Pular para o conteúdo principal

Inversão dos valores

Richard J. Foster diz que dinheiro, sexo e poder são três dos grandes temas éticos que têm inquietado os seres humanos no decorrer dos séculos. Foi dessas três coisas que Dostoievsky tratou com tanta sensibilidade em sua obra-prima: O idiota. Nesse romance, o príncipe Myshkin, símbolo de Cristo, é jogado numa cultura obcecada por riqueza, poder e conquista sexual. Mas, o príncipe não possui orgulho, cobiça, malícia, inveja, vaidade ou temor. Ele se comporta de maneira tão anormal que as pessoas não sabem o que pensar dele. Confiam nele devido à inocência e à simplicidade que demonstra. Mesmo assim, a falta de outras motivações por parte do príncipe leva o povo à conclusão de que ele é um idiota. 

Foster diz citando Dostoievsky diz que ele entretece os temas dinheiro, sexo e poder por toda a história, contrastando o espírito do príncipe com o de todos aqueles que o rodeiam. A respeito do personagem principal, o narrador observa: Ele não se importava com pompa ou riqueza, nem mesmo com estima pública, mas apenas com a verdade! 
Esses três itens têm feito parte da cobiça de todos nós. Buscamos com eficácia o desejo pelo dinheiro, porque com ele em fartura, temos as maiores possibilidades de conquistar os bens terrenos e os prazeres gerais da vida. 
Há outro item que mexe com o coração do ser humano, já desde o Éden, esse negócio chamado poder. Gostamos de ser notados, vistos e aplaudidos pelos seres que nos cercam. Haja vista, o desejo enorme de várias pessoas quererem os cargos públicos para galgarem os espaços do palácio, e assim, terem a glória para si mesmos. 
O ultimo item é o sexo, vivemos dias tão promíscuos e tão imorais. As mulheres, com exceções claro, buscam mostrar os corpos bem torneados para adquirirem para perto de si os homens belos e atraentes. Claro que não culpo a beleza em hipótese alguma. A beleza é algo divino, o problema é usa-la da maneira imprópria e vazia. Vivemos um tempo que a sexualidade foi deturpada completamente e virou até negócio, porque a busca pelo prazer momentâneo é maior do que o compromisso sério na sexualidade através da união de um casal (homem e mulher), por meio do casamento. 
Que realidade triste, que pena não vermos mais a pureza mostrada nesse romance como o do príncipe Myshkin. Vemos que a inversão dos valores na sociedade humana, a tem levado a um caos total. Meninos e meninas ficam viciados, já na flor da idade, por estes males desordenados no coração. 
Paulo diz que o dinheiro não é o problema, mas o amor e dependência dele sim. Podemos ter dinheiro contanto que não seja o nosso senhor. a realidade espiritual é que o dinheiro só pode ser o nosso serviçal. Jesus nos ensina sobre o poder, pois no Reino dele, o maior é o que mais serve. Quando servimos de coração puro, não viramos escravos da busca pelo poder. A busca pelo poder nos deixa vazios, solitários e ensimesmados e sem um propósito real na vida, que é servir Deus e as pessoas ao redor. 
E o bendito sexo? Sexo é ótimo, precioso e marcante na vida de todo ser humano, mas feito do jeito correto. Não do jeito que algumas mulheres têm feito, para ganhar dinheiro. Claro que as mulheres mostram o corpo, porque assim os homens respondem aos seus instintos mais primitivos do ser. Também alguns homens têm feito de maneira terrível e má, pagando e deixando a sua mulher em casa e usando o sexo como satisfação dos prazeres momentâneos. Tanto o homem como a mulher são imorais quando alimentam esse ato cheio de promiscuidade. Devemos tomar muito cuidado com a libertinagem do nosso coração. Como disse o amigo Agnaldo da nossa comunidade: Como homens cristãos lutemos constantemente contra o vício que leva ao além, ao sexo exagerado, que chega a intimidar nossas queridas priorizando apenas a nossa necessidade.
A Bíblia fala abertamente sobre a essência do sexo. O sexo é para ser desfrutado com quem amamos e deve ser feito na presença de Deus, ou seja, no casamento que é imaculado, verdadeiro e é um grande projeto do Criador. 
O que está acontecendo com os filhos de Adão? Estão realmente vivendo o mundo pós queda? Um mundo que abandona Deus e segue incessantemente o caminho desordenado do dinheiro, sexo e do poder? 
Que Deus tenha compaixão de nós para que não sejamos escravos do sexo indevido, do amor ao dinheiro e da busca do poder humano! (Alcindo Almeida)






Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …