Pular para o conteúdo principal

Leituras em junho de 2019



LEWIS, C. S. Além do planeta silencioso. Rio de Janeiro: Editora Thomas Nelson, 2019. O livro conta a história do filólogo Elwin Ransom, um pacato professor universitário que tem como passatempo fazer longas viagens a pé pelo interior da Inglaterra. Por uma sucessão de fatos, Ransom é sequestrado por dois homens: o cientista Weston e o magnata Devine, e embarcado numa nave espacial para o planeta Malacandra (Marte). Nessa primeira parte da trilogia, C. S. Lewis não perde tempo descrevendo batalhas espaciais ou engenhocas tecnológicas dignas de Júlio Verne e H. G. Wells, autores que povoaram sua infância. O interesse do autor é utilizar esse mundo desconhecido e que se extingue, com paisagens exóticas e desoladas, para mostrar a evolução espiritual do protagonista e levá-lo através de alegorias, a questionar, analisar e, finalmente, aceitar a existência de uma grande força espiritual em regência ao universo. Contém 224 páginas.


LEWIS, C. S. Perelandra. Rio de Janeiro: Editora Thomas Nelson, 2019. A Trilogia Cósmica criada por Lewis é resultado de uma aposta entre ele e seu grande amigo J.R.R. Tolkien. Segundo relatos, os temas foram decididos no cara ou coroa; Lewis ficou com viagem no espaço, e Tolkien com viagem no tempo. Tolkien acabou não cumprindo a aposta, enquanto Lewis não parou em um só livro. A famosa amizade entre os dois foi eternizada pela criação do personagem principal, Elwin Ransom, professor e filólogo, assim como Tolkien. Nessas aventuras de Dr. Ransom pelo espaço encontramos criaturas mágicas, um mundo de encantos, batalhas épicas e revelações de verdades transcendentes. São Paulo: Cultura Cristã, 2018. Contém 320 páginas.

LEWIS, C. S. Aquela fortaleza medonha. Rio de Janeiro: Editora Thomas Nelson, 2019. Esse volume é chamado de conto de fadas na esperança de que os que não gostam de fantasia não sejam enganados pelos capítulos expostos. O cristianismo é presente, mas durante a primeira metade, enquanto as coisas estão sendo explicadas, ele é simplesmente ignorado, sua importância está na discussão de porque essa batalha está acontecendo. Os antagonistas do livro não são demônios nem pessoas que o seguem, mas conceitos e ideologias que Lewis considerava malignas e que ganhavam força na época, expondo seu ponto de vista de dentro e como elas são contraditórias ou inalcançáveis. Os personagens são constantemente criticados como rasos ou simplórios. De fato, nenhum deles é explorado muito a fundo. Enquanto nos dois primeiros livros a quantidade de personagens era resumida a menos de uma dúzia, Lewis apresenta vários personagens em Uma Força Medonha, mas o foco aqui não é explorar os personagens, mas contar uma historia. Os personagens são tão profundos quanto a historia exige, isso agradando os leitores ou não. Contém 534 páginas.


LEEMAN, Jonathan. A igreja centrada na Palavra. Como as Escrituras dão vida e crescimento ao povo de Deus. São Paulo: Vida Nova, 2019. Para Jonathan Leeman, a resposta é simples: “Não!”. O autor defende que a única ferramenta que precisamos para criar e fazer uma igreja crescer é a Palavra de Deus. Em vez de apresentar novos conceitos e abordagens, Leeman nos convida a olhar para trás, em direção às igrejas do Novo Testamento, cujos membros se tornaram cristãos vibrantes por terem a Palavra como a base do evangelismo, do ensino, da adoração, do discipulado, da oração e, claro, da pregação. Em onze capítulos, o autor mostra que a Escritura é essencial para a vida da igreja e deve permear não só a pregação, mas também nossas músicas, orações e relacionamentos. A razão é simples: foi a Palavra que fez a igreja florescer e a sustenta até hoje. A exemplo dos primeiros cristãos, devemos nos apegar a ela o tempo todo. Contém 218 páginas.

CARSON, D. A. Soberania divina e responsabilidade humana. Perspectivas bíblicas em tensão. São Paulo: Vida Nova, 2019. A tensão existente entre a soberania de Deus e a responsabilidade humana é tema debatido com frequência nas áreas da filosofia e da teologia. No cristianismo, essa discussão é ainda mais aguda, pois, ao considerarem Deus ao mesmo tempo onipotente e benevolente, os cristãos precisam lidar com vários questionamentos: - Se Deus é soberano, como podemos falar de vontade humana? - Como devemos relacionar passagens bíblicas que realçam a transcendência e a onipotência divinas com aquelas que falam do arrependimento de Deus?Como a tensão soberania-responsabilidade afeta o problema da teodiceia? - Será que Deus precisa ser reduzido para acomodar a liberdade de escolha do ser humano? Ao analisar como o assunto era tratado no Antigo Testamento, nos escritos judaicos intertestamentários e no Evangelho de João, Carson aprofunda o debate acerca do tema e mostra as implicações teológicas dessa discussão para o ministério e a missão na atualidade. Contém 301 páginas.

NOUWEN, Henri. Com o coração em chamas - Meditação sobre a vida eucarística . Sao Paulo: Editora Santuário, 2005. "Com o Coração em Chamas", Nouwen fala consigo e com seus amigos sobre Eucaristia, tecendo uma rede de conexões entre a celebração diária da Eucaristia e a experiência humana cotidiana. O evento eucarístico revela as experiências humanas mais profundas, as de tristeza, atenção, convite, intimidade e engajamento, o que resume a vida que somos chamados a viver em nome de Deus. Falando sobre perda, presença, convite, comunhão e missão, essa história abrange os cinco principais aspectos da celebração eucarística.O autor desenvolve nesta obra os cinco passos desse movimento do ressentimento para gratidão, de forma que se torne claro que o que celebramos e o que somos chamados a viver são essencialmente uma só e a mesma coisa. Contém 78 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …