Leituras em junho de 2016


1. PAGOLA, José. Grupos de Jesus. Rio de Janeiro: Vozes, 2016. A proposta desta obra de José A. Pagola é fomentar nas paróquias a criação de Grupos de Jesus, pequenos grupos cristãos que se reúnam para ler, refletir e meditar o Evangelho, e extrair desses encontros a seiva espiritual para alimentar sua vida comunitária e sua fé. O autor mostra como se podem organizar, quais são os passos, as etapas, os cuidados e as orientações necessárias para que funcionem bem e tragam crescimento na vivência comunitária. 

2. ANDRUEJOL, Howard. Não morda a isca. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, 2014. A adolescência chega e com ela as tentações da pornografia. O livro através de pequenas histórias, exemplos e citações bíblicas, ajudará a combatê-la e a deixar livre de suas garras. 

3. Bauman, Zygmunt. Amor Líquido. Sobre a fragilidade dos laços humanos. São Paulo: Zahar, 2004. A modernidade líquida – um mundo repleto de sinais confusos, propenso a mudar com rapidez e de forma imprevisível – em que vivemos traz consigo uma misteriosa fragilidade dos laços humanos, um amor líquido. Zygmunt Bauman, um dos mais originais e perspicazes sociólogos em atividade, investiga nesse livro de que forma nossas relações tornam-se cada vez mais “flexíveis”, gerando níveis de insegurança sempre maiores. A prioridade a relacionamentos em “redes”, as quais podem ser tecidas ou desmanchadas com igual facilidade – e frequentemente sem que isso envolva nenhum contato além do virtual –, faz com que não saibamos mais manter laços a longo prazo. Com sua usual percepção fina e apurada, Bauman busca esclarecer, registrar e apreender de que forma o homem sem vínculos — figura central dos tempos modernos — se conecta.  

4. HOPKINS, Evan H. A lei da liberdade na vida espiritual. Londrina: Editora IDE, 2014. A verdadeira liberdade que experimentaremos, a liberdade do espírito que não se sujeita mais às correntes do pecado, só é nos dada pela Graça de Cristo, que consumou a redenção na morte na cruz. Jesus Cristo é o único que restaura nossas vidas, e estar nele significa estar junto do Pai, justificado, sem acusação que pesa e coloca o coração em fardos impossíveis de carregar. É sobre isto que irá enfocar este livro: a importância de uma vida espiritual em liberdade; ou ainda, sobre a vida espiritual que é livre quando encontra a Cristo, seus capítulos irão ser de grade valia para o leitor conhecer a natureza da alma aprisionada no pecado, e vida e a liberdade que temos no Espírito Santo, o processo de santificação, a morte de Cristo, a vigilância necessária, conflitos que são inevitáveis e outros. 

5. SWINDOLL, Charles. Abraão. Um homem obediente e destemido. São Paulo: Mundo Cristão, 2016. Abraão é reverenciado pela maioria dos habitantes do mundo como o “pai da fé”. Sua história está preservada em Gênesis, e ela nos fala muito daquilo que precisamos saber sobre fé. Embora cada pessoa tenha uma jornada de fé única, Abraão abriu uma trilha para o restante de nós; a jornada de Abraão nos fala sobre nossa própria jornada. Sua biografia tem muito a ensinar a qualquer pessoa — até mesmo a um ateu — que queira conhecer o único e verdadeiro Criador. 

Comentários

Postagens mais visitadas