Os paradoxos no Natal

Que loucura! Um Deus de fraldas deitado numa cocheira é um absurdo completo para a minha mente metida a racional. O Criador do universo vestindo o manequim de um bebê torna-se um contra senso universal. Mas, a verdade nua é que Deus se encarnou num neném pelado e veio habitar humildemente como homem entre os homens soberbos.
Deus, agora, tem um endereço insignificante numa biboca qualquer deste mundo cheia de pedras, espinhos e cardos. Há um Salvador para a arrogância humana, dormindo sossegadamente numa estrebaria, sem qualquer visibilidade pública. O Deus encolhido, o Deus nenê desceu do céu para expandir o amor na terra dos ensimesmados. Parece que esse Deus infantil gosta mesmo e muito de gente topetuda e suja de barro.
O nascimento de Deus na raça de Adão é o paradoxo dos paradoxos. Mas, também, é a maior demonstração de afeto por uma espécie saturada de autossuficiência. Como é grandioso ver o Deus Soberano e Onipotente se importar profundamente com gente que não vê qualquer importância nele! Gente obesa de si mesma!
Vejo em Jesus de Nazaré a assinatura humana de Deus num título de resgate de uma conta im-pagável de presunção desta pseudo independência. Vejo nele o preço da redenção, sem pechincha nem descontos, para uma turma altiva que se acha acima do panteão, e que prefere construir a sua lamentável história à custa da demolição do planeta azul.
Quero, nesta pequena reflexão, fora de época, já que Cristo Jesus, com certeza, não nasceu no mês de dezembro, desejar que você perceba o Natal, não como uma festa de alguns presentes, mas, como a Festa de Alguém, muito especial, presente nas vidas dos indignos que o recebem, fazendo a diferença nos corações dos indiferentes.
Feliz Natal é uma pobre frase sem sentido, criada pelos admiradores de “ho, ho, ho”. Embora, feliz será sempre aquele que celebrar o Natal, 365 dias por ano. Curta, com alegria, este ano 2012 com Cristo habitando no seu casebre de barro. Ele mesmo financiará o seu contentamento a cada dia, apesar das tribulações. O Criador veio para ser submisso à criatura, e, deste modo, fazer o maior milagre na terra: conceder à cria orgulhosa a condição de depender do Criador, que se acocorou com uma bacia e uma toalha, a fim de lavar os pés de uma “turminha” soberba ao extremo, indo até a cruz para libertar os que se acham “super deuses”.
No amor da Casa do Pão. (De Belém, ao monte do Calvário, você será saciado em sua fome de significado neste banquete diário de Amor incondicional).

_____________
Glenio Paranaguá e família

Comentários

Postagens mais visitadas