Pular para o conteúdo principal

Leituras no mês de junho de 2013

Mario Sergio Cortella. O que a vida me ensinou. São Paulo: Editora Saraiva, 2012. Se você não existisse, que falta faria? Qual o sentido daquilo que você faz da vida que você tem? Afinal, você veio neste mundo apenas para consumi-lo ou para deixar um legado que permita transformar o mundo que você recebeu quando nasceu, ou até quem sabe transformá-lo em vida?  A definição de felicidade. Qual a chave para a felicidade? Qual o caminho para encontrá-la? Enfim, é sempre muito bom estar com o Cortella, mesmo que seja dessa maneira, através de um vídeo, uma entrevista, um bate-papo. Pois uma coisa é certa, sempre aprenderemos algo de bom, ou algo que provoque uma reflexão sobre nós mesmos.  Abaixo, Cortella apresentando seu livro no Jô, da série "O que a vida me ensinou?" - Viver em paz para morrer em paz (paixão, sentido e felicidade) Contém 124 páginas.

KELLER, Timothy. Justiça generosa - A graça de Deus e a justiça social. São Paulo: Vida Nova, 2013. Justiça social tem a ver com teologia da libertação? Com missão integral? Ou com a pura e simples graça de Deus? Nesta obra Tim Keller analisa a fundamental relação entre evangelho e justiça e nos dá uma visão bíblica de justiça social. Ele nos mostra que a preocupação com a justiça em todos os aspectos da vida não é acréscimo artificial nem contradição à mensagem das Escrituras, pois a Bíblia é a verdadeira base da justiça. Contém 208 páginas.

CAMPOS, Heber Carlos. O habitat humano - O paraíso perdido - Volume 2. São Paulo: Editora Hagnos, 2012. Em seu segundo volume, Heber Campos mira sua pesquisa no fim de uma era onde o homem, feito à imagem e semelhança do Criador, refletia sua glória pelos jardins do Edén. Ao esmiuçar os eventos que precederam a Queda, o autor observa como todos nós estamos sujeitos aos mesmos enganos. Demonstra como a desconfiança humana frente à ordem divina escancarou uma série de pontos frágeis, abrindo a porta à sedução do sabor, dos olhos e intelectual. E, não demora muito para nos encontrarmos lá, em pleno e florido Edén. Evas e Adãos fisgados pela promessa da serpente de que jamais morreríamos e contaminados por nossas próprias conclusões, distantes da palavra original e infalível do Criador. Contém 400 páginas.

TRIPP, Paul. Instrumentos nas mãos do Redentor. São Paulo: Editora Nutra, 2012. O Dr. Paul Tripp enfatiza a importância e a necessidade do entendimento de que cada relacionamento pessoal é uma oportunidade potencial para "servir" e "ministrar". O autor argumenta, com base nas Escrituras, que quando a pessoa ganha esta compreensão, as possibilidades de "servir" e "ministrar" se multiplicam. É o entendimento de que na obra do Senhor há uma dinâmica - pessoas que precisam de transformação ministram a pessoas que precisam ser transformadas. Quando o povo de Deus aprender que cada relacionamento é uma possibilidade de ministério pessoal, dependerá menos de uma indicação para uma função, e entenderá, de fato, que tem sempre muitas oportunidades para servir, talvez mais até do que consiga dar conta. Contém 472 páginas.

GONDIM, Ricardo. É proibido. São Paulo: Mundo Cristão, 1998. O livro traz para a mesa de debate, um dos temas mais polêmicos entre os assuntos relacionados às igrejas evangélicas em nosso país: até onde alguns homens têm ocupado o lugar de Deus para ditar proibições? Quando o Senhor ordenou que fôssemos luz do mundo e sal da terra, estava se referindo a esse desafio de vivermos em um ambiente onde reinam as trevas e a imundície, sem nos deixarmos contaminar por elas. Ele nos instruiu, pois, a influenciar positivamente o mundo com a luz e a preservar com sal aquilo que ainda pode ser preservado. É sobre este e outros assuntos polêmicos ligados ao tema geral dos usos e costumes em nossas igrejas, que disserta, de maneira equilibrada e bíblica, o autor deste livro. Contém 183 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …