Teologia do Sofrimento por Mark Driscoll

Há inúmeros exemplos de mau ensinamento. Eu darei dez maneiras nas quais a doutrina do Sofrimento é ensinada erradamente, dessa forma corrompendo seu instinto de usá-lo no testemunho.
 
Primeiro. Você não evita o Sofrimento tendo um monte de fé.
 
Tem algo chamado "ensinamento de fé", que na verdade é ensinamento sem fé. É ensinamento infiel. Que diz: Se você tem fé suficiente, você não vai ficar doente e não vai ficar quebrado. Você vai ser saudável e rico.
A conclusão lógica é a de que, se alguém está sofrendo, como um cristão, nós não devemos confortá-lo. Nós devemos repreendê-lo, por estar em pecado. E que, se ele tivesse fé suficiente, ele seria rico e saudável. Sim, nós vemos isso nas Escrituras. Há pessoas que tiveram grande fé em Deus. Como Jó, Paulo e Jesus Cristo, como o próprio Deus. E eles sofreram. Eles também experimentaram pobreza, dificuldades, solidão. E eles choraram. O exemplo mais doente que eu posso dar da minha própria experiência foi de um pastor que eu conheci, que ensinava que: Se você tem fé suficiente, você não vai ficar doente e vai ser saudável. 
Até que sua esposa foi diagnosticada de câncer terminal. E ele ficou com um dilema: devo mudar minha Teologia, que é errada, e confortar minha esposa; ou eu me agarro à minha Teologia, e a censuro, pelo seu câncer. E tristemente recebi a noticia de que aquele homem publicamente censurou sua própria esposa por não ter fé suficiente para derrotar o câncer enquanto morria. Isso é demoníaco.
 
Segundo. O Sofrimento não te torna automaticamente em uma vítima.
 
Meu medo é que, quando ensino sobre Sofrimento, todos os que têm ou estão em Sofrimento vão simplesmente declarar: Estou sofrendo, portanto sou como Jesus. Não, você não é. Jesus foi sem pecado. Você e eu temos uma tonelada de pecados. E, muitas vezes, nós sofremos por causa de nosso pecado. Se você desrespeitar seu chefe, você sofre desemprego.
Se você é cruel com sua esposa, você sofre divórcio. Se você come e bebe demais, você sofre doença física. E nesses momentos, você não pode dizer: Sou como Jesus.
Não pode. Você deve dizer: Eu pequei e por isso sofro.
 
Terceiro. O Sofrimento não é necessariamente uma punição por um pecado.
 
Deus pode disciplinar seu povo e punir não-cristãos pelo pecado. Mas, nem sempre há uma correlação entre o Sofrimento e um pecado. Há um exemplo na Bíblia, onde um homem é nascido cego e alguns seguidores de Jesus, perguntam: Ele é cego por causa do pecado de seus pais ou dele? Jesus diz: Nenhum dos dois. Ele está cego para que a glória de Deus possa ser revelada nele. Deus está fazendo algo totalmente diferente com aquele homem. E seu Sofrimento é proposital não desproposital. Mas, não é a consequência do pecado de alguém.
 
Quarto. O Sofrimento não é para ser procurado.
 
A igreja primitiva tinha alguns ensinamentos errôneos, ou talvez cristãos bem-intencionados perceberam: O Sofrimento nos purifica e nos identifica com Jesus. Portanto, eles tentavam sofrer! Eles buscavam o Sofrimento, alguns de vocês o fazem. Você se nega prazer divino.
Você se nega qualquer tipo de diversão ou alegria. Quando há conflito ou dificuldade, você se assegura que vai ter algo doloroso, para usar isso na sua santificação. E, enquanto parece santo, é profano. Porque é orgulho, que diz: Eu não confio em Deus para trazer à minha vida seus eventos divinos de Sofrimento. Então, vou ajudá-lo buscando meus próprios.
Nós não encorajamos ninguém a buscar o Sofrimento. O que estamos dizendo é: quando ele vier, seja pela mão de Deus ou através da mão de Deus, quando ele vier, sofra bem. Sofra bem.
 
Quinto. O Sofrimento não deve ser evitado a qualquer custo.
 
Alguns de vocês tomam suas decisões baseados em qual será o caminho da menor resistência. O que causará menos conflito, menos dor, menos fricção, menos dificuldade, menos Sofrimento... E é isso o que todos nós fazemos. E, às vezes, Deus nos chama para a dificuldade, às vezes, Deus nos chama para a dor, às vezes, Deus nos chama para o Sofrimento. E, tivesse Jesus escolhido o caminho sem Sofrimento, nós estaríamos mortos em nossos pecados. E Ele não teria deixado o conforto dos céus para vir ao Sofrimento da terra.
Um autor diz isso muito bem: Eu prefiro uma viagem íngreme para o céu a uma suave viagem para o inferno. E eu acho que ele está certo.
 
Sexto. O Sofrimento não deve ser desculpado porque Deus o usa.
 
