Pular para o conteúdo principal

Leituras em julho de 2020

1. MADUREIRA, Jonas. O custo do discipulado: A doutrina da imitação de Cristo. São Paulo: Editora Fiel, 2019. Neste livro, Jonas nos apresenta o modelo mimético do discipulado cristão. Em sua abordagem, somos primeiro encorajados a ver em Cristo o modelo supremo a ser seguido em nossa vida cristã; e, a partir de Cristo, somos encorajados a ajudar pessoas a serem também imitadoras dele. Em O custo do discipulado, aprendemos que a chamada mais importante de nossa vida é seguir Jesus e que, ao segui-lo, assumimos também o compromisso de levar pessoas a segui-lo. Contém 95 páginas.

2. CLOUD, Henri. Integridade. A coragem de enfrentar as demandas da realidade. São Paulo: Editora Vida Nova, 2011. Integridade é muito mais do que apenas honestidade: é a chave para o sucesso. Uma pessoa com integridade possui a capacidade raríssima de juntar as peças do quebra-cabeça e fazer com que tudo dê certo, mesmo nas situações mais difíceis e desafiadoras. Neste livro, o autor explora as seis qualidades do caráter que definem a integridade. Para ilustrar cada uma delas, ele usa, por exemplo, histórias de personalidades do mundo dos negócios, como Michael Dell e mostra como as pessoas com integridade: conquistam e mantêm a confiança dos outros, são capazes de ver e enfrentar a realidade, alcançam bons resultados, aceitam as realidades negativas, buscam o crescimento e o desenvolvimento e compreendem a questão da transcendência. Contém 208 páginas.

3. LELOUP, Jean-Yves. Sabedoria do Monte Athos. Rio de Janeiro: Vozes, 2012. De forma poética e leve, mas sem deixar de lado a erudição que lhe é peculiar, Jean-Yves Leloup inicia o leitor ao Cristianismo Ortodoxo. Ele os conduz ao Monte Athos - a "Santa Montanha" que se ergue sobre os mares da Grécia - onde, através de "cartas a um amigo ateu", ele narra sua experiência pessoal, levando o leitor ao coração do cristianismo. Nos tempos em que lá viveu, teve a oportunidade de vivenciar a sabedoria e a tradição do Cristianismo Oriental e agora compartilha sua experiência, dando voz aos monges que ali conheceu, além de apresentar um apaixonante index histórico, teológico e anedótico onde traça a história do local. Contém 336 páginas.

4. BURKE, John. Proibida a entrada de pessoas perfeitas. São Paulo: Editora Vida, 2010. Como receber pessoas “imperfeitas” na igreja? O que têm em comum um budista, um casal de motoqueiros, um ativista dos direitos homossexuais, um nômade, um engenheiro, um muçulmano, uma jovem mãe solteira, um judeu, um casal que vive junto sem ser casado e um ateu? Escrito para pastores, líderes e todos os interessados em ampliar o impacto exercido pela Igreja, Proibida a entrada de pessoas perfeitas mostra como criar a cultura do tipo “venha como você está”, auxiliando na difícil tarefa de construir uma ponte sobre o abismo existente entre a igreja e o mundo pós-moderno. Atual e relevante, esta obra essencial apresenta caminhos para derrubar as barreiras que afastam as novas gerações do amor de Deus. Burke lembra que Deus continua utilizando o mesmo método usado em todas as gerações: institui sua igreja contando com pessoas imperfeitas, em situações aparentemente sem esperança. Ninguém está tão longe ou perdido que Deus não o possa alcançar! Contém 416 páginas.

5. GUERRA, Richarde. Desconecte-se. Uma jornada de volta à vida real. Como recuperar a conexão interrompida? Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2019. Pesquisas recentes indicam que os brasileiros estão em terceiro lugar entre todos os países do mundo quanto ao tempo de permanência na internet: mais de nove horas por dia, seja pelo computador, tablet ou celular. Considerando o tempo que precisa dedicar a atividades, digamos, desconectadas, como alimentar-se e dormir, dá para concluir, sem medo de errar, que sobra bem pouco espaço na agenda e na mente para o restante. Nem os jovens cristãos escapam dessa alarmante realidade, e muitos deles estão se deixando levar pelos mesmos maus hábitos, envolvidos pelas mesmas compulsões. Se envolvem em polêmicas vazias, usam linguajar inadequado, estimulam a contenda, envolvem-se em pornografia, alimentam a cobiça e se encantam com a futilidade. Sem contar a negligência com a leitura da Bíblia e a comunhão com Deus e os irmãos de fé. O que o pastor Richarde Guerra propõe neste novo livro — sequência natural de suas obras pela Thomas Nelson Brasil, Desconforme-se e Descomplique-se — é uma nova maneira de pensar a abreviação 5G: navegar pelas redes sociais (e pela vida em comunidade) com graça na atitude, grandeza de caráter, generosidade com o próximo, guiado pelo Espírito Santo e a tendo a glória de Deus como o objetivo maior.” Contém 416 páginas.

6. HOUSTON, James. A felicidade. A verdadeira plenitude da vida. Brasília, DF: Palavra, 2009. Todo mundo deseja ser feliz, porém poucos verdadeiramente o são. Todos nós vivenciamos momentos de felicidade, mas nos faltam solidez e senso de permanência. Ao explorar com habilidade a própria natureza da felicidade, tanto cultural quanto espiritualmente, o Dr. Houston mostra que a felicidade não é um produto que se encontra à venda, mas o fruto de uma dadivosa vida de bondade. Contém 285 páginas.

Comentários

  1. Parabens pastor Alcindo, com uma Sinopse de cada livro ficou 10. Bênçãos pra vc e familia. Espaço da esoosa, mas agora sou eu, Joel Trigo

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …