Pular para o conteúdo principal

Leituras em maio de 2017



1. GROESCHEL, Craig #Naluta. São Paulo: Editora Vida, 2017. Neste livro atual e transformador, Craig encoraja os leitores que anseiam reassumir o controle de suas vidas e colocar Jesus em primeiro lugar novamente. Ele traça valores bíblicos que todos os seguidores de Cristo sabem que são essenciais, e ainda mais importantes para nosso mundo exaurido e centrado em si mesmo. Quanto mais você faz comparação, menos satisfeito fica. Quanto mais interagimos online, mais sentimos falta de uma intimidade face a face, mas o pior ainda está para ser descoberto. Quanto mais filtradas nossas vidas se tornam, mais desafiador fica ser autêntico. Quanto mais expostos à dor do mundo, mais difícil é cuidar. Contém 272 páginas.

2. REDMAN, Beth & Matt. Encontrando Deus no tempo da dificuldade. São Paulo: Editora Vida, 2016. Aprenda a resistir às tempestades da vida com o clamor de “Bendito seja o teu nome” nos lábios. No livro, Matt e Beth apresentam sua experiência de oferecer louvor mesmo quando se enfrenta dificuldade e dor. Sob a ótica dos salmos, revelam como circunstâncias difíceis ou trágicas e as escolhas que você faz podem levá-lo a Deus ou para longe dele. Ao final de cada capítulo, você encontrará perguntas para reflexão pessoal ou estudo em pequenos grupos. O hino de Matt e Beth Bendito seja o teu nome é uma dádiva para a Igreja; ele nos apresenta palavras cheias de fé para declararmos quando parecer que a vida desmoronou ao nosso redor [...]. Eles descrevem alguns dos sofrimentos pelos quais passaram e compartilham as Escrituras que Deus usou para consolá-los. A que Deus compassivo e poderoso nós servimos! Contém 109 páginas.

3. ABUCHAIM, Antonio. Importa renascer. Londrina: Editora Ide, 2015. O Senhor disse: Pelos frutos os conhecereis. Eis porque conhecemos em todas as denominações evangélicas membros, professores, diáconos, presbíteros. pregadores, líderes, pastores, bispos, missionários e teólogos que nunca nasceram de novo. E ao invés de criticá-los, o Espírito Santo deu-me um grande senso de amor por eles, intercedendo, e agora escrevendo este livro como um grito de alarme para que se libertem dessa "geração perversa" e vida infrutífera, sem glória para Deus, e acima de tudo, não desçam ao túmulo sem a certeza do novo nascimento, porque Jesus disse a verdade: Se alguém não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Contém 80 páginas.

4. PARANAGUÁ, Glenio Fonseca. O Espírito da Cruz. Londrina: Editora Ide, 2017. O humano é o húmus soprado pelo folego de Deus. É o pó, como homem, a fim de viver de viver em relacionamento com o Deus criador. Mas esse homem caiu em tentação, querendo ser como Deus, tornou-se uma pessoa soberba e cheia de si mesmo. O Espírito da Cruz é uma coletânea das “Migalhas que caem na mesa”, alguns artigos do autor, buscando demonstrar o poder da cruz, ao desconstruir esse humanismo arrogante. Contém 63 páginas.
5. PARANAGUÁ, Glenio Fonseca. A soberana vontade de Deus. Londrina: Editora Ide, 2017. Nascemos todos neste mundo caído, escravos do pecado, incapazes de querer nos relacionar com Deus. A nossa vontade não tem qualquer vontade por Deus. Somente pela Vontade de Deus é que nossa vontade será despertada para querê-lo, em nossa existência neste mundo. Este livreto é uma coletânea de sete estudos ministrados para apresentar de forma repetitiva a doutrina substancial da soberana Vontade de Deus, convertendo a nossa vontade à Sua. Espero que esta pequena obra de didática primária, possa servir como um instrumento da graça em favor do povo de Deus. Contém 74 páginas.

6. BEEKE, Joel. Amigos e amantes: como cultivar a amizade e a intimidade no casamento. São Paulo: Vida Nova, 2012. Este pequeno livro não é um manual exaustivo sobre casamento nem faz um estudo profundo sobre seu significado teológico. Em vez disso, ele se concentra em dois ingredientes-chave para um casamento sólido: a amizade e a intimidade sexual. Tomando como base a sabedoria bíblica, especialmente o livro de Provérbios, espero ajudá-los a se aproximarem de seu cônjuge tanto emocionalmente quanto fisicamente. Que o Espírito de Deus sopre sobre o seu casamento, através da Palavra de Cristo, para que as brasas latentes do amor mais uma vez irrompam em chamas, e o fogo do amor seja reabastecido para produzir casamentos que resplandeçam com amor para a glória de Deus! Contém 110 páginas.
7. NGIEN, Dennis. Lutero como conselheiro espiritual. São Paulo: Vida Nova, 2017. Como conselheiro espiritual, Lutero ensinou, por meio de seus escritos, a meditar corretamente sobre a Paixão de Cristo, a preparar-se para enfrentar o horror da morte, a aconselhar os enfermos, a tratar corretamente do sacramento do altar, a orar da forma correta, a extrair benefícios da Oração do Senhor e a viver uma vida de discipulado sob a cruz. Seus escritos têm formato e propósito devocional e catequético, mas estão repletos de substância teológica, fruto de rigorosas reflexões. Refletem a vocação fundamental de Lutero como pastor-teólogo e são exemplos concretos da interface entre teologia e piedade. Contém 256 páginas.

8. MENDONÇA, José Tolentino. Pai nosso que estais na terra. São Paulo: Paulinas, 2013. Com este livro, José Tolentino Mendonça enfrenta um desafio corajoso e difícil: dirigir-se a crentes e a não crentes com as palavras do Pai-Nosso, a oração cristã por excelência, a que Tertuliano chamava "compêndio do Evangelho". O Autor capta no Pai-Nosso uma luz para o humano enquanto tal, uma direção para o seu caminho, enquanto ser humano, ainda antes das suas crenças e das suas pertenças confessionais. A ideia que torna possível semelhante propósito é a de que esta oração exprime de tal modo a humanidade do homem que cada ser humano pode encontrar-se representado no Pai-Nosso. Nesta vontade de dirigir-se também aos não crentes há a madura convicção de que Jesus é "mestre de humanidade", de que o humano é espelho do divino, de que o ser humano é imagem de Deus e de que tudo o que é humano diz respeito ao próprio Deus.  Esta abertura ao outro - e também àquele que não pode, ou não consegue, ou não quer crer - produz um efeito de essencialidade e de simplicidade no olhar do autor, cuja visão da vida e da fé cristã emerge amplamente deste livro. Contém 110 páginas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …