Leituras em junho de 2019



LEWIS, C. S. Além do planeta silencioso. Rio de Janeiro: Editora Thomas Nelson, 2019. O livro conta a história do filólogo Elwin Ransom, um pacato professor universitário que tem como passatempo fazer longas viagens a pé pelo interior da Inglaterra. Por uma sucessão de fatos, Ransom é sequestrado por dois homens: o cientista Weston e o magnata Devine, e embarcado numa nave espacial para o planeta Malacandra (Marte). Nessa primeira parte da trilogia, C. S. Lewis não perde tempo descrevendo batalhas espaciais ou engenhocas tecnológicas dignas de Júlio Verne e H. G. Wells, autores que povoaram sua infância. O interesse do autor é utilizar esse mundo desconhecido e que se extingue, com paisagens exóticas e desoladas, para mostrar a evolução espiritual do protagonista e levá-lo através de alegorias, a questionar, analisar e, finalmente, aceitar a existência de uma grande força espiritual em regência ao universo. Contém 224 páginas.


LEWIS, C. S. Perelandra. Rio de Janeiro: Editora Thomas Nelson, 2019. A Trilogia Cósmica criada por Lewis é resultado de uma aposta entre ele e seu grande amigo J.R.R. Tolkien. Segundo relatos, os temas foram decididos no cara ou coroa; Lewis ficou com viagem no espaço, e Tolkien com viagem no tempo. Tolkien acabou não cumprindo a aposta, enquanto Lewis não parou em um só livro. A famosa amizade entre os dois foi eternizada pela criação do personagem principal, Elwin Ransom, professor e filólogo, assim como Tolkien. Nessas aventuras de Dr. Ransom pelo espaço encontramos criaturas mágicas, um mundo de encantos, batalhas épicas e revelações de verdades transcendentes. São Paulo: Cultura Cristã, 2018. Contém 320 páginas.

LEWIS, C. S. Aquela fortaleza medonha. Rio de Janeiro: Editora Thomas Nelson, 2019. Esse volume é chamado de conto de fadas na esperança de que os que não gostam de fantasia não sejam enganados pelos capítulos expostos. O cristianismo é presente, mas durante a primeira metade, enquanto as coisas estão sendo explicadas, ele é simplesmente ignorado, sua importância está na discussão de porque essa batalha está acontecendo. Os antagonistas do livro não são demônios nem pessoas que o seguem, mas conceitos e ideologias que Lewis considerava malignas e que ganhavam força na época, expondo seu ponto de vista de dentro e como elas são contraditórias ou inalcançáveis. Os personagens são constantemente criticados como rasos ou simplórios. De fato, nenhum deles é explorado muito a fundo. Enquanto nos dois primeiros livros a quantidade de personagens era resumida a menos de uma dúzia, Lewis apresenta vários personagens em Uma Força Medonha, mas o foco aqui não é explorar os personagens, mas contar uma historia. Os personagens são tão profundos quanto a historia exige, isso agradando os leitores ou não. Contém 534 páginas.


LEEMAN, Jonathan. A igreja centrada na Palavra. Como as Escrituras dão vida e crescimento ao povo de Deus. São Paulo: Vida Nova, 2019. Para Jonathan Leeman, a resposta é simples: “Não!”. O autor defende que a única ferramenta que precisamos para criar e fazer uma igreja crescer é a Palavra de Deus. Em vez de apresentar novos conceitos e abordagens, Leeman nos convida a olhar para trás, em direção às igrejas do Novo Testamento, cujos membros se tornaram cristãos vibrantes por terem a Palavra como a base do evangelismo, do ensino, da adoração, do discipulado, da oração e, claro, da pregação. Em onze capítulos, o autor mostra que a Escritura é essencial para a vida da igreja e deve permear não só a pregação, mas também nossas músicas, orações e relacionamentos. A razão é simples: foi a Palavra que fez a igreja florescer e a sustenta até hoje. A exemplo dos primeiros cristãos, devemos nos apegar a ela o tempo todo. Contém 218 páginas.

CARSON, D. A. Soberania divina e responsabilidade humana. Perspectivas bíblicas em tensão. São Paulo: Vida Nova, 2019. A tensão existente entre a soberania de Deus e a responsabilidade humana é tema debatido com frequência nas áreas da filosofia e da teologia. No cristianismo, essa discussão é ainda mais aguda, pois, ao considerarem Deus ao mesmo tempo onipotente e benevolente, os cristãos precisam lidar com vários questionamentos: - Se Deus é soberano, como podemos falar de vontade humana? - Como devemos relacionar passagens bíblicas que realçam a transcendência e a onipotência divinas com aquelas que falam do arrependimento de Deus?Como a tensão soberania-responsabilidade afeta o problema da teodiceia? - Será que Deus precisa ser reduzido para acomodar a liberdade de escolha do ser humano? Ao analisar como o assunto era tratado no Antigo Testamento, nos escritos judaicos intertestamentários e no Evangelho de João, Carson aprofunda o debate acerca do tema e mostra as implicações teológicas dessa discussão para o ministério e a missão na atualidade. Contém 301 páginas.

NOUWEN, Henri. Com o coração em chamas - Meditação sobre a vida eucarística . Sao Paulo: Editora Santuário, 2005. "Com o Coração em Chamas", Nouwen fala consigo e com seus amigos sobre Eucaristia, tecendo uma rede de conexões entre a celebração diária da Eucaristia e a experiência humana cotidiana. O evento eucarístico revela as experiências humanas mais profundas, as de tristeza, atenção, convite, intimidade e engajamento, o que resume a vida que somos chamados a viver em nome de Deus. Falando sobre perda, presença, convite, comunhão e missão, essa história abrange os cinco principais aspectos da celebração eucarística.O autor desenvolve nesta obra os cinco passos desse movimento do ressentimento para gratidão, de forma que se torne claro que o que celebramos e o que somos chamados a viver são essencialmente uma só e a mesma coisa. Contém 78 páginas.

Você também pode gostar

0 comentários