Pular para o conteúdo principal

Leituras em novembro de 2019

LEMAN, Kevin. Transforme sua família em cinco dias. São Paulo: Mundo Cristão, 2019. Repleto de testemunhos inspiradores, informações curiosas e abordagens divertidas, o livro traz um apanhado de conteúdos importantes para todo leitor que deseja ser um agente participativo na restauração de seu lar. No livro, Kevin Leman, psicólogo clínico de fama internacional, aborda diversos temas preciosos para a saúde da família e mostra soluções possíveis para os problemas do dia a dia, tudo por meio de uma proposta fácil e altamente prática. Contém 224 páginas. 

NICODEMUS, Augustus. Cristianismo facilitado. São Paulo: Mundo Cristão, 2019. Após a excelente repercussão de suas obras Cristianismo descomplicado e Cristianismo simplificado, Augustus Nicodemus apresenta Cristianismo facilitado, em que o autor prossegue sua jornada de tornar compreensível os principais tópicos da fé cristã e suas aplicações no dia a dia. Seu método é simples, mas não menos eficaz: questionamentos complexos no campo da fé são respondidos de forma leve, objetiva, coloquial e acessível, aproximando a teologia do cristão leigo. Neste terceiro volume, Augustus responde a diversas questões sobre a Trindade; sobre a vida interior, devocional e prática de cada um de nós; sobre relacionamentos familiares, em temas como namoro, casamento e sexualidade; e também sobre a Igreja, abordando a vida eclesiástica e pastoral. Contém 160 páginas. 

NOUWEN, Henri. Conversa espiritual. A beleza e a profundidade da espiritualidade cristã explicadas de maneira simples. Brasília: Editora Palavra, 2009. Saiba que o texto que você tem em mãos é uma ótima introdução ao pensamento e à espiritualidade de Nouwen. A descrição das suas lutas, seu olhar mais poético do que teológico, seus insigths sobre a jornada espiritual revelam algumas das razões por que Nouwen tornou-se um dos mais amados mentores espirituais do nosso tempo. Contém 80 páginas. 

RUSHDOONY, R. J. Rejeição à humanidade. Brasília: Editora Monergismo, 2018. As maiores ameaças ao cristianismo são as que mais passam despercebidas ao cristão comum: são aquelas que, por terem se mesclado à nossa cosmovisão, tornam-se extremamente difíceis de serem discernidas, pois julgamo-las como verdadeiras. As Escrituras nos advertem: “Se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas” (Mateus 6.29), isto é, o pior tipo de trevas é aquele que pensamos ser luz. Assim, uma das ameaças mais desconsideradas, não obstante sua difusão na visão cristã da vida e do mundo, é a do neoplatonismo. Esse resquício da filosofia grega antiga fundamenta-se num aspecto dualista da realidade: concebe a forma ou espírito (no caso, a mente) como bons e o físico (a carne) como mau. O neoplatonismo é uma filosofia “dialética” que tenta reconciliar dois conceitos essencialmente hostis e mantê-los dentro de seu sistema. Ora, o neoplatonismo apresenta o dilema do homem como sendo de natureza metafísica, ao passo que as Escrituras apregoam que se trata de um problema moral. Pautar o cristianismo nessa falsa ideia neoplatônica inevitavelmente despojará a fé da perspectiva realmente bíblica. As ideias modernas de espiritualidade acabaram transformando-se em uma forma de oposição ao modelo bíblico, no qual o Espírito de Deus atua no mundo e no indivíduo a fim de realizar a vontade de Deus. Muitos cristãos creem que podem escapar do pecado por meio de uma evasão ao mundo material. As Escrituras, porém, dizem que o homem, em sua totalidade, caiu em pecado, e não apenas sua carne. À vista disso, «Rejeição à humanidade» é um olhar perscrutador sobre a natureza e efeitos do neoplatonismo no pensamento cristão contemporâneo, e apresenta soluções biblicamente fundadas para o crente que deseja servir plenamente a Deus. Contém 160 páginas. 

LEWIS, C.S. Até que tenhamos rostos. A releitura de um mito. Minas Gerais: Editora Ultimato, 2017. Apontada por muitos como a obra definitiva e mais madura de C. S. Lewis, Até que tenhamos rostos apresenta de maneira brilhante e criativa o mito de Cupido e Psique. Um romance sobre a luta entre o amor sagrado e o amor profano, em uma análise fascinante da inveja, traição, perda, ciúme, conversão e outros dilemas do coração humano. Ao mesmo tempo mais humano e também mais mítico do que a “Trilogia Cósmica”, o livro oferece ao leitor uma história rica, com personagens que “conhecemos” diante de escolhas e dificuldades que também “reconhecemos”. A última obra de ficção de C. S. Lewis nos lembra também da nossa fragilidade e da presença de um poder superior sobre a nossa vida. Contém 257 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …