Pular para o conteúdo principal

Leituras em maio de 2016


1.    PAGÁN, Samuel. Jesus de Nazaré. São Paulo: Editora Hagnos, 2015. O objetivo é escrever uma introdução à vida de Jesus de Nazaré, o qual, logo depois de sua morte, tornou-se o indiscutível fundador de um movimento religioso singular, cujas implicações, repercussões e valores chegaram até o século XXI com dignidade e força. Estudarei fontes bíblicas e não bíblicas, documentos cristãos e não cristãos, descobertas arqueológicas e novas concepções linguísticas e antropológicas capazes de lançar luz sobre a compreensão dessa singular personagem histórica, cujos ensinamentos e mensagem, mesmo depois de dois mil anos, podem produzir reações intensas, apaixonadas, firmes e fortes. Contém 240 páginas.

2.    LEYS, Lucas. Não seja um dinossauro. Guia de sobrevivência espiritual. São Paulo: Editora: Sociedade Bíblica do Brasil, 2014. Conforme crescemos temos que nos adaptar as mudanças que esse crescimento impõe. Faz parte da vida, porém, nessa fase, o jovem precisa de orientação e do direcionamento para que se torne um adulto maduro e saudável espiritualmente. De uma forma bem humorada o livro Não seja um dinossauro, é um verdadeiro guia de sobrevivência espiritual para os adolescentes, abordando assuntos que os ajudarão a terem uma boa formação, de acordo com a realidade em que vivem. Em formato compacto, com ilustrações divertidas e um texto com linguagem atual, guiará o jovem leitor nesse momento de amadurecimento. Contém 106 páginas.

3.    QUEIROZ, Sérgio. Gloriosas ruínas. O caminho bíblico para a restauração. São Paulo: Mundo Cristão, 2015. Um livro para quem está sedento por uma mensagem reconfortante e não menos desafiadora. Ele foi escrito para pessoas que desejam restaurar qualquer aspecto de sua vida que se encontre em ruínas. Com carinho pastoral, sua marca distintiva, Sérgio Queiroz revisita a experiência de Neemias, um simples assistente do rei da Pérsia que assumiu para si a tarefa de reconstruir os muros de Jerusalém e restaurar a dignidade do povo judeu após décadas de exílio na Babilônia. O texto comovente de Sérgio revela-se um guia seguro e gratificante em processos de restauração pessoal, relacional ou social. Contém 173 páginas.

4.    JÚNIOR, Nelson. Eu escolhi esperar. São Paulo: Mundo Cristão, 2015. Numa época em que o relógio parece avançar cada vez mais rápido e em que ninguém tem tempo a perder, escolher esperar pode parecer um contrassenso. Afinal, nada mais recorrente do que a mensagem do sexo sem compromisso, do prazer a qualquer custo e das relações passageiras. Que bom reconhecer que nem todo mundo pensa assim. De fato, milhões de jovens no Brasil, influenciados pela mensagem altamente criativa e não menos contundente do pr. Nelson Junior, decidiram reavaliar suas prioridades e valorizar os bons relacionamentos e a saúde emocional, reconhecendo que o celibato pode ser um caminho viável e prazeroso na busca pelo casamento que valorize ambos e projete uma convivência duradoura, em amor. Contém 160 páginas.

5.    DUQUE, Edson. A vida da alma é a alma da vida. São Paulo: Editora Z3, 2015. O objetivo deste livro é enfatizar que a alma, e não o “eu”, é o cerne da identidade do ser humano. Somente a alma pode suportar o peso da existência. O autor explica o que é a alma a partir do seu papel na vida e argumenta que ela precisa receber de uma Fonte externa aquilo que necessita para fazer a vida acontecer de forma saudável. Ele descreve também, como o desejo se relaciona com a alma. Sem desejo a alma não vive, mas também, a realização dos desejos pode significar a ruína da alma. Aborda a pressa como um mal social e espiritual que adoece a alma e esclarece como a vida pode ser mantida no ritmo de Jesus que sempre esteve ocupado, mas nunca apressado. Estabelece uma conexão entre gratidão, celebração e contentamento, que são as formas por meio das quais, Deus injeta o bem na alma. Contém 159 páginas.


6.    BONGIORNO, Walter. GPS – Encontre a sua vocação. São Paulo: Editora SBB, 2014. A adolescência é uma fase de questionamentos e dúvidas. Quando precisam tomar uma decisão sempre ficam em dúvida de qual caminho devem seguir. Quando é chegada a hora de saber e escolher uma vocação não é diferente. Que bom seria ter um GPS para encontrar a vocação certa, assim, só precisariam seguir o caminho que já foi traçado para eles. Mas será que Deus programou e projetou um GPS para a nossa vida? Onde se consegue um desses? Descubra o que fazer para encontrá-lo no livro GPS – Encontre sua vocação. Em formato compacto, com ilustrações divertidas e um texto com linguagem atual, ajudará o jovem leitor nesse momento de escolhas. Contém 120 páginas. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …