Pular para o conteúdo principal

Leituras em fevereiro 2018


1.MCCALL, Larry. Andando nos passos de Jesus. São Paulo: Fiel, 2009. De acordo com a Bíblia, você pode reconhecer um seguidor de Jesus Cristo por meio de dois fatores: a pessoa obedece às palavras de Jesus e segue os passos dEle? A pessoa anda como ele andou? (1 João 2.5-6). O autor focaliza de modo simples e brilhante os traços característicos que Jesus demonstrou quando esteve neste mundo. McCall afirma: Refletir o caráter de Jesus deveria ser o padrão de vida normal de todo cristão. Este livro é uma ajuda e esperança para aqueles que clamam: Senhor, muda-me! Torna-me cada vez mais semelhante a Jesus. Contém 172 páginas.

2.GRÜN, Anselm. Steindl-rast,David / A. Hediger,Markus. O depósito da nossa fé espiritualidade para o nosso tempo. Rio de Janeiro: Vozes, 2017. Nestas páginas são discutidas abertamente e com simplicidade as questões centrais da fé! Com grande sabedoria e com rico tesouro de suas experiências, Anselm Grün e David Steindl-Rast falam sobre questões-chaves da vida e da fé, com as quais todo homem e toda mulher se confrontam durante sua vida: De onde vim e para onde eu vou? O que acontece depois da morte? Quem é Deus? Por que está acontecendo todo esse sofrimento em nosso planeta? De onde vem o mal? Como vou ser feliz? Contém 208 páginas. 

3. GRÜN, Anselm. Palavras que nos sustentam. A sabedoria do credo. Rio de Janeiro: Vozes, 2017. Algumas pessoas, quando cantam ou recitam o Credo, sentem-se como que obrigadas a amarrar-se nessas palavras, abrindo mão da própria razão para acreditar nelas. Outras se questionam se é mesmo necessário expressar sua fé com essas frases. Pois, não basta crer no amor de Deus? Qual a razão dessas palavras e frases complicadas, que parecem provir de uma época muito diferente da nossa? A fé não é algo puramente pessoal? Faz sentido expressar-me usando palavras tão antigas? Nesta obra, Anselm Grün reflete o Credo levando a sério os questionamentos que as pessoas levantam sobre essa declaração de fé. O objetivo é apresentar o mundo das imagens do Credo às pessoas que buscam e querem crer, a fim de que possam ganhar uma visão totalmente nova de sua própria vida. Contém 136 páginas.

4. GRÜN, Anselm. Falar e silenciar. Por uma nova cultura do diálogo atencioso. Rio de Janeiro: Vozes, 2017. Este livro não oferecerá regras a serem seguidas quando falamos. E tampouco se trata de uma análise linguística, mas de uma proposta de percepção dos efeitos que nossa língua exerce sobre nossa vida e nossas interações. Desse modo, a partir de um contexto inicial sobre a língua e suas características, o autor propõe uma reflexão sobre aquilo que caracteriza um diálogo profundo e verdadeiro, e sobre a fala atenciosa utilizada como fonte de encontro com o outro e de entendimento de seu coração. Contém 160 páginas.

5. BAVINCK, Herman. Dogmática Reformada – Prolegômena. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2012. Dogmática Reformada foi o manancial da teologia Reformada nos últimos cem anos. É de longe a mais profunda e abrangente teologia sistemática Reformada do século 20. O leitor ficará maravilhado com a erudição de Bavinck, sua criatividade e equilíbrio. Bavinck é confessionalmente ortodoxo, mas reconhece a necessidade de colocar as tradicionais formulações das Escrituras no contexto das discussões contemporâneas. Contém 660 páginas. 

6. CAMPOS, Heber Carlos. Eu Sou - Volume 1Doutrina da Revelação Verbal. São Paulo: Editora Fiel, 2017. O professor Dr. Heber Carlos de Campos é um reconhecido teólogo sistemático e ministro presbiteriano que alia a erudição acadêmica, a ortodoxia bíblica e o coração pastoral e traz para si a monumental responsabilidade de produzir uma dogmática num tema de importância vital para a teologia e a igreja cristãs. Este primeiro volume foi divido em sete partes, que tratam dos seguintes temas: A revelação verbal e as outras partes dos prolegômenos. A revelação verbal como verdade de Deus. A doutrina da revelação verbal. A doutrina da inspiração verbalA doutrina da inerrância das Escrituras. A doutrina do cânon das Escrituras. A doutrina do testemunho interno do Espírito Santo. Esta é uma obra de referência que poderá ser usada por professores e alunos de teologia e por ministros e pastores interessados em aprofundar seu conhecimento bíblico-teológico acerca da doutrina da revelação verbal. Contém 432 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …