A ansiedade tóxica

“Não andem ansiosos por coisa alguma, mas em tudo, pela oração e súplicas, com ação de graças, apresentem seus pedidos a Deus” (Filipenses 4.6).

Bernardo Stamateas diz que a ansiedade é a emoção que aparece quando você sente que se aproxima uma ameaça, quando visualiza o futuro de maneira negativa e, em consequência, tenta se preparar para enfrentá-lo. A ansiedade se apoderará primeiro de nossa mente e depois do nosso corpo. Por exemplo, antes de um exame, começamos a ficar inquietos, e depois aparecem as famosas dores de cabeça, o mal-estar no estômago, o suor etc [1].
A ansiedade como reação normal nos permite enfrentar uma pressão externa e se apresenta acompanhada por aqueles temores que todos temos e que nos preservam frente a uma ameaça ou um perigo. Por exemplo, se uma prova se aproxima, a ansiedade pode nos colocar em alerta para nos prepararmos melhor [2].
Alguém excessivamente ansioso vê cada situação nova, cada mudança, cada desafio que precisa viver como uma tortura, e experimenta um grande sofrimento interior. A ansiedade crônica é tóxica. O problema aparece quando a ansiedade se converte em temor excessivo e irracional de situações que enfrentamos diariamente. Então, isso passa a ser uma emoção tóxica. Essa emoção pode levar ao desânimo, à tristeza e até à depressão ou, em outro extremo, a viver completamente acelerado. Em qualquer um dos casos, a expectativa será que outras pessoas sigam esse ritmo, o que gera, por sua vez, problemas interpessoais.
A ansiedade é um estado emocional tóxico que faz com que uma pessoa se sinta inquieta ou temerosa. Quando se espera algo com muita ansiedade, é fácil desanimar e sentir que nada tem sentido ou vale a pena. Com essa emoção à flor da pele, custará muito mais chegar às metas que propusermos. A ansiedade não só nos impede de experimentar emoções positivas, como alegria ou amor, como também não permite que desfrutemos a vida ao máximo.
Quando você é uma pessoa muito ansiosa, não só sua mente e suas emoções ficam afetadas, mas também seu corpo. Talvez estejam girando em sua cabeça decisões que precisa tomar, escolhas que precisa fazer, palavras que terá de dizer ou talvez tenha decidido não falar e esperar. Talvez esteja fugindo de situações ou de pessoas que, na verdade, sabe que precisa enfrentar. Nosso corpo tem consciência de tudo isso, ainda que tentemos negar ou queiramos ocultar a verdade. Quando estamos ansiosos, procuramos por todos os meios acalmar essa emoção tóxica e recorremos a coisas como comida ou trabalho em excesso ou, o que é pior, à automedicação.
Com o tempo, se a ansiedade não for tratada de maneira adequada, pode afetar seriamente a saúde e levar ao que se conhece como transtornos de ansiedade. Tais transtornos incluem pânico, obsessão-compulsiva e diferentes tipos de fobias.
Charles Spurgeon, um dos grandes pastores da Igreja Batista de Londres disse: “A ansiedade não esgota as angústias do amanhã; só esgota as forças de hoje.” Pensar continuamente no futuro, preocupar-se e desenvolver uma imaginação excessiva a respeito do que pode vir a acontecer — e que, em geral, nunca acontece —, tentar se antecipar, ao amanhã, é realmente cansativo. Nossa mente precisa de descanso, ela precisa relaxar e não deixar que a ansiedade tenha controle [3].
A grande verdade é que em todas as áreas da vida, se elas não são resolvidas já temos ansiedade no coração. O que significa ficar ansioso?
Significa ficar indevidamente preocupado. É sofrer antes do tempo, é ficar angustiado. Ansiedade é um estrangulamento. É entrar em apatia. É não acreditar que Deus está no controle de todas as áreas da vida. Talvez alguns não gostem, mas, ansiedade é ser incrédulo diante de Deus. Porque é o fato de não entregarmos tudo de maneira confiante para ele e descansar sempre nele.
O grande teólogo da Bíblia Sagrada, o apóstolo Paulo recomenda este segredo para todas as coisas. Ele ensina radicalmente a ter distância da ansiedade quanto ao namoro, ao casamento, a situação financeira, ao emprego, ao escritório, aos filhos, ao marido e também a esposa.
Paulo ensina ter distância da ansiedade quanto aos acontecimentos alegres e tristes. Quando começamos a falar em matéria de fé, a ansiedade não pode fazer parte do processo. Quando falamos em ansiedade não podemos trabalhar com o que chamamos de fé.
Finalizo a reflexão deixando algumas dicas para a vida.        

ü    Fujamos da ansiedade no coração e aprendamos a entregar tudo para Deus:

Algo que precisamos detectar é qual a fonte da nossa ansiedade. Precisamos refletir sobre tudo o que tira nossa paz e gera a chamada ansiedade. Detectemos esse ponto que atrapalha a nossa caminhada.
 Aprendamos a realidade profunda dos Salmos 37 e 131. Estes textos nos ensinam a vencer a ansiedade esperando em Deus, confiando e entregando tudo para ele. O Salmo 131 nos ensina a viver como a criança diante de sua mãe quando descansa no seu colo e dorme em paz.

ü    Confiemos em Deus a cada dia da vida:

Há uma frase preciosa de Muhammad Ali: Não conte os dias, faça com que os dias contem.
Devemos adotar pautas na jornada para que desfrutemos a vida com plenitude e calma. Quando confiamos em Deus para todos os aspectos da vida reduzimos a ansiedade em nosso coração. O escritor Pedro diz assim: Vivam livres de preocupação na presença de Deus: ele toma conta de vocês. 
Desenvolvamos a nossa fé confiando em Deus sempre, e saibamos da verdade que o oposto do temor é a fé. A fé nos ajuda a vencer todos os dias a ansiedade no coração. O poeta dos Salmos diz: Em me vindo o temor hei de confiar em ti (Salmo 56.3). 
Que a graça do Eterno Deus seja sobre nós em todo o tempo!

___________
Pr. Alcindo Almeida – membro da equipe pastoral em Alphaville.




[1] STAMATEAS, Bernardo. Emoções tóxicas. Como se livrar dos sentimentos que fazem mal a você. Rio de Janeiro: Thomas Nelson, 2010, p. 11.
[2] STAMATEAS, Bernardo, 11.
[3] STAMATEAS, p.15.

Comentários

Postagens mais visitadas