Leituras no mês de janeiro de 2015


LUFT, Lya. Pensar é transgredir. Record, 2004. O livro de Lya Luft aborda com extrema delicadeza os dramas existenciais, o sentido e o valor da vida, o cotidiano banal e misterioso, amores e desencontros. A narrativa de Lya se faz ouvir pela voz de uma mulher, uma personagem feminina que relata sua problemática, mas o livro é dirigido a todo tipo de leitores. Contém 187 páginas.

ELLUL, Jacques. Se és o Filho de Deus. Brasília: Editora Palavra, 2011. Nos últimos anos, a natureza de Jesus Cristo tem sido atacada como nunca antes. Na literatura surgiram livros que enfatizam sobremaneira a natureza de Jesus que não davam espaço para o divino. No cinema produziram filmes mostrando um Jesus crucificado excessivamente frágil, quase débil, que sonha com uma vida diferente, longe de sua natureza divina. Por sua vez, muitos cristãos ressaltam tanto o aspecto divino da natureza de Jesus, que ele se torna figura etérea, distante, sem tentações e sofrimentos. Ellul nos apresenta a realidade mais profunda da natureza de Jesus: ele era o mesmo tempo totalmente humano e divino. Ele sabe que sofremos nessa vida e, por isso, pode nos ajudar. Contém 96 páginas.

MCGRATH, Alister. Redenção. A verdade e o imaginário cristão. São Paulo: Hagnos, 2012. Neste livro, primorosamente ilustrado com obras de arte dos famosos mestres da pintura, sobre a redenção oferecida por Cristo, Alister McGrath conquista o imaginário, a razão e aumenta a fé de seus leitores ao penetrar nos mistérios que levaram Deus a sacrificar seu único Filho para salvar o mundo da opressão e da impossibilidade de ajudar a si mesmo. Poesia, oração e reflexão teológica estão entremeadas com comentários sobre conceitos transmitidos através de obras de arte como as pinturas de Amedeo Bocchi, On the lawn [No gramado] (ilustrando o tema da adoção). Contém 112 páginas.

HOUSTON, James. Vida de oração. Brasília: Palavra, 2009. Vida de Oração, da série Clássicos da Espiritualidade Cristã, preenche-nos com o alento da oração e nos desafia a enriquecermos nossa vida interior mais plenamente com a presença de Cristo. Orar vai deixar de ser um peso para se tornar parte importante da vida e passar a ser um momento aguardado de encontro com Sua Majestade. Após a leitura deste clássico, a oração, a vida cristã e as lutas não serão encaradas da mesma maneira. Contém 336 páginas.

DAMBERG, Carlos. A oportunidade dos 40. São Paulo: United Press, 2013. É necessário termos qualidade de vida. Damos um grande passo para a concretização desse objetivo quando tratamos adequadamente as quatro necessidades humanas – física, mental, social e espiritual - ou seja, quando estas se integram. Assim, conseguimos dar o melhor de nós mesmos na execução de nossas atividades. O trabalho adquire significado e os relacionamentos, profundidade. Contém 150 páginas.

SMALLING, Roger. Liderança cristã. Princípios e prática. Não podemos considerar a liderança cristã sem tocar aspectos chaves do caráter. Ao mesmo tempo, precisamos das ferramentas práticas para desenvolver uma visão e ministério. No livro você terá algumas para aplicar na liderança. Contém 181 páginas.

KELLER, Timothy. Igreja centrada. São Paulo: Vida Nova, 2014. Keller — com mais de vinte anos de experiência ministerial em Nova York — oferece percepções desafiadoras e levanta questões provocativas. Por meio da aplicação de doutrinas clássicas ao nosso tempo e contexto, Keller descreve de forma concisa e direta uma visão teológica para o ministério, organizada em torno de três compromissos fundamentais: Centralidade do Evangelho, Centralidade da cidade e Centralidade do movimento. Contém 463 páginas.

MACARTHUR, John. Sociedade sem pecado. São Paulo: CEP, 2010. Afaste a realidade do pecado e você eliminará a possibilidade de arrependimento. Anule a doutrina da corrupção humana e você invalidará o plano da salvação. Apague a noção da culpa pessoal e você eliminará a necessidade de um Salvador. Destrua a consciência humana, e você levantará uma geração imoral e irredimível. Contém 245 páginas.


NOUWEN, Henri. Ministério criativo. Brasília: Palavra, 2008. Ministério não é um emprego, com horários e tarefas definidas, mas essencialmente um estilo nobilíssimo de vida. Contudo, para que essa experiência seja plena, é fundamental que o ministro busque continuamente novas experiências com Deus, a fim de que permaneça fiel a seu chamado. Ministério criativo apresenta uma análise profunda das várias e complexas atividades que fazem parte desse modo de viver. Fruto das experiências de um líder que dedicou integralmente a sua vida a Deus, esta obra é um guia espiritual ressonante para cada homem e cada mulher que almeja ser útil no Reino de Deus. Contém 144 páginas.

Comentários

Deus te abençoe muito Alcindo, obrigado por compartilhar estes tesouros literários, abraços.

Postagens mais visitadas