entidade Transparência Internacional. Entre 177 países avaliados, o País caiu três posições, da 69.ª para a 72.ª colocação no ranking que mede justamente as economias mais limpas do mundo. Claro que só pioramos porque temos uma administração petista que é um vexame na corrupção, nos mensalões e falcatruas da vida. Eu olho para esse governo em todos os setores e tudo é uma vergonha. Começaremos a Copa que é uma delícia e diverte demais porque o povo brasileiro é apaixonado por futebol, mas com um sentimento de tristeza enorme por saber que os gastos atingiu 163% a mais que o previsto inicialmente. Deste total, 97% é dinheiro público. Que triste receberemos o mundo no Brasil e a tônica será: No momento queremos dinheiro para a saúde, transporte e educação! Esse é só um pensamento de alguém que se preocupa com o nosso país. Depois da Copa temos um presente para a despedida desse atual governo …

Um Deus cheio de compaixão

Com paciência dia após dia, perceberemos que temos um Deus cheio de compaixão e que suscita na nossa dor o mesmo louvor que ele suscitou no coração de Davi no Salmo 13. Pois, é da nossa dor que surge o verdadeiro louvor. É na nossa dor que percebemos que temos um Deus que é extremamente gracioso e bondoso para conosco (Poesia e oração).

Os Arrais - Não fale

https://www.youtube.com/watch?v=MiNEefO_kCM&index=11&list=RDutkJZuBknLQ

Uma canção profunda

How Great Thou Art http://vimeo.com/91945011

Um glória muito diferente

A glória com a qual Jesus foi glorificado e que, em sua oração, pediu que Deus nos concedesse é muito diferente dos tipos de glória que nos condicionamos a desejar e admirar. Essa glória não é conspícua. Não é glamorosa. Não é a glória que aparece nas revistas famosas ou em pôsteres de viagem. Não é uma glória que os editores de moda podem ver. Não é uma glória que satisfaz nossas cobiças e nosso ego.

Simplesmente Família "Desfaça"

https://www.facebook.com/photo.php?v=691241254244648

A liberdade e a necessidade

Ter liberdade não significa fazer o que dá na cabeça, como agitar os braços e pular de uma ponte, esperando alçar vôo tranquilamente sobre o rio. Na verdade, a liberdade é incompreensível sem a necessidade. A liberdade e a necessidade são realidades entrelaçadas. Grande parte da arte de viver consiste em adquirir aptidões para negociar com esses dois elementos. No entanto, devemos considerar que é no âmbito do lugar, da dádiva do lugar, que a liberdade e a necessidade nos envolvem numa dialética incessante. A prática dessa dialética faz parte do cerne da condição humana, da essência daquilo que fazemos ao nos juntarmos a Cristo em sua atuação na criação.

Não somos estranhos

Evidentemente, não somos apenas pó. O Senhor Deus soprou nas narinas desse homem de pó, que se tornou, então, "um ser vivente". Uma vez que o sopro de Deus é introduzido nos pulmões dos seres humanos, acumula-se ao nosso redor e dentro de nós uma dignidade enorme. A dignidade assume configuração particular à medida que uma mudança ocorre na trama narrativa: na primeira metade do capítulo (v. 4-14), Deus nos forma e nos coloca  num determinado lugar; na segunda metade (v. 15-25), ele trata conosco de maneira mais pessoal, mais relacional.  Primeiro, Deus nos envolve numa continuação de sua obra criadora: "Tomou, pois, o Senhor Deus ao homem e o colocou no jardim do Éden para o cultivar e guardar" (v. 15). Somos colocados para trabalhar, ou seja, temos algo útil a fazer, participando na criação de Deus sob a direção de Deus.  Não somos forasteiros neste lugar, nesta terra; não somos estranhos para essa substância da qual somos feitos. O trabalho …

Seres humanos

As palavras em latim humus (solo, terra) e homo (ser humano) são derivadas de um radical comum, do qual também temos o termo "humilde". Essa é nossa origem, segundo Gênesis: pó — pó que o Senhor Deus usou para nos transformar em seres humanos. Quem sabe teremos mais humildade se desenvolvermos uma percepção aguçada de nossa origem e um senso de concordância com ela?

A nossa deficiência

Matamos as pessoas lá fora porque morremos aqui dentro. A nossa deficiência de amar é por causa da debilidade espiritual (Carlos Pinheiro Queiroz).

Esse filme é simplesmente extraordinário!

Confie na providência de Deus e não abra mão dela

Salomão diz no versículo 3: O Senhor não deixa o justo passar fome; mas o desejo dos ímpios ele rechaça. Vejam que promessa preciosa para aqueles que vivem de maneira correta. Estes jamais têm falta qualquer na vida. O contrário é que o desejo do perverso é reprimido por Deus. A cobiça das pessoas más é barrada pelo nosso Deus. Às vezes, ficamos desesperados na vida. E agora pastor?  O ritmo da vida está assim e não tem perspectivas, não tem esperança alguma. Então vem uma pergunta muito séria para nós: Como compartilharemos o crescimento e maturidade para os outros se não confiamos em Deus a quem servimos? O que devemos saber e crer é que há uma promessa para os que confiam em Deus e se edificam nele. Ele proverá tudo para a vida. Então não precisamos viver em função dos homens e sim de Deus. Não precisamos viver em função das vantagens humanas, mas da direção eterna de Deus para tudo na vida. O que a Bíblia fala sobre essa promessa? Fui moço e agora sou idoso, porém jamais vi o justo…

Crescimento e maturidade na vida

Na vida de José, filho de Jacó, nada é tão rápido. Ele tinha 17 anos quando foi preterido pelos seus irmãos. No Egito passou um tempo como escravo e pelas somas parece que foi ver seus irmãos com mais de 30 anos. No meio de tudo isso, José sofre, chora, lava porcos, lava os pés de Potifar e sua esposa, é acusado de abuso da mulher do chefe, é jogado numa prisão sem ter feito nada de errado, ao contrário, foi para lá justamente por ter feito o correto, não abrir mão de uma consciência cristãs. Pensemos sobre esses detalhes na nossa jornada:
1. Os desígnios e os planos de Deus são realizados no meio da dor. 2. Assim como foi com José, as dificuldades geram crescimento e maturidade na vida. 3. Nos caminhos duros da vida Deus continua nos amando e traçando os mosaicos da nossa história (Alcindo Almeida).

Atitude interior

Para termos um tempo com Deus é necessário silêncio. Anselm Grün diz que o silêncio é o meio para a proteção da percepção de estar totalmente envolvido e perpassado pela presença de Deus. Ele diz que devemos fazer silêncio a fim de mantermos a abertura para a presença de Deus. O silêncio é a atitude interior em que nos abrimos para esta realidade do Deus que nos envolve. Portanto, ela é mais do que o não-falar. Os monges se calam porque experimentaram a Deus e não querem, falando, destruir esta experiência (Livro Poesia e Oração).

As maiores riquezas da graça de Deus

Temos observado que a pobreza da cristandade hoje requer recursos de todos os vinte séculos de tradições espirituais, sejam eles ortodoxos, católicos ou protestantes. Teríamos então necessidade de sermos hesitantes quanto a receber uma enorme variedade católica de experiência que outros santos de Deus experimentaram através dos séculos de culturas da humanidade? Na verdade, aqueles que experimentaram maiores riquezas da graça de Deus são os que mais têm condições de serem ecléticos em suas leituras espirituais. É isso que eles podem fazer sem perder de modo algum a firmeza de fé e de doutrina, nem serem descuidados quanto à verdade essencial do Evangelho (James Houston. Cristianismo Verdadeiro de William Willbeforce pela Editora Palavra, p. 179).

Cuidado com o orgulho

“O orgulho nos faz artificiais, a humildade nos torna real” (Thomas Merton).

Cuidado com secularismo

"Substituir amor por técnicas e tecnologias é como a cultura cristã tem sido contaminada pelo secularismo" (James M. Houston).

Os desejos precisam ser trocados

Nossos sentimentos e desejos precisam ser trocados e, na verdade, redimidos, para que entremos na realidade indicativa ou profética da vida cristã (James M. Houston).

A expectativa do amor de Deus

A alegria vive a expectativa do amor de Deus. Sem esperar em Deus, fechamo-nos para a alegria (James Houston. Meu legado espiritual).

Estamos em Cristo

Nosso relacionamento com Deus não nos une antes de tudo aos nossos semelhantes; ele nos separa. Portanto, como cristãos, nunca somos tanto nosso verdadeiro eu quanto quando estamos “em” Cristo Jesus. Nesse estado, nossa singularidade pessoal é apreendida na realidade do amor de Deus por nós, e somente então a vida cristã torna-se comunitária. Quanto maior nossa segurança em Cristo, mais decididos estaremos a fazer o que a verdade nos chama a fazer. Nossa singularidade e nosso crescimento em santidade andam juntos (James Houston. Meu legado espiritual).

Na direção do Eterno

A alegria é um novo modo de ser, de auto-sacrifício, de levantar nossos olhos na direção do Eterno, de olhar além das coisas deste mundo, de aceitar com alegria nossas breves aflições por amor a ele (James Houston. Meu legado espiritual).

O “eu” é enganoso

Quando somos forçados a viver no fio da navalha da interdependência, acreditando somente no eu isolado e tentando viver confiantes em nossa identidade baseada no papel que desempenhamos, é fácil cair em desespero. Começamos a descobrir como o “eu” é enganoso (James Houston. Meu legado espiritual).

Crescimento e maturidade

A pessoa cristã é alguém que recebe, mas não alcança o mérito. A perfeição cristã não está no ideal grego de não ter falhas, mas numa expressão de crescimento e maturidade (Livro Mentoria Espiritual).

Coisas que ultrapassam o material

"O desejo é o incessante pulsar da vida humana. O que ansiamos determina o escopo de nossas experiências, a profundidade de nossas percepções, os padrões com os quais julgamos e a responsabilidade com que escolhemos nossos valores. Por isso é de crucial importância ansiarmos por coisas que ultrapassam o material, que sejam transcendentais" (James Houston. O desejo. Editora Palavra).

Sensibilidade para perdoar

José foi um homem tão relacional e envolvente que ele ajudou pessoas a influenciarem outras pessoas. Ele tinha um senso profundo do chamado de Deus para servir outros. O Eterno Deus moldou seu servo através de muitos sofrimentos e provas. Vejam que ele teve sensibilidade para perdoar Potifar que o jogou na prisão injustamente, perdoou a esposa dele. Ele passou por provações que o ajudaram a construir relacionamentos perdoadores na vida. Imaginemos depois que Deus o levou à posição de primeiro ministro do Egito. Ele foi tirado das algemas da prisão para exercer autoridade absoluta sobre todo o Egito, ao lado do próprio faraó.  Percebam que ele não foi motivado pelo poder ilimitado para despejar a vingança sobre seus irmãos invejosos ou da esposa mentirosa de Potifar. José tinha tudo para se vingar dos seus irmãos. Ele poderia pegar o seu batalhão de soldados egípcios e acabar com Rubem, Judá, Simeão e os demais. Ele poderia apenas salvar seu pai, Diná e Benjamim seu irmão m…

A vida de José e o tecelão divino

Muitas coisas acontecem na vida de José a partir do momento em que foi levado ao Egito. Neste período José provou ter um caráter forte em circunstâncias adversas. Ele teria tudo para azedar sua alma e se tornar uma pessoa amarga, vingativa e odiosa. Só que ele se agarrou no pilar da promessa divina de cuidado e amparo.  A presença constante do mal na vida de José não o contaminou, não o destruiu. Ele chorou lágrimas de sangue por causa de toda maldade feitas pelos irmãos, pela mulher de Potifar e pelo esquecimento de um dos funcionários de Faraó. Seu coração foi esfregado contra a parede diante da deslealdade e da injustiça. Mas, o fato é que Deus o redimiu dessas dores, Deus o guardou do ódio, da vingança e da amargura porque estava trabalhando nele, moldando sua alma e coração para ele lembrar lá na frente que sua túnica rasgada pelos seus irmãos se tornaria numa túnica real, que o poço onde ele foi jogado por acusações falsas se transformaria num palácio.  Todos os acontecimentos q…

Ele vai ajudar você

Confie em Deus. Sério, confie nele de verdade. Ele vai ajudar você a sair dessa. Vai ser fácil e rápido? Assim espero. Mas dificilmente é. Porém, não se esqueça: Deus vai fazer o bem a partir dessa bagunça. Esse é o trabalho dele (LUCADO, Max. Você vai sair dessa).

Estabelecendo a paz

"Deus faz todas as coisas segundo o propósito da sua vontade" (Efésios 1:11). Todas as coisas significa absolutamente tudo. Sem exceções. Tudo na sua vida está acontecendo para levar a um clímax em que Jesus irá reconciliar "consigo todas as coisas, tanto as que estão na terra quanto as que estão no céu, estabelecendo a paz pelo seu sangue derramado na cruz" (Colossenses 1:20) [LUCADO, Max. Você vai sair dessa].

Mais perto de Deus

Deus está planejando o nosso bem. Ele está planejando o melhor para o nosso futuro com todos os erros e obstáculos. Cada acontecimento de nossos dias é planejado para nos trazer mais perto de Deus e do nosso destino (Max Lucado. Você vai sair dessa).

Pensando na vida preciosa de José

Esse é um personagem do Velho Testamento que mexe com meu coração. José passou por vários e enfrentou vários perigos na vida, entrou em vários buracos por causa da maldade das pessoas ao seu redor. Ele foi jogado num buraco e deixado ao léu. A história piorou antes de melhorar. Depois de ser abandonado, foi vendido, virou escravo e foi para a prisão de maneira injusta. José sofreu tudo que nenhum ser humano gostaria de sofrer. Mas, quando olhamos para José percebemos que ele nunca desistiu, a amargura nunca tomou conta do seu coração. A raiva e a vingança nunca tomaram conta do seu coração gerando ódio. A sua alma nunca azedou e nunca ele perdeu sua determinação e na hora que ele teve a chance de devolver os ataques feitos a ele, não o fez. Ele sobreviveu porque confiava não em si mesmo, mas na graça e providencia divina. José é um paradigma para o nosso coração em confiar na ação do Eterno Deus. Agradeço a Deus por ter uma pessoa tão impactante para nosso aprendizado no coração.

Comprometimento

O segredo para qualquer família perdurar, aguentar firme todas as pressões é uma palavra em prática: comprometimento. Sejam quais forem os problemas ou conflitos, o comprometimento da aliança vencerá qualquer obstáculo. O comprometimento traz a possibilidade do perdão, da restauração dos sentimentos, da confiança, do afeto, da amizade no lar (Livro: Um jeito doce de viver com seu cônjuge).

O amor suporta tudo

Nunca deixemos de levar em conta que o amor não é volúvel: O amor é experimentado aqui e agora. Ele é o alicerce seguro para a esperança naquilo que não podemos ver. O amor resiste a qualquer coisa sem se transformar em cinismo. Por isso, o amor nos une a Deus sempre. O amor suporta tudo em graça (Livro: Um jeito doce de viver com seu cônjuge).

Cuidando de gente

Pelo menos duas partes do lema da Revolução Francesa de 1789 deveria fazer parte do nosso país hoje: "Igualdade e Fraternidade". Igualdade para não vermos tanta gente tendo tanto e outros nada, mendigando o pão na nossa pátria e fraternidade para cuidarmos dos bens desse país que são as pessoas em geral, crianças, mães, pais, idosos desse país que não têm nem o mínimo que é uma saúde pública com qualidade. Mulheres que não têm afeto e carinho e são humilhadas como vimos aquela mulher de 33 anos sendo espancada numa rua. Pensemos sobre isso!

A palavra cura

Estou lendo sobre a palavra “cura” no sentido de ser cuidado, do ponto de vista da existência. E numa análise do significado da palavra cura tem a ver com atitude de serenidade. É o conhecido conceito de “sorge” desenvolvido por Heidegger. Para ele é a ideia do ser-no-mundo (Martin Heidegger. Ser e tempo, p. 257). A cura, cuidado, angústia e serenidade integram-se à constituição essencial do ser-aí como ser-no-mundo. Como diz  Boff: “Cuidar é mais que um ato, é uma atitude. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilização e envolvimento afetivo com o outro” (BOFF, Leonardo. Saber cuidar. Ética do humano – Compaixão pela terra. Vozes, 1999, p.33). Então pensando na gente como embaixadores do Reino, somos os curadores divinos que levam a mensagem da cruz. E essa cura divina de Cristo na cruz gera:
- Restauração; - Perdão; - Renovação da vida; - Reconstrução do significado na presença de Deus; - Volta ao jardim de comunhão com o Criador. 
As nossas comunidades são oficinas…

Uma visão do mundo de Deus

Precisamos não apenas aprender sobre o conhecimento da sabedoria, mas devemos internalizá-la dentro do coração para que tenhamos uma visão do mundo de Deus na vida. Para que tenhamos a visão das realidades bíblicas, para que agrademos e sirvamos ao Eterno Deus com coração sábio (Livro Jornada inteligente).

Alphakids em 2014