E sei de uns cristãos que não se arrependem: eles pecam, e Deus usa isso para algo bom e eles dizem: Bem, eu sei que não foi lá muito bom, mas Deus usou isso, então eu devo estar OK com Deus. Se você quer um exemplo, eu estava tendo um diálogo franco com um pai que literalmente criou seus filhos espancando-os. E ele disse: Bem, eles cresceram como bons rapazes, eles são fortes, masculinos, e têm dignidade, têm coragem e dureza.
Então, sabe, o espancamento não foi uma coisa má. Eu disse: Esse é um testemunho da bondade de Deus, o Pai, não de você como o pai deles. Você é um homem maligno, malvado e pecador que fez uma coisa atroz espancando seus filhos. E se você não se arrepender disso, você vai para o inferno. Porque pessoas não-arrependidas vão para o inferno. E você está vivendo uma vida não-arrependida de todos seus pecados e fica fazendo argumentos teológicos estúpidos como: Deus usou isso, então Ele deve achar que está tudo bem.
Só porque Deus usa algo, isso não justifica o pecado. Isso significa que Deus é bom, mesmo quando somos maus, mas isso não justifica nosso mal.
 
Sétimo. O Sofrimento não é desculpa para passivamente permitir a injustiça e o mal.
 
Eu ouvi algumas pessoas dizer: Eu sei que eles estão fazendo errado, e eu sei que estão fazendo o mal, mas Deus está usando isso para me ensinar coisas boas, então eu louvo a Deus por isso.
Não, você deve também resistir o mal, perseguir a justiça. Tive uma conversa com uma esposa cujo marido estava batendo nela, e eu disse: o que no mundo você está fazendo com um homem que bate em você e nas crianças? Ela disse: Mas Deus está me ensinando tanto através disso e estou desenvolvendo meu relacionamento com Jesus. Eu disse: Louvado seja Deus, e seja santificada, mas chame a polícia pra prender ele, jogar na cadeia. Ele também precisa ser santificado. Não só você. Não podemos permitir as pessoas a continuar pecando em nome da nossa santificação. Nós também precisamos confrontá-los, e repreendê-los e, quando necessário, usar recursos legais.
 
Oitavo. O Sofrimento é para nós, não é ato de expiação, mas ato de santificação.
 
Deus não está nos fazendo pagá-lo de volta pelos nossos pecados. Quando pecamos, Deus não está nos fazendo ficar de bem com nosso Pai. E muitos de você, eu temo que, quando sofrem, vocês pensam: Ok, Deus está me batendo agora porque eu pequei, e está OK. Se Deus me bater o suficiente, talvez então Ele me ame. Não. Jesus morreu pelos seus pecados, Ele foi punido em seu lugar, Deus não está fazendo você pagá-lo de volta.
Nós não cremos em karma, não cremos em penitência, nós não cremos em purgatório.
Nós cremos em Jesus.
 
Nono. O Sofrimento não é para ser totalmente entendido nessa vida.
 
Eu li uma grande quantidade de livros sobre Sofrimento e Mal ao longo dos anos, de natureza filosófica e teológica. O que vou dizer-lhes é o seguinte: há muitos aspectos do Sofrimento e ilustrações particulares de vidas humanas que encontraram muito Sofrimento a que eu simplesmente não responderia porque não tenho resposta. Mas eu digo: Deus é bom, e eu confio nele. E, quando a Bíblia diz que sabemos em parte, e vemos em parte, isso é verdade. E, quando vemos Jesus, tudo isso faz sentido. Isso é verdade.
Quando Paulo faz sua pergunta retórica: Quem conheceu a mente do Senhor? Ele não está esperando que nenhum de nós levante a mão. Mas, simplesmente dizer: Não eu.
Há coisas que você não vai entender no que diz respeito até mesmo ao seu Sofrimento pessoal, até que veja a face de Jesus.
 
Décima. O Sofrimento não ultrapassa a bondade do Deus Soberano.
 
O Sofrimento não ultrapassa a bondade do Deus Soberano! Deus, no fim, usa todas as coisas. Deus, no fim, trabalha através de tudo. Deus toma até aquilo que é horrendo e, eventualmente, por causa da sua bondade e poder soberano, usa isso para a beleza. Nós cremos nisso, e se pararmos de crer nisso, perdemos toda esperança!
Em Romanos 8:28, Paulo diz assim: Nós sabemos que, em todas as coisas, Deus trabalha para o bem daqueles que o amam e que são chamados de acordo com Seu propósito. Em todas as coisas, Deus eventualmente resolve tudo pra o seu bem redentor. Há uma ilustração disso em Gênesis 50.20, onde José, olhando para seus irmãos que buscaram destruí-lo, diz: O que vocês fizeram para mim foi mau, mas Deus usou para o bem, e para a salvação de muitas vidas.
 
________
Texto postado por Alcindo Almeida.
 

Comentários

Postagens mais visitadas