Leituras em janeiro de 2016


1.  ZÁGARI, Maurício. O fim do sofrimento – Um livro para quem busca consolo e esperança nos momentos mais sombrios. São Paulo: Mundo Cristão, 2015. Estruturado em torno de trinta afirmações que pessoas em sofrimento costumam expressar, frases como: "Estou atravessando o vale"; "Não consigo mais sorrir"; "Minha vida acabou"; "Acho que Deus não me ama"; entre outras, o autor fala sobre o fim do sofrimento, não apenas no sentido de extinção, término e chegada ao ponto final do tempo de luta, mas também sobre o seu fim no sentido de finalidade e propósito e que pode ser usado por Deus para nos moldar, aperfeiçoar e ensinar lições que serão extremamente úteis para nós mesmos e para as pessoas ao nosso redor. Um livro inspirador, que revela uma nova atitude, poderosa e eficaz, e que conduz os leitores da tristeza para o descanso nas promessas infalíveis da Palavra de Deus. Contém 176 páginas.

2. BONHOEFFER, Dietrich. Prédicas e alocuções. São Leopoldo/RS: Sinodal, 2007. O autor se destacou como pregador nas comunidades pelas quais passou, no seminário que dirigiu e nas oportunidades que lhe apareceram na vida. Muitas prédicas não perdem valor e atualidade com o passar dos anos. Assim como encontraram ouvidos atentos em seu tempo, ainda hoje elas despertam a reflexão em torno de conteúdos da fé cristã. Nelas está impressa a certeza de que o Evangelho de Jesus Cristo é a palavra para todos os tempos. É nesse marco que se situa o pastor, teólogo luterano e mártir do nacional-socialismo na Alemanha da Segunda Guerra Mundial, Dietrich Bonhoeffer, cujos escritos estão publicados em diversas línguas e são lidos e estudados também fora dos muros eclesiais. Contém 96 páginas.

3. MCGRATH, Alister. Encarnação. A verdade e o imaginário cristão. São Paulo: Hagnos, 2012. Neste volume atraente e primorosamente ilustrado sobre a encarnação de Cristo, Alister McGrath conquista a razão, as emoções e, ao mesmo tempo, aumenta a fé de seus leitores, enquanto desvenda porque a igreja deposita sua fé e esperança no extraordinário, brilhante e ousado princípio de que Jesus Cristo é o Deus encarnado. Poesia, oração e reflexão teológica são entremeadas com comentários sobre obras como Ecce Ancilla Domini [Eis a serva do Senhor], de Dante Gabriel Rossetti; Miraculous Draught of Fishes [A pesca milagrosa], de Jacopo Bassano; e The Good Samaritan [O bom samaritano], de Van Gogh. Essa união entre texto e arte nos envolve de forma mais plena com as narrativas do evangelho e nos conduz a uma maior compreensão das verdades da fé cristã. Contém 112 páginas.

4. YANCEY, Philip. Oração. Oração: ela faz alguma diferença? São Paulo: Vida, 2012. Neste que é um de seus livros mais instigantes, Philip Yancey investiga um dos aspectos que medem com precisão a temperatura do nosso relacionamento com Deus: a oração. Escrevendo sobre oração como peregrino, não como especialista, o autor faz as indagações que todos nós fazemos em algum momento da vida. Contém 406 páginas.

5. YANCEY, Philip. Rumores de outro mundo. São Paulo: Vida, 2004. Em Rumores de outro mundo você percorrerá as fronteiras da crença — um lugar entre a dúvida e a fé — e encontrará uma nova perspectiva para sua vida. Contém 235 páginas.

6. YANCEY, Philip. Os sons da fé. São Paulo: Vida, 2015. Philip Yancey, na primeira parte de sua coleção de artigos Os sons da fé, traça os desafios à fé em meio à dor e ao mal do dia a dia e também em momentos históricos, como no caso dos judeus nos campos de concentração nazistas, discutindo o problema da dor e da moralidade. Na segunda parte, propõe respostas cristãs ao problema do mal, abordando os pontos de vista de Francis Schaeffer e T. S. Eliot, perpassando pela intrigante discussão sobre a validade de se fazer o bem. Na terceira parte, encerra mostrando como a arte, quer por meio de pintores renomados, quer por meio de músicos inspirados e inspiradores, é a expressão de fé e a manifestação da beleza de Deus que enchem a todos, cristãos e não cristãos, de esperança e consolo. Contém 235 páginas.

7. YANCEY, Philip. Perguntas que precisam de respostas. Rio de Janeiro: Editora Textus, 2003.  Philip traz artigos seus já publicados na revista Cristianity Today. Perguntas persistentes de nosso cotidiano e da sociedade em geral que não querem "calar". Narrando fatos acontecidos literalmente, os integra a passagens Bíblicas mostrando como nós agimos de fato diante das "desventuras" da vida cotidiana. Ao compará-las com o que as escrituras sagradas nos ensinam, Philip mostra o caráter humano já conhecido por Paulo em Rm. 3.10. Contém 190 páginas.

8. PARROTT, Les. Conte até 3. São Paulo: Mundo Cristão, 2011. Agindo por impulso, você pode rejeitar algo ou insistir nele, dando uma nova oportunidade. Neste livro o autor mostra como se fortalecer, como aceitar desafios, contribuir, dar o máximo de si, não se preocupar e agir, entre outros. Contém 106 páginas.

9. GRUN, Anselm. Não desperdice a vida. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2015. Nos últimos tempos, cada vez mais pessoas deixam a vida passar. Tentando garantir-se para todos os lados, elas ficam paradas. Segundo o autor, são, sobretudo, as pessoas jovens que passam a impressão de estarem desperdiçando a vida. Não há paixão em viver e, sim certo medo: tudo está tão difícil. Falta a coragem de iniciar algo novo. Grun escreveu este livro buscando auxiliar o leitor a descobrir caminhos para assumir as rédeas de sua vida, entrar em contato com sua própria força, descobrir em si o desejo de ousar a vida em vez de desperdiçá-la. E, dessa forma, despertar a esperança de uma vida plena e bem-sucedida, de uma vida de amor e entrega e de uma vida que nos liberta da necessidade de girar em torno de nós mesmos. Contém 152 páginas.


10. KELLER, Timothy. O Deus pródigo: descubra a essência da fé cristã na parábola mais tocante de Jesus. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2010. Em O Deus Pródigo, o autor passeia pela parábola do filho pródigo, uma parábola repleta de ensinamentos decisivos sobre nosso relacionamento com Deus, apresentando-nos tanto como "irmãos mais novos" quanto os "irmãos mais velhos". Uma obra para refletir não somente sobre a parábola, mas sobre como resgatar a essência da fé cristã nos dias de hoje. Contém 171 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas