Pular para o conteúdo principal

Vivenciando Deus

Observando os escritos dos monges antigos, encontramos inúmeras vezes a palavra humildade como uma espécie de sinônimo da expressão experiência de Deus. No monacato antigo, todos os autores cantavam louvores à humildade, como a vitória sobre as paixões e os vícios. Hoje quase não se fala da humildade e muito se fala da experiência com Deus. Mas, na verdade, os dois conceitos são inseparáveis. Assim, só entendemos corretamente o conceito de experiência de Deus se o pronunciamos no mesmo sentido de humildade.
Esse assunto da humildade mexe conosco mesmo, porque vivemos na era do culto ao ser, na era do egoísmo onde devemos aparecer sempre. Vivemos numa época que precisamos demonstrar a nossa performance na sociedade, ser ninguém hoje é para os fracos. Os vitoriosos estão sempre na mídia e na ascensão. Humildade sempre nos puxa para baixo, a humildade sempre faz o outro ser visto e não nós. Humildade sempre tem a ver com o que Cristo faz em nós e não o que fazemos para Ele. Por isso, o texto sagrado afirma: Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz. 
Na fala do Paulo em Filipenses 2 percebemos que os valores do Reino de Deus são diferentes dos valores deste mundo. Para o mundo, ser grande é exercer poder sobre os outros. No Reino de Deus, ser grande é servir aos outros, como Cristo serviu a pecadores e aos indignos diante dele. No Reino de Deus, o serviço e a humildade são os verdadeiros poderes. Humildade é um caminho que nos ajuda a encontrar a nós mesmos e vivenciar Deus da maneira mais profunda que podemos. Porque quando praticamos a humildade, honramos o Criador e vemos que crescemos em graça e sabedoria. Quando praticamos a humildade não somos nós que aparecemos, é Cristo em nós em todo tempo.
Experiência com Deus tem a ver com o caminho da humildade de Cristo em nós hoje e sempre! (Alcindo Almeida)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …