Pular para o conteúdo principal

Leituras em julho de 2019


NOUWEN, Henri com Michael J. Christensen e Rebecca J. Laird. A formação espiritual. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2012. Nouwen nos aconselha muito sabiamente como experimentar os cinco estágios clássicos do desenvolvimento espiritual, nos apresenta a atividade da visão divina que nos ajuda a focar e guiar nossas orações, nos revela muito sabiamente como ir da cabeça para o coração e viver neste lugar habitado por Deus. Este livro representa a consolidação das disciplinas clássicas, dos estágios tradicionais e dos movimentos espirituais em uma dinâmica jornada de fé que requer reflexões diárias e práticas intencionais. Assim, ele é adequado para processos de reflexões individuais e de pequenos grupos. Contém 223 páginas.

MANNING Brennan. Acima de tudo. São Paulo: Editora Naos, 2006. O mesmo autor de "O Evangelho maltrapilho" nos traz mais este magnífico trabalho. Uma defesa impressionante da superioridade e soberania de Cristo sobre tudo e sobre todos. Acima de toda sabedoria, de todo poder, de todos os governos e de todos os tempos. Contém 144 páginas.

GRUN, Anselm. Wunibald Müller. Deus, quem és tu? Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2012. Esta obra traz um diálogo entre os autores, que conversam sobre Deus. Além disso, os autores procuraram, também, acolher a voz daqueles que não creem em Deus, ou que têm dificuldades em vivenciar e experimentar a presença e a atuação divina no mundo atual. Por isso, esta obra traz à luz as questões essenciais ligadas à fé e será uma leitura proveitosa para os que creem e os que duvidam da existência de Deus. Contém 264 páginas. 

SPROUL, R. C. Discípulos hoje. São Paulo: Cultura Cristã, 1998. Existem tantos retratos de Jesus nas galerias deste mundo que parece inútil esclarecer a confusão que eles têm operado nas mentes das pessoas acerca de quem é Jesus. Tantas imagens conflitantes de Jesus Cristo nos são apresentadas que algumas pessoas têm desistido de atingir um quadro exato de Sua verdadeira identidade. Precisamos de Cristo. Precisamos de um Cristo real. Um Cristo nascido de especulações vazias ou criado para ser espremido dentro de um padrão de um filósofo simplesmente não dá certo. Um Cristo reciclado, um Cristo de concessões, a ninguém pode redimir. Um Cristo diluído, despido de poder, rebaixado em Sua glória, reduzido a um símbolo, ou tornado impotente por uma cirurgia erudita não é o Cristo, e, sim, é o anticristo. Contém 272 páginas. 

CHAN, Francis. Cartas à igreja. São Paulo: Mundo Cristão, 2019. Em sua obra mais recente, Francis Chan, autor de Louco amor, desafia o leitor a avaliar a organização atual e a relevância (ou irrelevância) da igreja para o mundo em que vivemos. E, mais importante, quão próxima ou distante ela está do que as Escrituras apontam como o seu propósito, que é sinalizar o reino de Deus. Francis Chan conta sua experiência como plantador de igrejas e o que aprendeu com os erros e com os acertos, numa avaliação honesta e não menos crítica dos descaminhos trilhados por comunidades cristãs ao redor do planeta. Engana-se, no entanto, quem espera um mero desabafo. Francis Chan apresenta instruções valiosas para igrejas que não só querem compreender seu papel bíblico mas também anseiam por inspirar vitalidade, compromisso e significado. Cartas à igreja é, portanto, um chamado para fazer diferença. Contém 192 páginas. 

GRUN, Anselm. As exigências do silêncio. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2005. O livro traz experiências que os antigos monges (do 3º ao 6º século) fizeram com o silêncio. Ele contribui para se ter mais de clareza sobre a prática e mostra que o silêncio pode ser fundamental para que o ser humano trabalhe seu interior para conviver melhor nos dias de hoje. Contém 90 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …