Pular para o conteúdo principal

Leituras em janeiro de 2019



1. ZACHARIAS, Ravi. *Jesus entre outros deuses*. *Uma defesa da singularidade da fé cristã*. São Paulo: Vida Nova, 2018. Em Jesus entre outros deuses, o autor fornece respostas às dúvidas mais fundamentais sobre o cristianismo: Todas as religiões não são fundamentalmente a mesma coisa? Jesus era o que afirmou ser? É possível estudar a vida de Cristo e demonstrar de forma conclusiva que ele era e é o caminho, a verdade e a vida? Em cada capítulo, Ravi Zacharias analisa uma afirmação que Jesus fez acerca de si próprio (“Eu sou o caminho, a verdade e a vida”, por exemplo) e contrasta — de forma convincente e apaixonada — a verdade de Jesus com os axiomas defendidos pelos fundadores do islamismo, do hinduísmo e do budismo. Além de uma pesquisa ampla e impressionante, o autor compartilha nessa obra seu testemunho pessoal sobre como avançou do desespero e da falta de sentido para a descoberta de que Jesus é, de fato, quem ele disse ser. Contém 272 páginas.2. 

MOHLER, Albert. *Desejo e engano* *O verdadeiro preço da nova tolerância sexual*. São Paulo: Editora Fiel, 2016. Você está pronto para responder às mais relevantes questões da sexualidade hoje? A monogamia tem sido considerada antiquada. A pornografia se infiltra em quase todos os lares. A homossexualidade é aceita. A luxúria tem sido redefinida. A família é uma instituição questionada. Somos lembrados, todos os dias, de que os conceitos a respeito do que é certo e do que é errado na vida sexual são agora diferentes do que eram há cinquenta anos. Os princípios cristãos que formaram o padrão para gerações de famílias no Ocidente estão nitidamente ausentes. O que aconteceu? E por quê? Como podemos reagir a essa mudança dramática na perspectiva de nossa cultura sobre o sexo? Como um dos mais influentes pensadores modernos, o Dr. Albert Mohler aborda, em Desejo e Engano, esses temas críticos em um estilo inteligente e direto. Se você seguir a orientação do Dr. Mohler e aplicar as soluções bíblicas às questões mais preocupantes de nossos dias, você será não somente equipado, mas também inspirado a falar a verdade em uma sociedade faminta por respostas. Contém 144 páginas.

3. STOTT, John. *Como ser cristão – Um guia prático para a fé cristã*. Minas Gerais: Ultimato, 2016.  O que é a fé cristã e como desenvolvê-la em meio a tantas possibilidades religiosas e igrejas diferentes? Como ser cristão – um guia prático para a fé cristã não poderia ser escrito por ninguém a não ser John Stott. É um livro na medida certa para:
• Aqueles que foram aceitos por Jesus Cristo e querem saber como viver a fé cristã;
• Aqueles que estão se preparando para ser membros de uma igreja;
• Aqueles que são cristãos e querem resgatar as bases da fé cristã. 
Como ser cristão é uma espécie de mapa de navegação para os cristãos. Um mapa em que encontramos “o começo”, “em que creem” e “como vivem” os cristãos. E, melhor: todos os capítulos são acompanhados de um guia de estudo para uso individual ou em grupo. Contém 200 páginas.

4. SMITH, James K. A. *Desejando o Reino*: Culto, cosmovisão e formação cultural*. São Paulo: Vida Nova, 2018. Em Desejando o reino, o filósofo James K. A. Smith reformula todo o projeto da educação cristã focando o processo de aprendizado por meio da análise de três temas principais: liturgia, formação e desejo. Neste livro — o primeiro de uma trilogia que traz uma abrangente teologia da cultura —, ao mesmo tempo que o autor repensa a educação cristã como um processo formativo que reorienta nosso desejo em direção ao reino de Deus, defende a ideia de que a adoração cristã é, na realidade, uma prática pedagógica que treina nosso amor. Contém 240 páginas.

5. STOTT, John & Chris Wright. *A graça de contribuir: o dinheiro e o Evangelho*. São Paulo: Editora Vida, 2017. Em A graça de contribuir, John Stott leva você através dos ensinamentos do apóstolo Paulo sobre a contribuição financeira. Ele irá ajudá-lo a responder perguntas sobre quando contribuir, com o que contribuir e em que espírito. Esses 10 princípios de oferta cristã oferecem a você diretrizes sólidas enquanto você toma decisões sobre finanças. O dom da prestação de contas, de Chris Wright, incluído nesta obra, apresenta através de passagens bíblicas conhecidas questões sobre como deixamos os modelos bíblicos moldarem nossa abordagem sobre a responsabilidade financeira. Wright mostra que o apóstolo Paulo estabelece um padrão claro para a igreja, e os princípios são facilmente transferidos para qualquer tipo de organização ou instituição de caridade.  Contém 88 páginas.



6. KELLER, Timothy. *O Evangelho na vida*. *A graça de Deus transforma tudo*. São Paulo: Vida Nova, 2018. O evangelho na vida é um curso intensivo com oito encontros acerca do evangelho e sobre como vivê-lo — primeiro em seu coração, depois em sua comunidade e, por fim, no mundo.
1 CIDADE: O mundo em que vivemos
2 CORAÇÃO: Três modos de viver
3 IDOLATRIA: O pecado por trás do pecado
4 COMUNIDADE: O contexto para a mudança
5 TESTEMUNHO: Uma cidade alternativa
6 TRABALHO: Cultivando o jardim
7 JUSTIÇA: Um povo para os outros
8 ETERNIDADE: O mundo que virá 
Além de estudos bíblicos e perguntas para debate, esse livro traz um DVD com palestras do autor sobre o tema de cada capítulo e também seções (intituladas “Estudo Individual”) que consistem em uma série de leituras, citações e exercícios que ajudam o leitor a se preparar para o próximo encontro. Os líderes também encontrarão uma ampla seção de notas para ajudá-los a se preparar para conduzir os encontros. Contém 256 páginas.

7. MACARTHUR, John, *Fogo estranho*. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2013. Você pode discordar. Pode criticar. Só não pode deixar de ler. Sem dúvida, os evangélicos conquistaram uma visibilidade considerável nas últimas décadas. Pastores de diversas denominações decretam curas e milagres, proclamam bênçãos e libertação. No entanto, mesmo diante de tanta operação creditada ao Espírito de Deus, não faltam pessoas frustradas, carregadas de culpa e de mágoa. Quem questiona esse tipo de interpretação da obra do Espírito Santo vai encontrar neste livro uma fonte de argumentação. Nele, o aclamado teólogo John MacArthur aponta e discute o que considera desvios do movimento carismático. Com a maestria que o tornou um uma das maiores autoridades em Bíblia de nosso tempo, ele apresenta sua visão sobre a verdadeira reverência à terceira pessoa da Trindade e procura corrigir ensinamentos equivocados sobre o Espírito.  Contém 336 páginas.

8. MACARTHUR, John. *Escravo*. *A verdade escondida sobre nossa identidade em Cristo*. São Paulo: Editora Fiel, 2013. Em Escravo, John MacArthur traz à luz um elemento essencial da identidade do cristão, que ficou oculto a partir da tradução de muitas versões modernas da Bíblia. Neste livro, MacArthur resgata a correta tradução da palavra grega doulos, que é de grande importância para o bom entendimento do que é ser um cristão genuíno. Presente 124 vezes no texto original do NT, a palavra escravo (doulos), por motivos incertos, foi substituída por servo. Segundo MacArthur, essa tradução incorreta acobertou o verdadeiro significado do termo escravo e trouxe grande perda para o ensino correto do evangelho, o qual ordena que os crentes se submetam a Cristo completamente, não apenas como servos contratados, mas como quem pertence inteiramente a Ele. A partir desta correta compreensão, MacArthur convida o leitor a redescobrir uma antiga e rica perspectiva do significado de ser escravo de Cristo. Contém 240 páginas.

9. IDLEMAN, Kyle. *A graça é maior*. São Paulo: Editora Vida, 2018. Idleman nos conduz além das nossas manias para uma compreensão da graça maior do que nossos erros, nossas falhas, nosso desejo de vingança e nossas situações aparentemente impossíveis. Ao relatar poderosas histórias de graça experimentadas, este livro irá ajudá-lo a compreender verdadeiramente a graça de Deus, mesmo se os cristãos a sua volta não conseguiram vivê-la. Contém 204 páginas.

10. PETERSON. Eugene. *Um ano com Jesus*. Minas Gerais: Ultimato, 2015. Em Um Ano com Jesus, do conhecido pastor e escritor Eugene Peterson, autor da Bíblia A MENSAGEM, somos guiados a cada dia pelas histórias e palavras de Jesus nos evangelhos, em uma sequência de leitura, reflexão e oração ao longo dos 365 dias do ano. As leituras e meditações diárias aqui reunidas são como orações, um diálogo, uma verdadeira conversa com Jesus. E, para Eugene Peterson, a oração nunca é “apenas” oração, mas envolve todas as dimensões da vida – comer, beber, amar, trabalhar, andar, ler, cantar. Contém 400 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …