Pular para o conteúdo principal

Leituras em fevereiro de 2020



1.   MUNSLOW, Alun. Desconstruindo a história. Um desconstrucionista desconstruindo a história. Rio de Janeiro - Petrópolis: Vozes, 2009. Bem-vindo à melhor rede social de livros do Brasil, modéstia a parte! Tudo aqui gira ao redor da literatura, seja ela nacional ou estrangeira. Livros, livros e mais livros, nada mais importa. Tudo sobre seus autores favoritos e resenhas dos livros que você deseja ler. Perfeito para decidir qual será seu próximo livro, ou saber o que outras pessoas estão pensando sobre o livro que você já leu. Crie sua biblioteca e aproveite, o site é seu! Contém 272 páginas.

2.  MORAIS, Fabiano. A história. A Bíblia contada como uma só história do começo ao fim. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2009. A Bíblia é uma narrativa repleta de amor, ódio, disputas, conquistas e milagres. Ela traz poesia, cultura, episódios históricos e teologia. É um verdadeiro romance de suspense, um livro de sociologia, uma lição de História - tudo isso em torno do conflito eterno entre o bem e o mal. Este livro tem como objetivo facilitar a compreensão da bíblia por meio de trechos retirados das Escrituras e apresenta os fatos em ordem cronológica, da Criação ao Apocalipse, em 32 capítulos. O livro traz perguntas para reflexão, uma lista dos personagens, mapas, linha do tempo, notas e comentários explicativos. Contém 448 páginas.

3. NOUWEN, Henri. Sinais de vida. Intimidade, fecundidade e êxtase na perspectiva cristã. São Paulo: Paulinas, 2009. 'Sinais de vida' é um livro sobre a identidade individual e comunitária do cristão, escrito a partir da experiência da Comunidade da Arca, entidade que acolhe e assiste pessoas com deficiências, fundada pelo filósofo canadense Jean Vanier. Levado pela observação de que vivemos dominados pelo medo instilado por aqueles que detêm o poder - o que nos torna pessoas ansiosas, nervosas, preocupadas -, o autor propõe a busca pelos sinais que podem gradualmente nos fazer vencer os temores e deixar que o amor nos guie - intimidade, fecundidade e êxtase. Mencionadas por Jesus no discurso de despedida de seus discípulos, como se pode ler no Evangelho de João, essas três palavras descrevem a vida na casa do amor. Contém 128 páginas.

4. MCGRATH, Alister. Deus não vai embora. São Paulo: Cultura Cristã, 2011. A recente ascensão do Novo Ateísmo suscitou interesse geral, lançou questões de importância fundamental e iniciou uma conversa fascinante. Este volume abre com um levantamento das principais ideias do Novo Ateísmo, como expressas nas obras de Richard Dawkins, Daniel Dennett, Sam Harris e Christopher Hitchens. Em seguida, examinamos as visões principais do movimento de perto, fazendo devida referência à sua "comunidade virtual" de sites e blogs. Os temas explorados incluem: se a religião é delirante e maligna, a crença de que os seres humanos são fundamentalmente bons, se devemos ter fé somente no que pode ser provado por meio da razão e da ciência, a ideia de que a melhor esperança para a humanidade é um "Novo Iluminismo”. O resultado é um volume animado e altamente instigante que coloca uma série de questões interessantes. Por que a religião está experimentando um ressurgimento no século 21, quando deveríamos crescer e deixar essa fixação primitiva? O fascínio do Novo Ateísmo com a racionalidade o levou a subestimar o anseio do coração humano pela adoração? E se, como Christopher Hitchens escreve exasperado, a religião é "inerradicável", isso não sugere que dispensar a crença em Deus como irracional e não-científica pode ser apenas uma perda de tempo? Contém 144 páginas.

5.  POLWLISON, David. Uma nova visão. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2010. O livro é sobre viver bem a vida para a glória de Deus. É um livro surpreendentemente coeso, visto que reúne vários artigos escritos ao longo de quase duas décadas. Ele fornece uma amostra consistente de como construir uma abordagem bíblica,  que honre e siga a Deus, de como ajudar as pessoas. Ele fornece uma bússola, um GPS, um indicador de direção, um mapa que orienta sem ser uma camisa de força para seguir cegamente. O olhar de Cristo, de fato, molda a interação entre pessoas de verdade dentro de um mundo real. Contém 255 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …