Pular para o conteúdo principal

Leituras em outubro de 2019


TITUS, Larry. Liderando como Jesus. Princípios de sucesso do maior líder de todos os tempos. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2019. Liderança é mais que um dom. É questão de atitude. O senso geral considera a liderança como um status garantido apenas a pessoas com alto grau de capacitação, cheias de talento ou abençoadas com dons especiais. E no ambiente das igrejas cristãs evangélicas há, pelo menos, dois fatores que contribuem para essa concepção: a hierarquia — especialmente simbolizada na figura do pastor — e o próprio exemplo de Jesus, o Verbo feito carne e Líder perfeito. O que Larry Titus procura mostrar neste livro é que a liderança não é um bicho-de-sete-cabeças, e menos ainda uma prerrogativa limitada a uma minoria privilegiada, embora exija certas disciplinas e atitudes para ser exercida com sabedoria, responsabilidade, eficiência, fé, integridade, paixão e compaixão. Liderando como Jesus oferece a orientação bíblica segura e o modelo divino para se tornar o tipo de líder que qualquer pessoa deseja seguir. Contém 304 páginas. 

LUCADO, Max. Um coração igual ao de Jesus. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2019. Este livro mostra como o Salvador é capaz de transformar o nosso coração para torná-lo mais parecido com o dele. O resultado dessa mudança é surpreendente, pois as bênçãos decorrentes afetam não apenas a vida de quem se propõe a aceitar esse desafio, como também a de todos os que nos rodeiam. Número de Contém 88 páginas. 

WILSON, Dave e Ann. Casamento vertical. São Paulo: Editora Vida, 2019. Escrito em formato de diálogo bem-humorado, Casamento vertical orientará você na construção de um relacionamento vibrante em todos os níveis, incluindo comunicação, solução de conflitos, intimidade e romance — embora Dave ainda não tenha decifrado o último. Com perspectivas singulares, eles compartilham uma narrativa íntima, às vezes hilariante, outras profundamente comovente, da jornada de um casal para se reconectar com Deus e descobrir a alegria e o poder de um casamento vertical. Contém 256 páginas.

GONDIM, Ricardo. A presença imperceptível de Deus. São Paulo: Editora Doxa, 2012. Um livro muito gostoso em que o Gondim abre o coração para falar sobre os momentos difíceis da sua vida em que ele viu a presença de Deus. Nos detalhes, Deus estava agindo na sua vida. Contém 60 páginas. 

ELLUL, Jacques. Cristianismo revolucionário. Brasília: Editora Palavra, 2012. Já é recorrente a crítica à Igreja por sua inércia perante um mundo cujas demandas por paz, justiça e esperança se multiplicam, com as honrosas exceções de praxe, são muitos, de fato, os cristãos que, mesmo diante da admoestação bíblica, se furtam a demonstrar o amor de Jesus perante a sociedade, contudo o filho de Deus tem uma função delegada pelo próprio Cristo, a de ser sal da terra e luz do mundo. E essa missão é decisiva pois dela dependem a vida ou a morte espiritual de muitos. Essa tarefa incomparável não pode ser compreendida pelo mundo, já que as coisas espirituais, conforme as Escrituras, só podem ser discernidas espiritualmente. Contém 123 páginas. 

CARDOSO, Amauri e Layla Cardoso. Parceria conjugal. Reflexões cristãs sobre o casamento. Minas Gerais: Editora Ultimato, 2001. A conquista de uma relação de parceira possibilita a satisfação dos desejos e necessidades humanas nem sempre atendidos nos modelos conjugais encontrados em nossa cultura. Sua construção requer dos cônjuges, além do amor em seus múltiplos aspectos, a vontade de crescer, expressa na disposição de desenvolver a própria personalidade, e a coragem, indispensável para enfrentar os obstáculos naturais dessa caminhada que certamente não confere menos do que promete, porém pede mais do que se imagina. Parceria Conjugal tem o propósito de pontuar questões e ideias para a discussão e reflexão entre cônjuges e grupos de casais a respeito de aspectos da policromática realidade-mistério que cerca a vida a dois. Em nenhum momento os autores buscam estabelecer regras ou fórmulas, mas procuram despertar o interesse pelo inegável potencial criativo dos casais. Contém 72 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …