Pular para o conteúdo principal

Superficialidade e quebrantamento

Vivemos dias na dinâmica eclesiástica de profunda superficialidade. As pessoas vêm para a igreja, sentam, participam da celebração. Cantam com entusiasmo e começam a ouvir a predica proferida pelo pastor. Às vezes, no meio do sermão, elas dão uma navegara nas redes sociais e está tudo bem! 
Só que começa a semana e parece que o sermão pregado não tem tanta importância, porque a superficialidade toma conta da vida. As pessoas mentem, realizam negócios desonestos, xingam seus cônjuges como se fossem lixos no mundo. As pessoas assim a superficialidade no jeito de tratar as demandas da vida. Passam no farol vermelho, tratam mal o próximo e vivem uma vida totalmente alheia ao Evangelho. 
Por que temos visto tantos escândalos e fatos tristes envolvendo aqueles que se dizem evangélicos? 
A resposta é uma só: superficialidade. A prática é separada do discurso. Temos um discurso que amamos a floresta, mas odiamos as árvores. Temos um discurso que somos corretos na vida. Mas, quando avaliam a nossa conduta, ela é cheia de falhas, imprudências e defeitos no caráter. Há uma falácia na igreja hoje por causa da superficialidade exagerada. E há um relativismo enorme no meio cristão.
Ontem ouvimos um sermão profundo do amigo teólogo e pastor, Augustus Nicodemos. Ele afirmou algo que está martelando na minha mente até agora: A vida de Cristo se manifesta nos vasos quebrados. Aqui nesse mundo levamos a morte de Cristo em nosso viver. A vida de Cristo nunca se manifestará em nós enquanto vivermos para nós mesmos.
Precisamos de um quebrantamento divino em nosso coração para vivermos o Evangelho de verdade. Precisamos de um quebrantamento divino para que a nossa palavra seja santa, honesta e para que sejamos perfeitos como a Bíblia diz em Mateus 5.48: Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste. Perfeitos não no sentido de não ter pecados ou falhas, mas no sentido de sermos inteiros em Cristo, completos em Cristo.
Que Cristo nos dê a graça de sermos livres da superficialidade e vivamos, respiremos Cristo em cada parte do nosso ser! (Alcindo Almeida)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …