Pular para o conteúdo principal

Leituras em março de 2020

1. PARANAGUA, Glenio. Cruz credo, o credo da cruz. Paraná: Editora Ide, 2002. O livro é um grito de espanto em face do descaso do cristianismo moderno com a mensagem da cruz. É uma expressão de pasmo diante do pouco caso do púlpito contemporâneo com a pregação que Deus elegeu essencial para a salvação do homem. A cruz não é um mero símbolo do cristianismo nem um simples gesticular da mão. Deus escolheu a cruz como centro de sua revelação amorosa e como a demonstração da experiência genuína da fé cristã. A ênfase deste livro não é somente a crucificação do Jesus histórico, mas a co-crucificação do homem juntamente com Cristo, pois não há vida ressuscitada sem a operação da cruz, e é falsa toda religiosidade que não trouxer as marcas dos cravos no caráter de cristão. O livro é uma obra criteriosa e comprometida com a mensagem essencial e mais urgente para o ser humano. Não propõe um acordo diplomático que negocia divergências de opinião, mas apela como ultimato divino para a salvação do homem e a comunhão com Deus. Contém 186 páginas.

2. MACARTHUR, John. A verdade permanece. Sermões marcantes de John MacArthur. São Paulo: Editora Fiel, 2012. O livro é uma comemoração aos quarenta anos de ministério desse grande autor. MacArthur sempre teve grande habilidade para se comunicar e um grande compromisso com as verdades solenes da Bíblia, por isso tornou-se um grande ícone da pregação cristã, no mundo. A fidelidade de MacArthur e a pregação puramente expositiva da Bíblia tornam esse pregador comparável a Calvino, Manton, Charnock e Lloyd-Jones. O fato de ele continuar no dever, pregando e levando cada vez mais vidas para o arrependimento genuíno e o Cristianismo Puro, torna-o ainda mais influente por todo o mundo. Esses sermões de MacArthur mostram que a exposição da Palavra de Deus não é uma simples moda na pregação, mas é a genuína pregação. Pois as modas com certeza passarão, mas as Escrituras permanecerão para sempre. Contém 287 páginas. 

3. HOUSTON, James. O Criador. Brasília: Editora Palavra. 2009. Este livro é para cristãos que querem seguir em sua jornada rumo a um conhecimento mais profundo de Deus como Criador do céu e da terra. Há inúmeros livros que argumentam a hipótese teísta sobre a origem do cosmos em relação a outras visões. Existem diversos estudos acadêmicos sobre a existência de um Ser Superior. James Houston não escreveu uma obra dessa natureza. Nesse livro vemos o seu apaixonado compromisso pessoal com esse fiel Deus Criador; literalmente, estabeleceu sua família, sua carreira e toda a sua vida na existência de Deus. Aqui está um homem que conhece o Deus sobre o qual escreve. Não consigo imaginar alguém que, ao finalizar a leitura deste livro, não seja recompensado. Contém 336 páginas.

4. FRAME, John. Em Espírito e em verdade. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2018. Este recente e prático livro sobre adoração lança a luz necessária sobre questões relativas ao conteúdo, música, estrutura, liberdade, tendências recentes da adoração e muito mais. Grupos de estudo, líderes e todos os que buscam enriquecer sua experiência de adoração irão beneficiar-se com este estudo criterioso sobre o tipo de adoração que agrada a Deus. Frame penetrou o cerne do assunto com extraordinária clareza. Ele se mantém fiel aos conceitos históricos da tradição Reformada, mas argumenta de modo convincente que as igrejas de hoje devem construir sobre o passado. Frame nos oferece o que mais precisamos agora - princípios bíblicos de adoração que devemos aplicar a nossas circunstâncias particulares. Contém 208 páginas.

5. NOUWEN, Henri. Transforma o meu pranto em dança. Rio de Janeiro: Editora Thomas Nelson Brasil, 2007. Repleto de experiências vividas pelo autor e por aqueles que aconselhava, o livro traz conforto e bem-estar em uma linguagem simples e acessível. Embora seja bastante prático em sua abordagem, Henri Nowen evita respostas prontas, simplistas ou simplórias. Para ele, a bondade é o caminho para um modelo de vida enraizado na esperança eterna. Henri Nouwen acredita que as provações que todos enfrentamos exigem mais do que palavras. Frases eloquentes seriam incapazes de amenizar nossas dores mais profundas. No entanto, existe algo que pode nos orientar e nos guiar através do sofrimento a própria presença de Deus em nossas vidas. E é dele que vem o convite para redescobrirmos a felicidade. Contém 112 páginas.

6. SANDE, Ken e Tom Raabe. Os conflitos no lar e as escolhas do pacificador - Um guia prático para lidar com as crises na família. São Paulo: Editora Nutra, 2011. Os autores, propõem uma alternativa bíblica para lidar com os conflitos que trazem tanta dor e separação. Os autores partem do fato de que um conflito sempre começa com algum tipo de desejo. Tais desejos podem se transformar em exigências, que se não forem atendidas evoluirão para julgamentos e terminarão em retaliação. Porém, os autores não se detêm apenas no problema, antes, apresentam de maneira criativa e atraente as soluções bíblicas por meio de inúmeras ilustrações de situações de conflitos familiares. Em todo tempo eles têm em mente que tais conflitos se resolvem com a aplicação de princípios pacificadores. Os princípios e conselhos esboçados neste livro tornarão o seu relacionamento com o cônjuge e filhos mais caloroso, intenso e, sobretudo, agradável a Deus. Isto porque seu lar será um lar de pacificadores, onde todos os seus integrantes serão ensinados e treinados em como aplicar princípios que promovem a paz. Contém 320 páginas.

7. NOUWEN, Henri. Nossa maior dádiva. São Paulo: Editora Loyola, 1997. Um dos mais inspirados escritores espirituais de nosso tempo, Henri Nouwen lança um olhar emocionado à mortalidade humana. À medida que conta suas próprias experiências com o envelhecimento, a perda, o pesar e o medo e reflete sobre sua fé na vida e ensinamento de Cristo, Nouwen sugere com beleza e suavidade que o viver e o morrer podem se tornar dádivas de cada de um de nós para nosso semelhante. Nossos pensamentos e sentimentos, nossas palavras e escritos, nossos sonhos e visões não são exclusivamente nossos. Eles pertencem a todos os homens e mulheres que já morreram, mas continuam a viver em nós. As vidas e as mortes dessas pessoas ainda estão dando fruto em nossas vidas. Sua alegria, esperança, coragem, confiança não morreram com elas, mas continuam a florescer nos corações daqueles que estão ligados a elas pelo amor. Nessa comunhão de vida que suplanta e dá sentido à morte, veremos que nossas mortes também darão frutos na vida de todos aqueles que viverão depois de nós. Contém 102 páginas.

8. GONDIM, Ricardo. Para começo de conversa. São Paulo: Editora Fonte Editorial, 2012. O autor se refere ao seu texto como um novelo de ideias e convida seus leitores a puxar com ele alguns fios. Em seus ensaios, o leitor é desafiado a trocar as lentes e quebrar paradigmas de uma religião que cerca a liberdade e coíbe o amor; repensar a fé, a vida e suas convicções, fazem parte do processo de mudança que todas as pessoas devem desejar para o desenvolvimento de um cristianismo mais ético e mais humano. Contém 215 páginas.

9. BONHOEFFER, Dietrich. Resistência, submissão. Cartas e anotações escritas na prisão. São Leopoldo - Rio Grande do Sul: Editora Sinodal, 2003. Resistência e Submissão é um documento dos últimos anos de vida de Dietrich Bonhoeffer (1943-1945). O livro contém, juntamente com um prefácio, um posfácio e numerosas notas explicativas dos editores, a correspondência de Bonhoeffer com sua família e o amigo Eberhard Bethge, apontamentos teológicos e poemas surgidos na prisão, onde o autor se encontrava devido a seu engajamento na resistência contra o regime nacional-socialista alemão. Estas cartas e anotações são o legado teológico de Bonhoeffer para a cristandade. Contém 638 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …