Sinceros na oração diante do Eterno

No Salmo 13.1 e 2, Davi diz: Até quando, ó Senhor, te esquecerás de mim? Para sempre? Até quando esconderás de mim o teu rosto? Até quando encherei de cuidados a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia? Até quando o meu inimigo se exaltará sobre mim?
Ele abre o coração diante do Senhor e indaga: Até quando, ó Senhor, te esquecerás de mim? Para sempre? Davi é cheio de inimigos ao redor de Judá, Davi está em grande calamidade e em grande tribulação de alma chegando a dizer com queixas que Deus o abandonou. Ele expõe isto diante de Deus com sinceridade. Ele diz para o Senhor se ele demorará tanto para ouvir a dor, o sofrimento terrível que está passando.
Ele não esconde a sua dor e demonstra que não desacreditou das promessas de Deus. Por isso, ele pede a lembrança do Senhor para a sua vida e isto ele faz com sinceridade. Ele continua expondo a sua dor diante de Deus dizendo: Até quando encherei de cuidados a minha alma, tendo tristeza no meu coração cada dia?
Ele não quer mais consultar a si mesmo, ele não quer um remédio humano para a sua alma. Ele não quer se firmar na segurança humana do coração. Pois, ele sabe que, sendo assim, permanecerá inquieto e inseguro. Ele quer uma resposta do alto, daquele que é o seu verdadeiro conforto para que os seus adversários não triunfem sobre ele vendo a sua possível miséria e desespero.
Aprendemos com Davi o que significa ser sincero diante de Deus. Significa que não nos tornamos falsos diante dele, ao contrário, abrimos o nosso coração para ele, sem esconder a nossa insatisfação e sem esconder a nossa dor. Mas, o fato é, oramos ao Senhor reconhecendo que só ele, e mais ninguém, pode resolver as dores do nosso coração. Porque a linguagem da oração ocorre num nível absolutamente pessoal e como um único propósito nos moldar e nos levar para Deus. Para esta realidade precisamos de sinceridade e honestidade diante do criador. Sejamos sinceros diante de Deus na nossa oração! (Poesia e Oração. Série Intimidade com a Palavra - Livro de Salmos. Volume I).

Comentários

Postagens mais visitadas