Depravação na nossa natureza

O Salmo 14.1-4 diz: Os homens têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras; não há quem faça o bem. O Senhor olhou do céu para os filhos dos homens para ver se havia algum que tivesse entendimento, que buscasse a Deus. Desviaram-se todos e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não há sequer um. Acaso não tem conhecimento nem sequer um dos que praticam a iniquidade, que comem o meu povo como se comessem pão e que não invocam o Senhor?
Esta situação é a mesma que Paulo trabalha em Romanos capitulo 1. Os homens receberam a ira de Deus porque tinham toda a impiedade, a injustiça e detinham a verdade em injustiça. Os homens tendo conhecido a Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças, antes nas suas especulações se desvaneceram e o seu coração insensato se obscureceu. Eles mudaram a glória do Deus incorruptível em semelhança da imagem de homem corruptível. De fato, neste meio não havia quem praticasse o bem porque para estes não havia Deus. 
É incrível como hoje vivemos um momento semelhante. As pessoas tentam tirar Deus do seu trono e destituí-lo do seu caráter de juiz. A impiedade alcançou o seu apogeu, a violência cerca a nossa cidade. A verdade anda escondida. A moral perdida, a integridade não tem sido aclamada. As pessoas vivem como se Deus não existisse. Os homens têm corrompido a integridade e moral de vida. A impunidade é tão grande que nossos filhos crescem sem o referencial de honestidade e caráter. No contexto do Salmo, Deus olhou do céu e não havia justos, homens que tivessem entendimento, que buscassem a Deus. 
O texto diz que todos se desviaram e juntamente se fizeram imundos. Que situação terrível a nossa não? Somos uma geração má nas obras e no coração. Tudo que é humano tem uma mancha de pecado e corrupção, por isso, necessitamos urgentemente da graça redentora em nós. Precisamos da ação divina para nos livrar dessa rebeldia interna que nos afasta da comunhão com o Eterno Deus (Alcindo Almeida).

Comentários

Postagens mais visitadas