VIVENDO EM TEMPOS DE CRISE


- Texto para meditar: “Ao anoitecer pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã” (Salmo 30:5).

Gostaria de poder dizer que a vida é diferente, mas, a verdade é que não somos feitos só de boas notícias, não só de circunstancias favoráveis, não só de alegrias, não só de vitórias, não só de acertos, não só de caminhos planos, não só de elogios, não só de realizações.
Mas também não só de más notícias, não só de circunstancias contrárias, não só de tristezas, não só de fracassos, não só de perdas, não só de desacertos, não só de aclives e declives, não só de repreensões, não só de sofrimentos, não só de derrota em derrota.
E por vivermos essas situações que nos causam insegurança, desconforto, incomodo e expõem nossa fragilidade, podemos concluir que o ser humano é sempre um ser em crise. Lidar com todas essas situações representa crise.
As crises parecem sempre nos rodear.
Conheci um general de exército que ante a necessidade de tomar decisões, sabendo que estas poderiam custar a vida ou salvar a vida de muitos de seus homens, ele dizia-nos: “Você não sabe o risco de trabalhar com essa responsabilidade!”
Isso porque, como a própria natureza nos ensina, existe o dia claro, mas a noite virá. Existe a alegria do verão, mas o outono trará o inverno e seu rigor. A primavera só vai chegar depois que atravessarmos o inverno.
Portanto, se essas situações são inevitáveis, se tempos de crise estarão sempre presentes em nossa vida, gostaria de refletir sobre isso a partir de algumas percepções:

I – TEMPOS DE CRISE PROMOVEM QUESTIONAMENTOS E REFLEXÕES
Certamente será nesses momentos que mais nos perguntaremos: Por quê?
Ficamos sempre imaginando que o fim poderia ter sido diferente. Por que não conseguimos? Por que não fizemos? Por que fizemos assim?
Mas, é preciso entender que nem tudo sai como imaginamos. Lidamos com nossa falibilidade, fraqueza, vulnerabilidade, nossa própria ignorância, nossa pequena visão. Some-se os fatores externos e/ou circunstanciais.
Por outro lado, é importante lembrar que aqueles que seguem em frente apenas quando as coisas estão a seu favor nunca serão bem-sucedidos em seus esforços. O valor de uma realização cresce em meio a lutas, dificuldades, obstáculos e incompreensões.

II – TEMPOS DE CRISE GERAM EXPECTATIVAS
No alfabeto chinês (símbolos) um mesmo símbolo é usado para a palavra “crise” e para a palavra “oportunidade”. No português, embora na língua não seja assim, precisamos ter a mesma perspectiva.
“Todos os dias nasce uma nova oportunidade de crescimento; tire sempre vantagem dessa oportunidade, porque ela é uma grande parte daquilo que consiste em estar vivo. Quando você acha que já sabe tudo, então você passa a negar a si mesmo a oportunidade de aprender algo novo. Quando você age como se já tivesse visto tudo, então você se abstém do novo e das experiências reveladoras. Não importa quanto você já alcançou; você pode sempre receber grandes benefícios dos novos desafios. Quando você acha que já obteve todas as respostas, agite-se e busque por novas perguntas. Veja cada nova descoberta como um ponto inicial de partida e não como um destino final” (Karl Willow).
A alegria vai estar na caminhada. A gratificação do viver está no crescimento.

III – TEMPOS DE CRISE GERAM ESPERANÇA
O modo de olhar a crise pode mudar sua história.
Creia: “Problemas são situações arquitetadas por Deus a fim de nos trazer a face a face com as nossas deficiências, para que assim possamos ver a Sua suficiência como a nossa única alternativa”. David Jeremiah (pastor senior na Shadow Mountain Community Church in El Cajon, California).
Muitas vezes as pressões da vida são as mãos do oleiro a trabalhar em nós. Deus prepara os seus melhores homens e mulheres através das grandes tribulações.

IV – TEMPOS DE CRISE EXIGEM CORAGEM
As mudanças de situações que muitas vezes nos tiram de nossa zona de conforto, e que na maioria das vezes nos faz perder a percepção do próprio sentido e propósito de nossas vidas, servem para nos provar, para nos exercitar, para nos aperfeiçoar.
Precisamos aprender a viver com elogios e sem elogios, com censuras e sem censuras, em meio a alegrias e em meio a tristezas. É como navegar sem vento ou com vento, a favor da correnteza ou contra a correnteza.
Um amigo acostumado a velejar, disse-me certa vez que gostava de levar para velejar com ele a sua equipe de lideres mais próximos. Esse tempo servia para observá-los. Num veleiro, dizia ele, não há espaço para pessoas sem iniciativa que sentam-se num canto e tentam acomodar-se. Aliás, quanto mais forte o vento, mas empenho será exigido de todos porque maiores serão as distancias percorridas e maior será a satisfação de cumprir o objetivo pelo qual saíram a navegar: velejar!

V – TEMPOS DE CRISE EXIGEM PROFUNDA DEPENDENCIA DE DEUS
O profeta Jeremias escreveu: “Quero trazer à memória aquilo que me dá esperança”(Lm 3:21).
Saiba: Deus exerce o controle de tudo. Ele mantém o equilíbrio necessário no tempo certo e na medida certa. Controla a provação e a tribulação, o excesso de elogios e o excesso de repreensões. Evita a soberba tanto quanto o desanimo. Concede intervalos de folga para intervalos de embates. Poda a tristeza e poda a alegria.
Deus sempre age a Seu justo critério, ante a Sua absoluta soberania, quer a reconheçamos ou não, mas, sempre o faz em benefício do homem, com o desejo sincero de que este O conheça com a intimidade que um filho deve conhecer seu pai.
Concluindo,
“Deus pode lidar com qualquer problema que venhamos a colocar em Suas mãos. Não há nada complicado demais que Ele não possa tratar – mas Ele está esperando por nós, para que, reconhecendo o Seu poder, venhamos Lhe pedir ajuda”. Bill Hybels
“Ao anoitecer pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã” (Sl 30:5)
Que Deus o abençoe rica e abundantemente.

Em Cristo,
Rev. Hilder C Stutz

Comentários

Postagens mais visitadas