Valor precioso

O texto de 2 Samuel 18:3 diz: Respondeu, porém, o povo: Não sairás, porque, se formos obrigados a fugir, não se importarão conosco, nem ainda que metade de nós morra, pois tu vales por dez mil de nós. Melhor será que da cidade nos prestes socorro.
Meditando nesse texto, fiquei pensando sobre a marca desse homem segundo o coração de Deus. Ele está num momento de fragilidade no Reino. Esta fugindo do seu próprio filho, que desejava ocupar o lugar do seu pai no trono de Judá.
Vemos no texto que os homens de Davi estão ao seu lado. Ele coloca os capitães e resolve que irá na peleja com eles. E o povo imediatamente se coloca na frente e diz que se alguém morrer não tem problema, mesmo que a metade morresse não haveria problema. Mas, quanto ao rei, a fala é que ele valia por dez mil deles. Meu Deus! Que homem marcante é esse? Os homens de Davi poderiam dizer que ele era fraco por não resistir ao próprio filho! Mas, não dizem isso, ao contrario, dizem que Davi vale como dez mil deles. Eles querem a proteção do rei! Que gesto profundo! Que preocupação com o líder deles, que amor demonstrado por alguém que era especial na vida e história do povo de Deus.
Deus quer que olhemos para as pessoas dessa maneira. Deus quer que nos importemos com elas como esses liderados de Davi fizeram. Deus quer que valorizemos a sua criação assim. Acredito que algo está errado em nosso meio quanto a se importar com o outro. Porque vivemos para nós mesmos, nos preocupamos em investir somente em nós.
Vejam os homens que Davi investiu no passado, eles percebem o perigo de perder o líder deles, e dizem: Pois tu vales por dez mil de nós. A vida do líder deles era especial demais. Percebam que Deus fez isso conosco, ele nos achou especiais através do seu Filho que veio aqui e sofreu por nós e foi até a morte para nos trazer vida. Nós fomos protegidos e guardados em Deus através da morte e ressurreição de Jesus Cristo de Nazaré. O convite dele, é que cuidemos das pessoas e falemos para elas sobre este amor profundo e redentor de Cristo Jesus! (Alcindo Almeida).

Você também pode gostar

0 comentários