Pular para o conteúdo principal

Deus sempre ouve a nossa voz

- Texto para reflexão: Se eu no coração contemplara a vaidade, o Senhor não me teria ouvido. Entretanto, Deus me tem ouvido e me tem atendido a voz da oração (Salmo 66.18 e 19).

Às vezes temos dores profundas na vida que nos fazem sentir só. É como se ninguém ouvisse a nossa voz. É como se ninguém se importasse com o que estamos passando. É como se ninguém se importasse com as lutas e tribulações que sofremos.
Diante deste Salmo precioso percebemos a verdade profunda que não estamos sozinhos, não estamos abandonados na vida. Existe um criador precioso que dá atenção. Como o próprio Davi dizia: Não escondas de mim o teu rosto, não rejeites com ira o teu servo, tu que tens sido a minha ajuda. Não me enjeites nem me desampares, ó Deus da minha salvação. Se meu pai e minha mãe me abandonarem, então o Senhor me acolherá (Salmo 27.9-10).
Deus ouve a nossa voz quando somos refinados espiritualmente por ele. Quando somos lapidados por ele em nosso caráter. Quando estamos distantes da vaidade, do orgulho do pecado. Ele nos ouve quando o nosso coração está quebrantado diante dele.
Na oração podemos ter a certeza de que ele sabe da dor e tribulações que passamos. Podemos ter a certeza que ele está atento e ouve o nosso clamor. Mesmo que na vida estejamos sós e sejamos abandonados por qualquer pessoa, Deus jamais fará isto. É uma promessa a sua atenção para conosco. Ele não mente, ele disse que atenderia a nossa oração conforme a sua vontade, então ele cumprirá.
Não nos desesperemos na vida, não andemos por nós mesmos. Não confiemos nas próprias forças diante das crises da vida. Voltemos o coração para o Pai, lancemos sobre ele a sua dor, perdas, tribulações, angústias e tristezas. Porque Deus sabe o que é padecer e ouvir com atenção à voz da nossa oração.
O encontro com a oração nos dá uma vida além de si mesma. Neste caminho da oração encontramos o verdadeiro significado da vida espiritual: morar na casa de Deus e experimentar a sua bondade e que nunca ele nos deixa só (GRUN, Anselm. Oração como encontro. Rio de Janeiro: Vozes, 2004, p. 25).
Para encontrar Deus devemos antes de tudo nos encontrar conosco mesmo. Devemos estar conscientes de nós mesmos. Este é o primeiro ato da oração. No encontro com Deus percebemos que ele é misericordioso e que nos acolhe com o seu amor, mas é o Senhor diante do qual não nos resta mais nada a não ser nos prostrar humildemente.
Conhecemos a Deus porque ele se revelou a nós e porque nós o encontramos dentro de nós, mas ao mesmo tempo é aquele que é totalmente outro, indisponível e incompreensível, aquele que coloca em dúvida todos os nossos conceitos teológicos.
Na oração descobrimos que não há obstáculos entre nós e Deus, não há palavras ou orações pré-formuladas (GRUN, 2004, p.43). A oração nos obriga a penetrar na verdade. Mas, a verdade nos tornará em seres livres e ela nos colocará em ordem, nos endireitará quando nossos pensamentos e desejos não estiverem corretos diante de Deus.
O nosso encontro com ele resulta nesta transformação. Na oração experimentamos a proteção de Deus e não das coisas que exercem poder sobre nós. A oração se completa no silêncio como nos dias da doutrina da oração dos pais da igreja.
O silenciar tem dois significados: de um lado está o escutar e do outro, o se tornar um com Deus. O silêncio de Deus nos ensina a escutar aquilo que ele quer de nós e nos impede de forjar uma resposta em nós mesmos. O silêncio nos desafia a nos abrir para o mistério divino e entender que Deus é o verdadeiro Deus e Senhor da nossa vida.
A oração é o caminho que nos conduz à morada de tesouro interior, ao espaço em nós no qual Deus mesmo habita. Toda a riqueza que podemos adquirir está dentro de nós.
Através do silêncio e da oração devemos nos voltar para nosso interior e penetrar neste lugar no qual descobrimos em Deus, toda riqueza de nossa vida, o tesouro escondido no campo e a pérola preciosa, pelos quais, vale à pena vender tudo mais, esse tesouro é Jesus Cristo de Nazaré.
______________
Alcindo Almeida

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …