Pular para o conteúdo principal

Somos o reflexo de Cristo

Sábado à noite paramos para ver um filme que já tínhamos apreciado. Ele é baseado em fatos reais, Escritores da Liberdade. A história gira em torno da necessidade da criação de vínculos sociais em sala de aula. Ele fala sobre os desafios enfrentados pela professora recém-formada Erin Gruwell com seus desobedientes alunos e a possibilidade de mudança através da educação. 
O desafio enfrentado pela professora é grande demais porque os alunos que encontra pelo caminho, são marcados pela violência, descrença, desobediência, desmotivação e principalmente pelos conflitos raciais. Quando vemos as cenas, choramos só de pensar no caos que aqueles garotos e garotas passaram na vida. Eles são jovens vindos de famílias desestruturadas, vítimas de abandono e descaso. Na sala de aula, os alunos se dividem naturalmente em grupos: os negros só interagem com os negros, os latinos andam com os latinos, os brancos conversam com os brancos.
Gruwell percebe que tem que fazer algo em favor desses alunos dela. Ela faz alterações curriculares que pretendiam a aproximar dos alunos através da música, do diálogo e dos jogos. Gruwell desejava alterar a dinâmica vertical da relação entre professor e aluno. Satisfeita com os resultados que percebe no dia-a-dia, Gruwell decide ir além e investiga a vida pessoal dos jovens. Quando ela dá o diário para eles escreverem as suas histórias, definitivamente ela ganha a simpatia e o amor dos seus alunos. Tudo muda! Muda de maneira muito profunda. 
Numa comemoração do semestre, um dos alunos lê uma parte do seu diário. Ele diz: Esse verão foi o pior verão dos meus 14 anos. Minha mãe está lutando como se fosse o último suspiro dela. Disseram que seríamos despejados. Na manhã do despejo, o policial estava ali para nós colocar para fora. Olhei para o céu esperando que alguma coisa acontecesse, minha mãe não tem família com quem contar. Nenhum dinheiro entrando e por que me importar em ir para escola e tirar boas notas se estou sem teto? Vou para escola com fome, estou com a mesma roupa do ano passado. Mas, quando entro na sala da professora Gruwell, percebo que é ela é única pessoa que me faz ter esperança. Eu comecei a me sentir melhor, eu entro na sala 203 e sinto como se todos os problemas da vida não fosse tão importante, estou em casa.
Pensei imediatamente em nós como cristãos, temos a responsabilidade de produzir isso na vida das pessoas. Somos o sal e a luz do mundo. Somos o reflexo de Cristo aqui nessa terra. Somos as pessoas que acolhem os caídos, os humilhados e os que passaram dramas no passado. 
A comunidade de Cristo é o lugar onde as pessoas devem sentir segurança e onde elas podem ter seus conflitos da alma resolvidos. Somos o povo que recebe os que estão com medo da pandemia e não sabem o que fazer. Somos o povo que abraça gente ferida, machucada e angustiada pelos dilemas dessa vida.
Somos o abraço fraterno para uma sociedade que está doente e sem rumo. Somos a voz que ecoa no coração desesperado e dizemos que Jesus está vivo. Dizemos que Jesus é o único caminho e a única verdade. Dizemos que Ele restaura o nosso ser por completo e que nele, temos esperança eterna. Que Ele nos use como instrumentos da sua graça para ajudar pessoas a serem encontradas pela graça e amor dele. (Alcindo Almeida)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …