Antídoto para a vida - Prov. 1.7


Sucesso profissional. Muitos buscam a fórmula para conquistar esse objetivo. A verdade é que não existe uma receita pronta. Sucesso profissional é uma meta que pode ser alcançada de diferentes maneiras. Uma parte dos resultados é consequência direta das convicções e dos valores que cada um traz dentro de si [1]. Os valores têm a ver com algo que mexe com a nossa vida e caminhada. E para nós que temos convicções espirituais sabemos que sucesso profissional não tem a ver com o ser grande, com as conquistas de posses, como dinheiro e com mais poder.
A palavra sucesso para a visão bíblica tem a ver com ética, com a justiça e com uma vida pautada por uma fé no Deus que, nos criou e nos amou em seu Filho Jesus Cristo de Nazaré. É claro que sabemos claramente que a humanidade leva muito a sério, a inteligência, a criatividade, coragem, a determinação e o autocontrole, como características daqueles que almejam o sucesso na carreira profissional.
O livro de William Douglas As 25 leis bíblicas do sucesso, trata sobre o antídoto para a vida, que é a Bíblia Sagrada. Ela é o melhor manual sobre o sucesso já escrito até hoje. Sua sabedoria milenar continua extremamente atual, indicando os caminhos para que qualquer pessoa, religiosa ou não, saia bem no mercado de trabalho e numa gestão de empresas [2].
A Bíblia nos apresenta o que é mais importante para a vida que é a sabedoria de temer a Deus com equilíbrio, com justiça e com ética na vida. É verdade que na nossa carreira profissional, o salário e as posições ajudam a alavancar, mas não resolvem o desafio de sermos realizados como pessoas. O que nos realiza verdadeiramente como pessoas, é cultivar o que a Bíblia fala sobre a sabedoria divina. E Salomão nos chama a atenção para a ideia de que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria na vida.
No texto de Provérbios, Salomão faz o contraste entre a sabedoria e a loucura. Ele afirma que o temor do Senhor é o princípio da sabedoria. Ou seja, entender a vontade de Deus e buscá-la na vida é algo que nos leva para a vida, para a saúde espiritual, para um equilíbrio muito grande na vida.
Paralelamente, em oposição, Salomão adverte severamente contra a loucura que despreza a sabedoria e segue caminho contrário ao apontado por ela. O caminho dos loucos, dos que desprezam a sabedoria, dos que não conhecem o temor do Senhor é o que conduz à perdição. Esta é a mensagem dada pela Bíblia Sagrada a nós. O caminho dos loucos é o da violência, da perversidade e da lascívia.
Lembrem-se de que os loucos e insensatos são os que se complicam e dão cabeçadas feias na vida. Aqueles que se esquecem do temor a Deus com sabedoria, são os fracos e insensatos. São aqueles que não têm chão na vida e andam sempre errantes nela. Aqueles que visam o sucesso só pelo lado do consumo, do poder e das aparências, um sucesso que visa o ter e não o ser.
O valor da sabedoria traz benefícios profundos para nós, por isso, Salomão disse em Provérbios 2.7: Ele reserva a verdadeira sabedoria para os retos; é escudo para os que caminham na sinceridade. Ele disse em Provérbios 3.13: Feliz o homem que acha sabedoria e o que adquire conhecimento.
O propósito de Salomão é que o filho ouça o ensino de seu pai e não deixe a instrução de sua mãe. Ele sabe disto e percebe claramente que isto faz parte do envolvimento de uma pessoa com a sabedoria. Ele fala que o resultado é essa prática será diadema de graça para a cabeça e colares para o pescoço.
Para trilharmos na carreira profissional com essa sabedoria divina devemos seguir algumas dicas importantes:

1.                  Amemos a sabedoria e não o dinheiro:

A Bíblia diz: Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se transpassaram a si mesmos com muitas dores (I Timóteo 6.10).
William Douglas diz que riqueza e pobreza não são sinônimos, respectivamente, de felicidade e infelicidade. Pior do que ser pobre é ser rico sem estar preparado para isso. A riqueza pode se tornar um grande problema se não for norteada por princípios e encarada com maturidade. É preciso ter um mínimo de equilíbrio emocional para lidar com o sucesso e a riqueza – e de competência para administrar os dois. Dizem que “dinheiro não traz felicidade” e isto é fato, mas não vivemos só de felicidade. Não pagamos a conta de luz com felicidade, nem o plano de saúde com um sorriso. O dinheiro tem seu lugar na vida e ele resolve certos problemas práticos do cotidiano, como contas e despesas [3].
William Douglas diz mais: Se o dinheiro fosse capaz de, sozinho, garantir todos os benefícios que as pessoas precisam para serem felizes e realizadas, não veríamos tantos ricos em depressão ou insatisfeitos com a vida. O dinheiro compra remédios, mas não saúde; compra uma casa, mas não um lar. Mesmo assim, existem pobres e pessoas da classe média que pensam que serão felizes se ficarem ricos. Não se deve dar valor demais ao dinheiro, nem menos. O que a Bíblia ensina sobre isso? Primeiro, a não amarmos o dinheiro e a não torná-lo prioridade em nossa vida. Podemos tê-lo, até muito, mas sem que o amemos [4].
O que precisamos lembrar é que o dinheiro é um bom escravo, mas um péssimo senhor na nossa vida. E devemos aprender a ter uma relação saudável com o sucesso e o dinheiro, como? Jamais amando-os e nem desprezando-os. Temos que cultivar o temor de Deus na sabedoria para lidar com o sucesso e com o dinheiro.

2.                  Trabalhemos com prazer e não pelo sucesso:

Precisamos aprender a gostar do nosso trabalho para rendermos mais e até para ele fluir melhor. Todos sabem que não podemos ser ingênuos nos negócios da vida e nem deixar a preguiça nos controlar, pois, a ela nos leva para o buraco. Salomão fala em Provérbios 6 de algo que tem consumido muita gente, que é a preguiça. Ele diz: Vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos e sê sábio; a qual não tendo chefe, nem superintendente, nem governador, no verão faz a provisão do seu mantimento, e ajunta o seu alimento no tempo da ceifa. Interessante essa figura que Salomão usa – a formiga. Vejam alguns detalhes sobre ela:

· Ela é ceifadora;
· Ela é prudente;
· É um inseto pequeno demais. Pois bem, este inseto é usado como exemplo de prudência.

Salomão diz que ela não tendo chefe, nem superintendente, nem governador, no verão ela faz a provisão do seu mantimento, e ajunta o seu alimento no tempo da ceifa. Precisamos aprender com este inseto insignificante, mas, que traz uma lição profunda para o nosso coração. Vejam algumas dicas olhando para o exemplo e atitudes da formiga:

·   Temos que produzir na vida,
·   Temos que fazer provisão na vida,
·   Temos que preparar projetos no coração.

Precisamos ser prudentes como a formiga, que antes do verão chegar, ela sem chefe, sem comandante, ela com o seu tamanho insignificante vai atrás do seu suprimento.
William Douglas diz: Buscar prazer no trabalho envolve ficarmos felizes por podermos trabalhar e nos sentirmos recompensados durante a realização do nosso ofício. A Bíblia afirma: Mal nasce o sol, (...) o homem sai para o seu trabalho. E para a sua ocupação até à tarde (Salmos 104.22-23)  [5].
Que o Eterno nos ajude a lidar com o sucesso e com o trabalho no temor dele no coração como princípio da sabedoria sempre!
                                                      
_____________
Alcindo Almeida é membro da equipe pastoral da Igreja Presbiteriana da Alphaville em São Paulo.




[1] DOUGLAS, William e Rubens Teixeira. As 25 leis bíblicas do sucesso. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2012, p.09.
[2] DOUGLAS, 2012, p.11.
[3] DOUGLAS, 2012, p.27.
[4] DOUGLAS, 2012, p.28.
[5] DOUGLAS, 2012, p.31.

Comentários

Postagens mais visitadas