Pular para o conteúdo principal

Nancy Hanks - (Mãe de Abraham Lincoln)


Lincoln tinha somen­te nove anos quan­do sua mãe mor­reu, e eles ama­vam-se muito e ela não teve o privilégio de ver no que seu filho se tornou. Ele foi criado na fazenda e desde cedo sua mãe o motivou a estudar, mas não teve oportunidade tão cedo. Sua mãe com uma vida difícil como costureira em Kentucky, era contratada para fazer roupas para casamentos e funerais. Ela se tronou conhecida por causa da sua ética profissional, inteligência, alegria e organização. E também foi conhecida por ser religiosa.
Ela se casou com Thomas Lincoln e um ano depois nasceu a filha Sarah e em 12 de fevereiro de 1809, nasceu o menino saudável que foi colocado numa cama improvisada feita de madeira de palha de milho. Ele recebeu o nome do avô paterno: Abraham Lincoln. Em 1811, os Lincolns se mudaram para uma nova fazenda, cerca de 16 Km da antiga. Enquanto sua mãe e Sarah ficavam em um acampamento temporário, seu pai e ele,  era a visão dada ao mundo sobre este país e outra a realidade vivida pelo mesmo.
Depois de algum tempo a família se mudou para o Estado de Indiana, mais ao sul. Lá sem cessar Nancy criou os filhos lendo a Bíblia para eles. E sempre com a esperança no coração de que seus filhos tivessem oportunidade na vida que eles não tiveram.
No ano de 1818 uma tragédia acometeu a família, a febre de leite atacou a cidade de Little Pigeon Creek, onde eles moravam. Nancy ficou doente durante uma semana e lutou muito para melhorar, mas percebeu que não sobreviveria. Antes de morrer chamou os filhos pediu que fossem bons com seu pai, com os outros e com o mundo. O garoto preparou o caixão junto com seu pai.
A fala de Lincoln sobre a sua mãe foi: Lembro-me das orações de minha mãe, e elas sempre me acompanharam. Carreguei essas orações por toda minha vida.
Sua madrasta Sara Bush Lincoln percebendo sua inteligência e ambição o inspirou na educação e crescimento na vida. Ela dizia que Abe lia todos os livros que chagavam em suas mãos. Mesmo sem saber ler direito, ele devorava os livros. Ele ficava lendo tanto que um homem certa vez disse: Abe era preguiçoso, ele trabalhava para mim e só lia livros e pensava. Eu ficava furioso com ele.
Esse moço foi em frente na vida e começou a carreira politica, e depois de muita luta, foi eleito presidente dos EUA em 1864 e nunca se esqueceu de Nancy e de Sarah. E com Sarah foi visitar o tumulo de seu pai que morreu em 1851.
Lincoln teve vida dura, mas nunca desistiu da sua jornada. Em 1832 ele perdeu a desejada eleição para um cargo publico. Em 1849 perdeu a nomeação para comissário em Illinois, perdeu duas eleições para o Senado, perdeu a nomeação para concorrer à vice-presidente e em 64 parecia que perderia a eleição para a presidência. Esse moço aprendeu muito sobre persistência com sua mãe. Ele aprendeu sozinho matemática, literatura clássica e desenvolveu seu próprio estilo de escrita. A sua fala era: estudarei e me prepararei. Ele se tornou advogado e quando seus clientes davam dinheiro a mais, ele devolvia. Ele passou a ser chamado de “Abe honesto”.
Como deputado estadual Lincoln assumiu a posição contra a escravidão e foi contra a maioria que era a favor da escravidão. E na Guerra Civil ele se manteve calmo e um general perguntou a ele porque tanta calma, ele respondeu: Passei a noite inteira em oração diante do Senhor. E ele me mostrou que a nação será preservada. O seu discurso de Gettysburg é um dos mais excelentes pronunciamentos políticos na história americana. Na mesma noite, Lincoln foi morto com um tiro enquanto assistia a um espetáculo no Teatro de Ford, em Washington.   
Vejam como o ensino das Escrituras fica na mente e coração dos filhos. Lembrem-se que mostrar o Evan­ge­lho como a bús­so­la para a vida é o mais preciso para a vida.  O Evan­ge­lho é o tesouro verdadei­ro para os nossos filhos. Lincoln foi dirigido na vida pela Palavra de Deus. Ele fez das orações e ensino de sua mãe através da Palavra, o referencial para sua vida. Ele é tido como um dos maiores presidentes que os americanos já tiveram. Mães, avós e pais ensinem os filhos as verdades divinas porque elas se tornarão um memorial no coração deles.
_____________

Alcindo Almeida: membro da equipe pastoral da Igreja Presbiteriana da Alphaville em São Paulo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …