Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2016

Resgate de identidade

A vida humana é aquela realidade paradoxal que consiste em decidir o que iremos fazer, ou seja, em ser o que ainda não somos. Acredito que o problema interno do nosso coração é que a queda afetou nossa imagem. Então, com a imagem desfigurada temos uma crise do ser, queremos um significado como ser, queremos o resgate de nós mesmos. Então qual é a solução? É Jesus Cristo de Nazaré que vem para nos resgatar e nos colocar de volta na relação com a Trindade. Esse maravilhoso Jesus nos resgata na identidade e nos coloca em contato com a Trindade de novo. Com ele, por meio dele, nós voltamos ao jardim de Deus pela graça. Isso é precioso demais porque podemos ter de volta o bate-papo divino com o nosso Senhor! E isso acontece por causa do nosso mediador Jesus Cristo de Nazaré! Sejamos gratos de coração por esse resgate divino da comunhão com o Pai, Filho e o Espírito Santo! (Alcindo Almeida).

Necessidades básicas

Larry Crabb diz que o homem possui essas duas “necessidades” básicas no âmago do seu ser, as quais motivam todo o seu comportamento: a necessidade de “segurança” e “significação”. Essas duas necessidades são referidas como meros componentes exigidos para satisfazer as necessidades básicas originais do homem: “um senso de dignidade pessoal, uma aceitação de si mesmo, como sendo uma pessoa completa e real”. Os homens são levados impiedosamente a satisfazer essas necessidades e as “forças motrizes” superam todos os problemas no aconselhamento, sendo que a tarefa dos conselheiros é mudar a premissa básica das pessoas sobre como satisfazer estas duas mais profundas necessidades.

Um diálogo saudável

O diálogo saudável implica entrar na realidade do outro. No diálogo, não temos permissão de permanecer na posição em que estamos; temos que passar para a perspectiva da outra pessoa. O grande problema é que não temos tanta paciência para sentar e olhar nos olhos da pessoa enquanto ela fala. Isso exige atenção, tempo e coração sensível. Jesus é mestre nisso, ele olha para as pessoas, ele senta para ouvi-las. Jesus vai numa casa e senta, come e conversa com as pessoas. Que nós tenhamos um coração sensível para dialogar com os outros e ouvir um pouco das histórias, seus dilemas e dores da alma (Alcindo Almeida).

O caminho do poder

Nestes tempos de grande incerteza econômica e política, uma das maiores tentações é a de usar a fé como instrumento para exercer poder sobre os outros e, consequentemente, suplantam o mandamento de Deus com os mandamentos humanos. Quando o poder é usado para proclamar a boa nova, a boa nova depressa torna-se uma má nova. E é isso que indigna Deus (Henri Nouwen. O caminho do poder).

Singela verdade

Eu quero deixar com você uma simples e singela verdade. Não há caminho para a vida exceto pela morte. Não há caminho para o poder exceto por meio da fraqueza e quebrantamento. Não há caminho para a plenitude exceto por meio do esvaziar. Não há caminho para o pleno frutificar exceto por meio do podar. Não há caminho para a exaltação exceto por meio da humilhação. Não há caminho para o trono exceto se sua vida for lançada por terra. Não há caminho para conhecer a glória de Deus em plenitude exceto por meio da comunhão de seus sofrimentos. A chave verdadeira para a vida transbordante, para a vida mais abundante, a vida de ressurreição, não é quanto eu vivo, mas quanto eu morro. O problema não é como viver a vida cristã; o problema é como morrer. Se você tiver o segredo de morrer com Cristo, você não terá de aborrecer a mente sobre como viver a vida cristã (Lance Lambert).

Contexto da verdade

Acho que levar a vida a sério é mais ou menos isto: qualquer coisa que a pessoa faça neste planeta tem de ser feita no contexto da verdade em que se vive, a do processo da criação, a do ressoar do pânico que está por trás de todas as coisas. Caso contrário, é fingimento (Ernest Becker).

O profundo amor divino

Algo precioso é saber que temos estrela da manhã dentro de nós. Podemos nos deleitar com esse presente em todas manhãs. Podemos acordar bem cedo e contemplar a graça do cuidado do Eterno para conosco. Podemos experimentar todo dia o seu profundo amor para conosco. Podemos viver em função do seu amor que nos sustenta e nunca nos abandonará. Aconteça o que for, o Eterno nunca nos deixará, porque na cruz do Calvário, ele garantiu a manutenção eterna desse amor gracioso e bondoso. Ele nos deu o seu Filho Jesus Cristo de Nazaré! (Alcindo Almeida).

O Pai nosso

A Oração dominical – “O Pai nosso” – é tão perfeita e completa que tudo quanto se lhe acresce não se pode referir nem nela se pode incluir, pois vai contra Deus, é ímpio e não merece que Deus o aprove. Porque ele nesta oração nos  demonstrou tudo o que lhe é agradável, tudo quanto nos quer outorgar. Portanto, aqueles que se atrevem a ir mais além e presumem pedir a Deus o que não se contém nesta oração, primeiramente pretendem acrescer algo à sabedoria de Deus, o que é uma grave blasfêmia; e, em segundo lugar, não se submetem à vontade de Deus, senão, ao contrário, se apartam muito dela e não fazem caso da mesma. Finalmente, jamais alcançarão o que pedem, posto que oram sem fé (O Livro de ouro da oração - João Calvino).

Perdoando os nossos devedores

Como nós perdoamos a nossos devedores; quer dizer, como nós perdoamos a todos aqueles que nos fizeram algum agravo ou injúria, seja de palavra ou de fato. Não que perdoemos a culpa do delito e a ofensa; pois, isto pertence só a Deus; senão que a remissão e perdão que temos de fazer consiste em arrojar voluntariamente de nosso coração toda ira, ódio e desejo de vingança, e esquecer definitivamente toda injúria e ofensa que nos tenham feito sem guardar rancor contra ninguém. Portanto, de nenhum modo devemos pedir perdão pelos nossos pecados, se não perdoamos a todas as ofensas que nos fazem. Se pelo contrário, guardamos em nosso coração algum ódio, ou pensamos vingar-nos e procuramos a ocasião de fazer mal a nossos inimigos; mais ainda, se não nos esforçarmos em voltar à sua  amizade, reconciliarmos com eles. Pedimos nesta oração a Deus que não nos perdoe nossos pecados; pois lhe suplicamos que faça conosco, como o fazemos também com os demais (O Livro de Ouro da Oração - João Calvino).

O exercício de fé

Porque nosso bom Pai não se desdenha de tomar sob sua proteção e amparo, também o nosso corpo, para exercitar nossa fé nestas coisas humildes e pequenas, quando tudo esperamos dele, até uma migalha de pão ou uma gota de água. Pois, como nossa perversidade é tal, que sempre temos muito mais em conta e tomamos maior cuidado de nosso corpo que da nossa alma. Assim, pois, não é pequeno o exercício de fé o de esperar de Deus estas coisas. A palavra “hoje” e “cada dia” põe um certo freio ao desejo e cobiça desordenada das coisas transitórias, com as quais costumamos nos inflamar sobremaneira, e que leva consigo outros muitos males (O Livro de Ouro da Oração - João Calvino).

Minuto de graça 64 # Olhos espirituais

Súplica fervorosa

O intuito maior da oração não é a reflexão pacífica, mas a súplica fervorosa para que o Reino de Deus venha a se concretizar no mundo e em nossa vida. O objetivo máximo da oração é a obediência à vontade de Deus, não a contemplação do seu ser (Donald G. Bloesch).

Santificado seja o teu nome

A adoração a Deus acontece em meio à súplica. Louvar a Deus é orar “santificado seja o teu nome”, pedir-lhe que revele ao mundo sua glória para que todos venham a honrá-lo como Deus (Tim Keller).

Oração contemplativa

A oração contemplativa não pode nem deve ser uma autocontemplação, mas sim o voltar de olhos e ouvidos reverentes para a Palavra de Deus (Hans Urs von Balthasar).

Minha Lectio divina em Deuteronômio 4.9

Eterno Senhor me dá a graça de ser guardado em ti. Que a minha alma se volte para ti e que eu não esqueça da tua bondade, graça e amor para comigo. Em nome de Jesus amém! 
Texto de  Deuteronômio 4.9:Tão-somente guarda-te a ti mesmo, e guarda bem a tua alma, que não te esqueças daquelas coisas que os teus olhos têm visto, e não se apartem do teu coração todos os dias da tua vida; e as farás saber a teus filhos, e aos filhos de teus filhos.

Ser aprendiz

Ser discípulo é ser aprendiz, é simplesmente estar com outra pessoa, em condições adequadas, a fim de ser capaz de fazer o que faz o mestre, ou de se tornar como o mestre, e no nosso caso, somos discípulo de Cristo e vivemos na perspectiva de sermos iguais a ele, nas palavras, na conduta e no coração.  Nos Evangelhos percebemos que Jesus vive no Reino de Deus, ele coloca em prática tudo que diz para o bem de pecadores e convida as pessoas para entrarem no Reino. As mais profundas verdades teológicas sobre sua pessoa e sua obra não contrariam essa simples realidade de ser modelo do Reino, de ser o referencial máximo para seus seguidores (Livro O Jesus da proximidade). 

Minuto de graça 63 # O socorro verdadeiro

Minuto de graça 62 # Deus é amor

Além dos olhos

A fé vê sempre além dos olhos, ela vê o impossível, vê o inacreditável, vê o que está além das possibilidades humanas. Por isso, a Bíblia diz que o impossível se torna possível para o que crê. Porque pela fé tocamos o invisível, tocamos o intocável e vemos o que é impossível acontecer se tornando realidade. Isso só a fé explica e ela vem de Deus para nós andarmos no meio dos obstáculos e processos da vida (Alcindo Almeida).

Redenção das marcas do passado

Lendo aqui o livro de James Houston - O desejo, ele fala sobre as nossas reações naturais face às dores de nossa infância que são tão variadas quanto as nossas próprias histórias. Algumas pessoas se desligam totalmente afastando-se para o mais longe possível de seus lares, seja por meio de rebeldia ou de modo pacífico. Enfrentar os traumas da nossa infância não é algo fácil. Eu lembro da minha própria infância, complicada, dura, cheia de marcas profundas que estão vivas até hoje na alma e no coração. Fui espancado com meus 6 anos de idade por meu pai que era severo, duro e implacável. Toda vez que vejo uma criança sofrendo algum tipo de violência, minha alma sofre lá dentro. Creio que o único remédio para isso, é que somente Deus pode redimir nossa infância dura e machucada pelos acontecimentos. A nova vida em Deus nos faz sentir o cuidado paternal do Eterno Deus que nos ama e nos acolhe em seus braços. Somente ele pode curar as feridas e marcas recebidas na infância. Sei perfeitamen…

A plena maturidade de ser

A plenitude da vida humana consiste em ser como uma criança de Deus. Ser uma criança em termos humanos é somente o início de uma vida, mas ser uma criança diante de Deus é a plena maturidade de ser. É o nosso supremo êxtase, a satisfação de todos os nossos desejos. Hoje em dia, além da consciência do grito primitivo da infância, além do silêncio do abuso infantil, além do abuso adulto, além das feridas e marcas deixadas por todos os nossos relacionamentos, Deus gentilmente está redirecionando o nosso coração para nos ajudar a compreender a sua divina intenção, qual seja, a de sermos seus fi lhos. Este novo relacionamento dá tal segurança ao nosso coração, restauração de nossa vida, libertação de nossas amarras emocionais, que não mais vivemos vidas viciadas, de desespero. Pelo contrário, vivemos no amor de Deus, o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, que por seu Espírito nos capacita a clamar no espírito de nossa adoção: “Aba, Pai” (James Houston. O Desejo).

Propósito eterno

O Eterno Deus tem propósitos na vida daqueles que são os seus amados. Poucas promessas têm trazido mais conforto e forças para o povo de Deus através dos Séculos como o texto de Romanos 8.28: Sabemos que Deus age em todas as coisas para o bem daqueles que o amam, dos que foram chamados de acordo com o seu propósito. Se pudermos ter certeza no mais profundo do nosso coração que esta promessa é verdadeira, então seremos as pessoas mais livres dessa terra. Para crermos nisso, precisamos de fé e esperança no coração. Porque esta esperança que o Eterno Deus tem propósitos na nossa vida, supera qualquer presença de temor, de depressão, de ansiedade e até mesmo de algo que tem sido presente na realidade do mundo hoje, o suicídio. A esperança que o Eterno Deus tem propósitos para nós, dá nova vida para casamentos, amizades e igrejas desmotivadas. Esta esperança abre o futuro e atrai sonhos, planos e orações diante daquele que nos ama e nos chamou para os propósitos eternos! (Alcindo Almeida).

Uma personalidade secular

Grande parte de nosso modo de viver hoje, mesmo nossa fé religiosa, é distorcida pelo fato de vermos a vida ou como um sistema de pensamento que precisa ser explicado e discutido, ou como uma agenda que deve ser totalmente preenchida por atividades organizadas. Isso cria uma personalidade movida pelos valores de mercado, que pouco conhece sobre amizade de alma ou sobre a natureza pessoal de Deus (James Houston).

Summit 2016 na IPALPHA

Summit 2016 na IPALPHA
03-05 de novembro Faça sua inscrição!
http://www.ipalpha.com.br/summit
O Summit é uma experiência a nível mundial para líderes que querem aperfeiçoar sua liderança. Todo mundo tem influência e a responsabilidade de liderar bem. Quando cultivado em uma cultura de liderança centrada em Cristo, a sua influência pode mudar vidas e as organizações em que você lidera. Líderes são desafiados no Summit a afiar suas habilidades e para destravar todo o potencial de suas equipes. Junte-se a mais de 260 mil líderes de todo o mundo no Global Leadership Summit 2016 – 2017. No Brasil a conferência é ministrada em vídeo. A WCA serve ao lado de 7.000 igrejas parceiras, representando mais de 90 denominações e a 190.000 líderes em 105 países. Um privilégio único. Ao longo de um ano 15.000 igrejas são impactadas com visão, treinamento e recursos trazidos pelo Summit. Neste ano, teremos mais uma edição do Summit em nossa igreja. Nos dias 03, 04 e 05 de novembro.  Valor individual: R$120.0…

A amargura

A amargura é como um câncer, ela se alimenta do hospedeiro. Ela trabalha às escondidas e é raro enxergar o veneno correndo por sua veias. A amargura vai correndo a gente oi dentro até nos transformar em seres azedos e rancorosos. Cuidado com esse negócio horrível que adoece você e não permite respirar de maneira saudável nos relacionamentos. Diga o conselho das Escrituras Sagradas: Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem - Hebreus 12.15 (Alcindo Almeida).

Ele é

Jesus é o nome que nos mantém atentos para a vida definida e agraciada pelo Pai. Jesus é a figura central e definidora na vida espiritual. Ele traz à luz aquilo que jamais teríamos entendido sozinhos, que sequer teríamos imaginado em um milhão de anos. Ele é o Deus Filho entre nós. Ele é Deus falando, agindo, curando e ajudando. Ele é a nossa salvação, a nossa fonte de vida, o pão vivo que desceu do céu, o caminhado, a verdade e a vida. Ele é o princípio de todas as coisas. Ele é a plenitude de tudo. Ele é igual ao Pai em essência. Ele é o grande Senhor e Salvador do nosso coração. Lembro-me de uma parte da canção preciosa dos Arrais - Ele é: "Luz do Mundo, água Viva, Cristo, ele é Cristo, ele é Cristo. Ele tira o pecado do mundo, planta esperança na terra do meu coração. Cristo, pão que alimenta o faminto, vinho esmagado e servido na cruz para todo cansado. O que Cristo oferece, ele é" (Alcindo Almeida).

Leituras em agosto de 2016

NEE, Watchman. Conhecimento espiritual. São Paulo: Editora Vida, 1986. Um livro que fala sobre o jeito de andarmos com Deus através do contato com as Escrituras Sagradas, não somente no processo teórico de aprendizado, mas, sobretudo, no coração e na alma. Contém 133 páginas.
LELOUP, Jean-yves. O absurdo e a graça. Rio de Janeiro: Vozes, 2013. Obra autobiográfica, apresenta o sofrimento e as vivências absurdas de um homem que, depois de uma fase infanto-juvenil desconcertante, vai em busca da graça que o transforma no ser humano que é hoje. Muito mais que o relato de uma trajetória, é uma confissão surpreendente, é a vida de um homem de fé inquestionável, de alguém que possui um respeito profundo pelo ser humano e pela liberdade.Contém 352 páginas.
BORGES, Gerson. Ser evangélico sem deixar de ser brasileiro. Minas Gerais: Editora Ultimato,2016. Esse livro quer responder às seguintes perguntas: O que faz do brasileiro, brasileiro? O que faz do evangélico, evangélico? E como ser o segundo…