Suportando os fracos

Paulo disse em Col. 3.13: Suportai-vos uns aos outros e perdoai-vos mutuamente toda vez que tiverdes queixa contra alguém. Ele nos convida a viver de maneira séria com Deus no capítulo 3. O convite é que nos revistamos como eleitos de Deus. Ele usa a metáfora do despir que é trabalhado bastante no livro. A ideia é de uma revolução moral na vida, uma experiência que vem como fruto da regeneração, da nova natureza em nós. 
Ele deseja que os cristãos nesta nova vestimenta do Evangelho andem como santos, de coração compassivo, com benignidade, humildade e mansidão (Col. 3.12). Esta maneira de viver é suportando uns aos outros e perdoando toda vez que houver alguma queixa contra alguém. Paulo nos ensina em Efésios 4.27: Nem deis lugar ao diabo (difamador). Não deis ao diabo um ponto de apoio. Dar o lugar ao diabo é permitir que ele tenha oportunidade de agir em nossa vida. Devemos resistir ao diabo e não dar a ele qualquer lugar. Tiago no capítulo 4.7 diz que devemos nos sujeitar a Cristo e o diabo, nosso inimigo, fugirá de nós. Logo ser cristão é sair do estado de rebelião e vir para o de submissão a Cristo. 
A nossa conversão é para sermos submissos a Cristo o que nos leva a perdoar e suportar o nosso próximo diante de todas as situações da vida. Graças ao ato de Cristo na cruz o perdão de Deus nos cobre e Deus nos perdoa no seu Filho. O seu sacrifício possibilitou que sejamos restaurados e perdoados. Assim devemos perdoar aos que nos ofenderam, porque, graças ao ato de Cristo fomos perdoados e podemos perdoar. Então podemos orar: E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores (Mt 9.12). 
Devemos suportar os mais fracos e não agradar a nós mesmos e buscar a preservação da paz nos relacionamentos. Sei que não é fácil fazer isso, mas é o que devemos fazer sempre com todos os que estão ao nosso redor (Alcindo Almeida).

Você também pode gostar

0 comentários