Ele chegou! - João 1.14

 


Max Lucado diz algo precioso no seu livro Um presente para todos - Meditações sobre a grandiosa graça de Deus: Tudo aconteceu num momento notável e não houve outro igual. Nessa fração de tempo, algo espetacular ocorreu. Deus tornou-se homem. A divindade chegou. Os céus se abriram e colocaram sua maior preciosidade num ventre humano. O onipotente, num instante, tornou-se carne e sangue. Aquele que é maior do que o universo tornou-se um embrião microscópico. Aquele que sustenta o mundo com uma palavra escolheu ser alimentado por uma jovem. Deus chegou mais perto. Ele não veio como um relâmpago ou um conquistador inacessível, mas como alguém cujos primeiros gritos foram ouvidos por uma camponesa e um carpinteiro sonolento. Maria e José podiam ser tudo, menos realeza. Todavia, o céu confiou seu maior tesouro a esses pais tão simples. Começou numa manjedoura, esse momento grandioso no tempo. Ele podia parecer tudo menos um rei. Seu rosto, enrugado e vermelho. Seu choro, o grito indefeso e agudo de uma criança dependente. Como era curioso esse salão do trono real. Nada de tapeçarias cobrindo as janelas, nem trajes de veludo nos cortesãos. Não havia um cetro de ouro nem uma coroa brilhante. Quão estranhos os sons na corte. Vacas mastigando, cascos batendo no chão, uma mãe cantarolando, uma criança sendo amamentada. A história do rei poderia ter começado em qualquer parte. Curiosamente, porém, começou numa manjedoura. Entre pela porta, espie pela janela. Ele chegou! [1].
Que percepção diferente do Natal! E como é triste ver que a celebração do Natal tem se transformado num truque de marketing para enriquecimento no mundo dos negócios. O verdadeiro sentido do Natal e o seu significado tem sido esquecido. Para muitos, Natal nada mais é que um feriado pagão, dedicado a satisfazer os apetites, sem nenhum significado espiritual. Para o cristão, apesar de, às vezes, fazer uso inadequado do dia, o Natal significa Esperança. Devemos resgatar a verdadeira motivação para a celebração do Natal.
O Natal não pode ser entendido até que Jesus tenha um lugar prioritário em nosso coração. O texto afirma que Jesus - o Verbo se fez carne e habitou entre nós e não termina aí, mas diz que Jesus veio cheio de graça e de verdade e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai. É preciso que esse Verbo penetre em nosso ser com toda a sua graça e verdade para que o Natal faça de fato o sentido verdadeiro. Porque Natal significa Cristo em nosso interior para que vejamos a glória de Deus.
Quando o mistério da vinda do Senhor Jesus se torna claro no coração humano, o homem compreende que o Natal não é apenas um feriado, mas sim um dia extremamente importante, para a revelação do amor de Deus. O nascimento de Cristo não foi um evento trivial da história, mas ele foi a entrada triunfante de Deus em carne, osso e sangue na história e vivência da humanidade. É por causa dessa vinda divina ao mundo que o relacionamento do homem com Deus é restaurado. Jesus se encarna para ser erguido na cruz no Calvário (João 3.14,15) e através desse ato histórico e eterno ele nos traz a sua graça e a verdade para experimentarmos o verdadeiro Natal no coração.
Ele vem habitar no nosso meio para que o Natal seja verdadeiro não no dia em si, mas no fato dele viver e derramar sua graça e verdade em nosso coração. Porque através desse Verbo cheio de graça e de verdade a majestade divina nasce em meio ao mundanismo. Através dele a santidade misturada a imundície do excremento das ovelhas faz a glória do céu chegar até nós. A através dele a divindade entra no mundo do chão de um estábulo. Através dele a terra é tocada pela face do Deus Filho presente entre nós como? Cheio de graça e de verdade!
Ele vem com o favor imerecido, por isso, num momento Deus se fez homem e num instante eterno a graça divina invadiu o mundo de pecadores como nós. Essas palavras são tocantes: O Verbo se fez carne e habitou entre nós. Isso é graça divina para haver a possibilidade de nós homens e mulheres vermos novamente o Deus da criação. Quando Jesus veio aqui, ele nos abriu o céu de novo para vermos o Criador e sermos transformados em filhos, tudo pela graça, pelo favor imerecido de uma Trindade que ama e se dá por pecadores como nós. 
O Natal tem todo o sentido porque o Verbo se fez carne e habitou entre nós e só podemos contemplar a glória a Deus porque o Verbo vivo desceu aqui entre nós e encheu o nosso coração da graça e do amor dele! Feliz Natal com o Verbo divino!
Alcindo Almeida – membro da equipe pastoral da IPAlpha.



[1] LUCADO, Max.  Um presente para todos: Meditações sobre a grandiosa graça de Deus. São Paulo: Editora Proclamação, 2011, pp. 19 e 20.

Comentários

Postagens mais visitadas