Pular para o conteúdo principal

Leituras em junho de 2017


 WONDRACEK, Karin Maria Aparecida S. Brigido, Nilton E. Herbes, Thomas Heimann. Perdão: Onde saúde e espiritualidade se encontram. São Leopoldo RS: Editora Sinodal, 2016. O “perdão como caminhada espiritual” insere a rica dimensão do sagrado nessa discussão. Já o “perdão como encontro relacional” dialoga com o importante e elucidativo campo da psicologia. O “perdão como destino comunitário” é o ponto de chegada que finaliza nossa caminhada teórica, na perspectiva de que o perdão sempre precisa ser vivido coletiva e comunitariamente. Que esta leitura seja um tempo de escuta e diálogo, consigo mesmo e com os diferentes autores e autoras, resgatando memórias, contemplando outros saberes e desenvolvendo novos recursos para o mundo das relações. Perdão, tema atual, existencial em sua essência. Mas isso não o torna mais fácil de ser abordado. Afinal, o perdão nunca poderá ser tomado levianamente. É preciso caminhar junto a ele com sensibilidade, empatia, respeito, evitando juízos apressados, especialmente em relação a ciscos alheios. Contém 344 páginas.

FERNANDES, Elke Oliveira. Sonda-me. Como lidar com os conflitos da alma à luz da Palavra de Deus. Editora Esperança, 2016. Existem muitas pessoas em sofrimento à nossa volta e tantas vezes não percebemos. Talvez esteja acontecendo algo com você ou alguém de sua família que afete sua vida emocional e dificulte, inclusive, seus momentos de oração e busca de Deus. E pode ser que você ainda não tenha compartilhado com outras pessoas, seja por medo, vergonha, senti mento de culpa, ou até por pensamentos distorcidos, como “isso só acontece comigo”, “ninguém vai me entender” ou “acho que meu caso não tem jeito mesmo”. Enquanto lê este livro, você perceberá que a Palavra de Deus nos ensina sobre nossas emoções e pensamentos e nos dá direções claras sobre como lidar com as dores da alma. Precisamos estar atentos e disponíveis para essa caminhada de restauração, pois, algumas vezes, Deus nos solicita mudanças de postura ou tomadas de decisões e atitudes que temos adiado. Corpo e alma constituem o ser humano e estão intimamente relacionados entre si. Falar sobre cada uma dessas partes de maneira individualizada facilita o entendimento do processo de restauração e santificação. Contém 256 páginas.

KUYKENDALL, David. Da semelhança de Caim, à semelhança de Cristo. Londrina: Editora Ide, 2016. Nesta segunda discussão de uma série a respeito do tema da vitória cristã mediante a nossa unidade com Cristo, David Kuykendall apresenta o personagem veterotestamentário Caim – primeiro representante da raça humana a herdar a natureza pecaminosa – como ilustração notável do nosso “velho homem”. Ele revela claramente que podemos ser libertos das peculiaridades do caráter de Caim, para possuir as qualidades do caráter de Jesus Cristo. Nos primeiros capítulos, o autor escreve a respeito da possibilidade dessas mudanças, por causa da nossa união com Cristo. No entanto, a maior parte da obra é usada para discutir as qualidades específicas das mudanças da semelhança com Caim para a semelhança com Cristo. Alguns dos títulos dos capítulos são: Da Depressão para a Alegria; Da Autopiedade para a Paz; Da Ira Pecaminosa para a Paciência Divina; Do Ódio e da Malícia para o Perdão; Da Obstinação para a Complacência; Do Medo para a Fé; Da Ambição para a Mansidão. Desta forma, o autor nos mostra que, devido à nossa união com Cristo, todo crente pode ser transformado da semelhança de Caim à semelhança de Cristo. Contém 192 páginas.

BORDA, Pablo. Quebre o silêncio. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2016. Muitos jovens começam a consumir drogas por sentirem um profundo vazio em sua vida, o que provoca sentimentos de solidão, desesperança e falta de forças para enfrentar os conflitos próprios da idade e do processo de amadurecimento. Neste livro, Pablo Borda compartilha sua experiência e seu encontro com Jesus, que foi sua companhia e fortaleza para enfrentar esse vazio. Por meio de sua história de vida, o livro destaca a importância de o jovem ter um relacionamento com Jesus e mostra que o amor de Deus é a melhor companhia em todas as fases da vida. Contém 136 páginas.


ORTBERG, John. O Deus que abre portas. Como identificar e agarrar as melhores oportunidades.  São Paulo: Mundo Cristão, 2017. Permanecer estático e acomodado não é algo que o Deus da Bíblia costuma ordenar a seu povo. Pelo contrário, ele muitas vezes nos abre portas e nos convida a atravessá-las e caminhar rumo a algo novo e desconhecido. Saber reagir ao chamado é a diferença entre viver de acordo com a vontade de Deus ou recusá-la. Ele nos incentiva e nos encoraja a abraçar o desconhecido e a desfrutar as maravilhosas experiências que o Senhor deseja nos proporcionar, pois a porta que Deus abre ninguém é capaz de fechar. Siga em frente, atravesse essa porta e experimente oportunidades que terão repercussões eternas A porta aberta é a grande aventura da vida, pois significa a possibilidade de ser um instrumento na mão de Deus. Mais que isso. Significa abandonar a mesmice, renovar o pensamento, dar significado à vida e responder positivamente ao chamado de Deus. Descubra e surpreenda-se com os cuidados de Deus com você. Aproveite as oportunidades que ele lhe concede de fazer a vida valer a pena. Contém 281 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …