Pensando em Eclesiastes 3.2-8

Devemos saber como estamos vivendo. Uma vida sobre a qual não refletimos não vale a pena ser vivida. Contemplar nossa própria vida pertence à essência do ser humano. Precisamos pensá-la, discuti-la, avaliá-la e formar opiniões sobre ela. Metade da experiência do viver é refletir sobre o que se vive. Isto vale a pena? Isto é bom ou não? Isto é velho ou novo? O que significa tudo isso? 
A maior alegria, bem como a maior dor do viver, não vem apenas do que vivemos, mas ainda mais de como pensamos e sentimos o que vivemos. Pobreza e riqueza, sucesso e fracasso, morte e vida, não são apenas fatos da vida. Essas realidades são vividas de forma bastante diferente, por pessoas diferentes, dependendo de onde estão situadas. Refletir é essencial para o crescimento, o desenvolvimento e a mudança. É a arte singular da pessoa humana. Em Eclesiastes 3, Salomão usa o termo para a palavra tempo no hebraico que é: ocorrência, um evento específico que acontece dentro de uma estação determinada. Ele trabalha um jogo de oposições no texto. Então há um evento para nascer e outro para morrer. E isso nos ajuda a entender os limites da nossa humanidade. Podemos fazer tudo, mas o nosso tempo está determinado. Nada escapa da direção divina, embora, alguns achem que não. Tanto que já vi várias pessoas dizendo, que podemos mudar algum acontecimento, só por causa do pensamento positivo. A dureza é ouvir isso de quem lê as Escrituras e fala do Reino.
Não podemos mudar nada! Não podemos dar um passo sequer na vida, sem a direção e ação divina. Afinal, nem os nossos dias que estão na eternidade traçados, podemos contar! É bom que reflitamos na verdade, de que o tempo, não é nosso, ele tem um Senhor que está no trono e sabe exatamente o que acontecerá. O tempo divino para todas as facetas da nossa história, tem um dono: Deus. Então, aprendamos a descansar no "kairós" divino porque ele sabe de tudo. Ele sabe de ontem, hoje e do amanhã (Alcindo Almeida).

Comentários

Postagens mais visitadas