Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016

Minuto de graça 68 - A roda da carroça.

Os desertos da alma

Eugene Peterson no livro Transpondo muralhas diz que quando estamos num lugar deserto, não estamos no controle de coisa alguma, não temos compromissos a cumprir nem reuniões a realizar. Fiquemos atentos e nos mantenhamos vivos, só isso. Num lugar isolado, conseguimos geralmente compreender nossa vida de forma simplificada e aprofundada. Muitos são aqueles que, após alguns dias num desses lugares, sentem-se mais eles mesmos, descomplicados, livres, espontâneos. E não é raro que, mesmo que por qualquer motivo não estejam acostumados a fazê-lo, venham a proferir o nome Deus. Existe algo de maravilhosamente atrativo nos lugares ermos. Sejamos transformados pelo Eterno Deus nos desertos da alma e do coração! (Alcindo Almeida).

Seres humanos têm sentimentos

Abrir mão de nossas emoções por medo de que o custo seja muito alto significa nos afastarmos da única coisa que dá sentido e significado à vida. Somos pessoas e sentimos, sentimos e choramos. Seres humanos têm emoção que corre nas veias da alma. O salmista diz no Salmo 38.9: *Na tua presença Senhor estão os meus desejos todos e a minha ansiedade não te é oculta*. Vejam a necessidade de expressarmos os nossos sentimentos, porque somos humanos e podemos nos abrir diante daquele que é a nossa fonte, o nosso socorro e amparo em todo tempo! (Alcindo Almeida).

A experiência da felicidade

A fé nos liberta da compulsão por sermos sempre felizes. E a fé em Deus nos presenteia sempre com a experiência de uma felicidade imerecida (Anselm Grün).
O monge alemão Anselm Grün disse algo precioso sobre I João: "A primeira epístola de João nos diz que Deus é amor. O amor de Deus impregna toda a criação. E o amor de Deus é também a fonte interna da qual bebemos. Mas, Deus não é apenas amor, ele é também um "tu", um interlocutor, que podemos conhecer. E quando conhecemos Deus, conhecemos nossa própria verdade". Concordo com Grun e isso nos faz bem e nos liberta. Já pararam para pensar nesse amor divino? um amor que se entrega, um amor que rasga um pedaço da Trindade e mada aqui para a terra a fim de amar pecadores como nós. Que amor é esse que envia a segunda pessoa da Trindade para morrer numa cruz por um bando de miseráveis? Que amor é esse que faz o Deus da criação ser humilhado por pecadores a fim de cumprir o plano de redenção? que amor é esse? Um amor divino que desce do céu para tomar o lugar de pecadores. Esse amor é para nós de graça e com entrega total. Agradeçamos a Deus por esse amor que vem dele para …

A necessidade de valorizar o seu líder - (II Samuel 21-15-17)

Eu li mais uma das histórias de Davi. O texto diz que houve uma peleja de Israel contra os filisteus e nesse dia Davi desceu e com ele os seus servos e tanto pelejaram contra os filisteus, que Davi se cansou. E Isbi-Benobe intentou ferir a Davi. Mas, Abisai, filho de Zeruia, o socorreu e feriu o filisteu matando-o. Então os homens de Davi lhe juraram, dizendo: Nunca mais sairás conosco à peleja, para que não apagues a lâmpada de Israel. Eu e as minhas perguntas: que homem é esse que os seus servos dizem que ele é uma lâmpada para Israel? Os seus homens ficaram apavorados com a possibilidade de perderem esse homem de Deus. De não terem mais as palavras e o convívio dele no meio deles. A fala deles é que nunca mais Davi sairia nas pelejas arriscando a sua vida. Será que olhamos assim para os líderes das nossas comunidades? Temos o prazer de tê-los ao nosso lado? Temos esse cuidado especial como os homens de Davi tinham para com ele? Claro que sou suspeito para falar porque sou pastor, m…

O trabalho pastoral

A maior parte do trabalho pastoral é realizada na obscuridade, é decifrar a graça nas sombras, procurando sentido num texto difícil, é assoprar as brasas quase apagadas de uma vida quase extinta. Esse é um trabalho árduo e pouco atraente (Eugene Peterson. A vocação espiritual do pastor).

Um plano divino

Ontem eu li mais uma vez o livro de Rute e o capitulo 4.13 afirma: Assim, tomou Boaz a Rute, e ela passou a ser sua mulher; coabitou com ela, e o Senhor lhe concedeu que concebesse, e teve um filho. Quando lemos esse texto, percebemos que é um desfecho divino da história de uma mulher que humanamente falando, teria tudo para ver sua vida se perdendo. Só que aparece na vida dela uma palavra divina chamada: providência. A nuvem sobre a cabeça de Rute e Boaz está cheia de misericórdia. A história começou com a perda de Noemi. Ela termina com ganho de Noemi. O versículo 17 é o grande destino da longa e tortuosa estrada da vida de Noemi. E as vizinhas lhe deram um nome, dizendo: A Noemi nasceu um filho. Que extraordinário vermos o sinal da graça de Deus em retrocessos amargos na vida de Noemi e de Rute. Primeiro, quando toda a vida de Noemi parecia desabar em Moabe, foi Deus quem deu Rute a Noemi. Em segundo lugar, Noemi dá a impressão no capítulo 1, que não há esperança que Rute pudesse s…

Motivação

Motivação ajuda as pessoas que sabem o que devem fazer a fazê-lo!  Motivação ajuda as pessoas que sabem quais compromissos devem assumir a assumi-los!  Motivação ajuda as pessoas que sabem quais hábitos devem abandonar a abandoná-los! Motivação ajuda as pessoas que sabem qual caminho devem seguir a segui-lo! (Livro: 25 maneiras de valorizar as pessoas. John C Maxwell).

Somos pessoas singulares

O maior patrimônio que você possui é a pessoa que você é. Então seja o que Deus projetou para ser: filho dele por meio do sangue derramado na cruz do Calvário. Nós somos pecadores, falhos e miseráveis na natureza. Mas, ainda assim, somos amados de Aba e somos pessoas singulares, pessoas que entraram na galeria dos eleitos de Aba, antes da fundação do mundo. Seja o que você é, eleito, pecador redimido pelo sangue do Cordeiro e amado de Deus Pai, Deus Filho e Espírito Santo! (Alcindo Almeida).

Um espelho diante de nós

Colocar um espelho diante de nós e expor nosso duplo fracasso seriam um fardo severo e insuportável, não fosse esta outra dimensão da história: Deus realiza seus propósitos por meio de quem realmente somos, com nossa desobediência impetuosa e nossa obediência impiedosa, e generosamente usa nossa vida tal como encontra para realizar sua obra. Ele faz isso de tal maneira que é quase impossível para nós recebermos crédito por ela, mas também de tal maneira que em algum lugar no caminho ficamos surpreendidos  com as vitórias que ele realizou, no mar e na cidade, onde desempenhamos nosso estranho papel de Jonas (PETERSON, Eugene. A vocação espiritual do pastor. Mundo Cristão).

Lugares que atraem o coração

Peterson diz que nós pastores somos muito parecidos com Jonas. Queremos ir para lugares que atraem nossos corações, atraem nossa vida, nos dão um vislumbre de uma melhor qualidade de vida, benefícios, promoção pessoal, status, fama e etc. Só que a vontade de ir a Társis não se resume apenas aos pastores. Na verdade, todos nós sempre queremos fazer o que desejamos. Mas, nem sempre o desejo de Deus é que estejamos em Társis (Eugene Peterson. A vocação espiritual do pastor. Mundo Cristão).

Nínive ou Társis?

Lendo aqui o livro A vocação espiritual do pastor, percebo o quanto nós gostamos de Társis, porque tem mais aparência do belo e do atrativo. Társis é o lugar da carreira religiosa sem termos que lidar com Deus. Não gostamos de Nínive, porque é o lugar do trabalho segundo a vontade de Deus e não conforme a nossa vontade. Nínive é com gente, Társis com os prazeres do coração!

Sobre a oração

Santidade na vocação

A idolatria vocacional pode iludir os pastores a se envolverem com uma carreira apenas religiosa que podem comandar e controlar sempre. O que livra o pastor da banalidade religiosa é a santidade ardente. A santidade na vocação nos faz correr atrás do Evangelho e não atrás de uma carreira pastoral (Eugene Peterson).

Descanso na providência divina

Na oração de coração aberto entramos na contemplação do Deus que conhece a nossa mente e coração e escuta atenciosamente os dilemas da nossa alma. Na oração aprendemos a descansar na bondosa providência do Eterno Deus e expressamos nosso pensamento, sonhos e lutas diante daquele que é o nosso Pai amoroso que nos olha com compaixão e graça (Henri Nouwen. Direção espiritual).

Direção nas jornadas

A vida é cheia de jornadas. Algumas são excursões tediosas, problemáticas e tristes. Outras são aventuras emocionantes que embarcamos com os olhos da fé. Mas, tanto, nas ruins como nas boas, percebemos que não estamos sós. Deus sempre está ali, ele sempre nos dá a direção para essas jornadas! (Alcindo Almeida).

Além das estrelas - Grupo Candeia na IPALPHA setembro/2016

Minuto de graça 67 # Sem máscaras

O caos do egoismo

Quando os seres humanos estiverem em ordem com o natural da vida, a criação também estará. Todos perguntam: que caos é esse na sociedade? A resposta é que o ser humano está no caos do egoismo e se esqueceu de amar e cuidar e a criação só reage a tudo isso (Alcindo Almeida).

Minuto de graça #46 - A vida de José e o tecelão divino

Banda Ágape (Formação Anos 80) - Dez 2012 - Atlanta, GA

Reflexão no Salmo 13

Davi nos primeiros três versículos, faz 4 perguntas iguais: Até quando Senhor? Olhem só, percebam que as perguntas são feitas para o Deus que conhece o coração de Davi, ele sabe quem é Davi, Davi por sua vez, também sabe quem é o seu Deus. Por isso, ele vai para a fonte certa, ele pergunta para pessoa certa, e aqui a gente aprende a primeira lição:
- Sejamos sinceros na oração:
Davi não nega sua queixa diante de Deus e abre a alma dizendo para Deus e diz o que sente lá dentro! Aprendemos com Davi o que significa ser sincero diante de Deus. Significa que não nos tornamos falsos diante de Deus ao abrimos o nosso coração para ele, sem esconder a nossa insatisfação e sem esconder a nossa dor. Mas, o fato é que fazemos a nossa oração ao Senhor reconhecendo que só ele, e mais ninguém, pode resolver as dores do nosso coração. Porque a linguagem da oração ocorre num nível absolutamente pessoal e como um único propósito nos moldar e nos levar para Deus. Para esta realidade precisamos de sincerida…

Minuto de graça 65 # Um tesouro muito valioso

Continuo crendo

Minuto de graça 66 # Encontro com Deus

Palavra viva e eficaz

A Palavra de Deus não pode ser manipulada. Ela nos chama a uma reação pessoal e nos adverte no coração. A única reação apropriada é uma atitude de reverência, pois ela é sempre mais do que somos, sempre nos precede, sempre está acima de nós. Essa Palavra vai lá dentro de nós e produz transformações profundas e revolucionadoras. Ela nos ensina a fugir da mentira, a praticar amor de verdade e a seguir a justiça na vida. Como diz o escritor aos Hebreus: Pois a Palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra ao ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração (Alcindo Almeida).

Cristo no centro do coração

Quando lemos o texto de Filipenses 1:21, percebemos claramente que Jesus é o centro da vida de Paulo. Ele diz: Pois para mim viver é Cristo, e morrer é lucro. Cristo era o centro absoluto da vida de Paulo e por isso, era um lucro certo partir dessa vida. Olhando para a nossa vida percebemos que ao seguir Jesus e nos entrosarmos na nova vida de salvação, somos frequentemente tentados, por uma série de seduções, a negar, ou evitar, ou até mesmo menosprezar Jesus Cristo no cotidiano. Paulo faz do momento de prisão uma declaração porque ele estava ali e o que ele desejava na vida. Ele queria ver Jesus. O sentido da sua existência era Jesus de Nazaré. Por isso, ele disse que Cristo era o centro do seu coração. Saibamos que quando Cristo é Senhor da nossa vida, o nosso agir é diferente diante das dificuldades. Precisamos da consciência no coração de que Jesus está no centro do nosso coração. Paulo tem essa consciência e assim pode afirmar que o morrer para ele é lucro. Mas, ele entende que …

O inimigo da integridade

O auto-engano é o inimigo da integridade porque impede que nos vejamos como realmente somos. Encobre nossa falta de crescimento no Espírito daquele que é a Verdade e impede que aceitemos nossas personalidades reais (Brennan Manning. Meditações para Maltrapilhos. Editora Mundo Cristão).

Um lugar secreto

No texto de Mateus 6:1-8 temos a proposta de Jesus sobre o secreto do nosso quarto. É o convite para um tempo de oração em secreto porque quem não sabe orar em secreto, com a porta fechada, não aprenderá a contemplar Deus quando estiver nos lugares públicos. Como diz o teólogo Ricardo Barbosa: A espiritualidade secreta do quarto nos habilita para uma espiritualidade verdadeira em público.  O quarto é um lugar pessoal e não um lugar simplesmente fechado. O secreto do quarto é aquilo que tem a ver com o que acontecerá quando sairmos dele. Portanto, a intimidade no secreto do quarto nos leva para uma singularidade na relação com Deus e com o nosso próximo. Essa experiência nos leva para uma verdadeira comunhão com a Trindade e com o próximo. Deus está no nosso coração e, por isso, precisamos do secreto para ouvir a voz do Pai. O secreto é um caminho para a liberdade no público. Pois, no secreto, é Deus nos ouve, que conhece os segredos do nosso coração e as motivações mais escondidas da …

Leituras em setembro de 2016

SOUSA, Ricardo Barbosa. Pensamentos transformados, emoções redimidas. Minas Gerais: Editora Ultimato, 2016. O livro mostra que nossos sentimentos e emoções, em grande parte, seguem nossos pensamentos e convicções. Para o pastor Ricardo Barbosa, não são os acontecimentos que determinam nossos sentimentos e emoções, mas a maneira como os encaramos. E, mais importante, como percebemos Deus no meio deles. Uma leitura cheia de sabedoria que vai ajudar o leitor a aprofundar suas convicções e amadurecer suas emoções.Contém 97 páginas.
WILLARD, Dallas. Vivendo na presença de Cristo. São Paulo: Editora Vida, 2016. Dallas Willard explora nestas páginas o que significa viver bem hoje, à luz do Reino de Deus. Reflete sobre o poder da Trindade em nossa vida, o significado do conhecimento, a importância das disciplinas espirituais e muito mais. Apresenta ideias incisivas sobre como será a transição para a presença do próprio Cristo no céu. Essas reflexões constituem uma conclusão adequada para o mi…