Leituras no mês de setembro de 2011

POLLOCK, John. Moody – uma biografia. Editora Vida, 2011. Moody foi o evangelista de maior projeção do século XIX. Calcula-se que ele tenha pregado para mais de cem milhões de pessoas na Grã-Bretanha e nos Estados Unidos. Usado por Deus de maneira extraordinária, seu caráter e zelo continuam mais vivos que nunca. Nesta biografia clássica, John Pollock conseguiu captar a personalidade contagiante de Moody e certamente incendiará o coração dos leitores. Contém 416 páginas.

PETERSON, Eugene. A linguagem de Deus. São Paulo: Mundo Cristão, 2011. Para variar é mais um ótimo livro de Eugene! Cada pessoa tem uma forma única de falar, uma linguagem peculiar. Uma mesma língua pode ser falada de muitas maneiras, com sotaques variados, gírias e palavras próprias. O ato de falar vai além de usar palavras certas e pronunciá-las corretamente. A fala é marca registrada da individualidade humana. Quem somos e como falamos fazem toda a diferença. A língua é um presente de Deus para nós. Somos imagem e semelhança dele, portanto seres relacionais e comunicativos. Conversamos uns com os outros e também devemos falar com Deus. É para a espiritualidade da linguagem que Eugene Peterson nos desperta neste livro. O modelo de fala apresentado por ele é Jesus Cristo, o verbo que virou gente, o homem-Deus que viveu entre pessoas comuns, teve conversas usuais, mas cuja palavra tinha o poder de fazer maravilhas. Conhecendo as histórias contadas por Jesus e suas orações, descobrimos como usar nossa língua de forma a manter boas conversas tanto com aqueles que nos cercam como com o Criador. Contém 320 páginas.

LUCADO, Max. Seu nome é Jesus. São Paulo: Mundo Cristão, 2010. Divinamente humano; extraordinariamente comum. Apenas alguém tão especial poderia alterar, para sempre, os rumos da história da humanidade e os da sua história. Acompanhe a trajetória do filho de Deus, contada por Max Lucado, numa das mais belas obras já editadas sobre Jesus. Reveja detalhes de seu nascimento, sua jornada de amor e compaixão pela humanidade, sua morte e ressurreição, e seu legado extraordinário. Contém 192 páginas.

RAINER, Thom & Eric Geiger. Igreja simples. Brasília: Editora Palavra, 2011. Para Thom é possível ter uma igreja simples no fazer discípulos pela graça. O modo complexo é sempre com o homem, o simples é divino e gracioso. Ele vem pelo crescimento espiritual provocado pela imagem de Deus em nós todos os dias. Este livro é bem impactante para valorizarmos o simples do Reino, e o simples tem a ver com a cruz de Cristo em nós na maneira de falar, expressar e viver. Contém 275 páginas.

PIPER, John. A paixão de Deus por sua Glória. São Paulo: Cultura Cristã, 2008. Em sua obra O fim para o qual Deus criou o mundo, o grande teólogo Jonathan Edwards proclamou que o objetivo principal de Deus é a manifestação de sua glória na maior felicidade de suas criaturas. O pastor John Piper dedicou os últimos trinta anos de seu ministério a explorar as implicações dessa maravilhosa verdade para a vida e o ministério. Entender que Deus é mais glorificado em nós quando estamos mais satisfeitos nele tem feito toda a diferença para John Piper, e pode transformar sua vida também. Edwards disse essa verdade de modo mais claro do que qualquer outro em seu tempo. Sua inexorável centralidade em Deus e sua devoção à exposição da doutrina bíblica são exatamente necessárias hoje para radicalmente centrada em Deus tem grande relevância para a transformação da cultura atual e para a evangelização do mundo. Além disso, sua visão moral pode fazer muito para reformar o evangelismo contemporâneo. Piper demonstra aqui, de maneira apaixonada, quão importantes são os ideias de Edwards para a vida pessoal e pública dos evangélicos modernos por meio de sua extensa introdução a essa incomparável obra de Edwards, cujo texto segue integralmente, acompanhando de um grande número de notas explicativas. O resultado é uma poderosa e persuasiva apresentação das coisas que mais importam na vida cristã. Contém 254 páginas.

EINSTEIN, Albert. Como vejo o mundo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1981. As opiniões de Albert Einstein a respeito de problemas fundamentais do ser humano (nas áreas social, política, econômica e cultural) são explicitadas nesta obra. Sábio e consciente de que, ainda que conheça e tenha, o homem não é nada sem liberdade, Einstein não concordava com regimes totalitários. O físico alemão foi ganhador do Prémio Nobel da Física de 1921. Contém 216 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas