Leituras em dezembro de 2016


1.  CHAPMAN, Gary. O amor como estilo de vida. São Paulo: Mundo Cristão, 2014. Gary nos apresenta as sete características das pessoas capazes de amar: gentileza, paciência, capacidade de perdoar, cortesia, humildade, generosidade e honestidade. Ele mostra como desenvolver cada um desses traços, que promovem companheirismo, cumplicidade e alegria, até que se incorporem à nossa personalidade e se tornem um estilo de vida. Pequenas mudanças de atitude podem tornar os relacionamentos mais gratificantes e contribuir para um mundo melhor. Descubra o poder de amar o próximo, supere emoções negativas e alcance a satisfação em todas as áreas da vida. Contém 255 páginas.

2.  GRÜN, Anselm. Oração e autoconhecimento. Rio de Janeiro: Vozes, 2011. O livro mostra a oração como uma fonte de autoconhecimento. O autor considera a atitude de falar com Deus e voltar o coração para Deus impele quem ora a voltar-se para si mesmo e ocupar-se em primeiro lugar com o próprio coração. Contém 80 páginas.

3.  SANDE, Ken. O pacificador – como solucionar conflitos. Rio de Janeiro: CPAD, 2011. Quem são os pacificadores? Quais suas características? Os pacificadores são pessoas que inspiram graça. Eles recorrem, continuamente, à bondade e ao poder de Jesus Cristo, e então trazem o seu amor, misericórdia, perdão, força e sabedoria aos conflitos da vida diária. Deus se alegra em inspirar a Sua graça por meio dos pacificadores, e usa-os para dissipar a ira, aprimorar o entendimento, promover justiça, e encorajar o arrependimento a reconciliação. Contém 334 páginas.

4. ALVES, Ruben. Por uma teologia da libertação. São Paulo: Fonte Editorial, 2012. Ruben Alves entende que o homem tem uma visão de Deus ofuscada por ser humana. Ele não consegue fazer uma leitura real e profunda, porque ele 'e limitada em si mesma. Como diz o colega teólogo Carlos Caldas: "A linguagem racional moderna, seja liberal ou fundamentalista, não dá conta de falar de Deus. É por isso que eu digo que Ruben Alves não era nem liberal e nem fundamentalista, porque liberalismo e fundamentalismo são ambos filhos da modernidade racionalista, que o RA percebeu ser incapaz de falar de Deus". Confesso que fiquei fascinado com a leitura do livro. Contém 319 páginas.

5.   STEINHARDT, Nicolae. O diário da felicidade. São Paulo: É Realizações, 2009. 'O Diário da Felicidade', do monge ortodoxo romeno Nicolae Steinhardt, reúne vários gêneros literários. O momento central do livro é a conversão de Steinhardt, judeu de nascimento, ao cristianismo ortodoxo, através do batismo, realizado numa cela fétida e em condições precárias das muitas prisões que o regime comunista impõe aos que com ele não concordam. Desse momento central, em flashes que vão ora para o futuro, ora para o passado, o autor faz retratos psicológicos de pessoas, interpreta passagens bíblicas, analisa trechos da literatura ocidental, passa em revista as condições para ser cristão, concluindo que a principal delas é a coragem, mostra as consequências físicas e morais das ações que o comunismo cometeu. Contém 533 páginas.

6.   EMLET, Michael. Conversa cruzada. São Paulo: Cultura Cristã, 2015. Este livro pode ajudá-lo a ler a Bíblia e a “ler” as pessoas de maneira a promover o uso da Escritura centrado no evangelho e pessoalmente relevante na ministração a outros. Ele descreve uma maneira de usar as Escrituras para ajudar as pessoas a crescerem mais plenamente no amor a Deus e aos outros em meio às complexidades enfrentadas por elas na vida diária. Contém 192 páginas.


Comentários

Postagens mais visitadas