O santuário do coração

(Texto: I Samuel 22.14)
Eugene Peterson diz que o santuário como o nome indica, é um lugar santo. Na época de Davi, o sacerdote Aimeleque, tinha por dever mantê-lo assim. Santo é uma palavra que usamos para designar a grandeza, pureza e beleza do nosso Deus. Deus é santo. Não podemos compreender Deus a partir da nossa experiência humana, magnificando e projetando o que há de melhor em nós ou o que imaginemos e então chamá-lo de Deus.
Sabemos que nessa altura, Saul procura negar e destruir tudo aquilo que faz de Davi quem ele é, tudo o que constituía sua própria humanidade, tudo aquilo que, em retrospectiva, chamaríamos de cristão. Ele quer matar Davi e quando se encontra com o sacerdote Aimeleque, espera que ele denuncie Davi. Só que não é o que acontece. A fala dele é: Aimeleque respondeu ao rei: Quem dentre todos os teus oficiais é tão leal quanto Davi, o genro do rei, capitão de sua guarda pessoal e altamente respeitado em sua casa?
Doegue, oportunista político até a alma, viu aí a sua chance de obter os favores do rei e não a desperdiçou: contou logo o que havia visto em Nobe, a busca de Davi por ajuda e a forma como Aimeleque o ajudara. Saul entrou em ação: mandou chamar Aimeleque e todos os seus sacerdotes auxiliares em Nobe - cerca de 85 - e os acusou de conspirarem contra ele com Davi. Eles protestaram, alegando inocência, o que era verdade. Mas, Saul ignorou sua defesa e ordenou que os executassem. Ninguém dos soldados de Saul quis cumprir a ordem de matar os sacerdotes. Eram bastante leais ao seu rei para, nesse caso, desobedecê-lo. Sabiam que uma ordem humana, mesmo dada por seu rei ungido, não poderia de modo algum usurpar o mandamento de Deus.
Olhando para os dois personagens Aimeleque e Doegue vemos a percepção de cada um sobre o santuário. Para Doegue que era esse oportunista político. Ele é o homem que mata os sacerdotes de Deus. O santuário para ele é uma oportunidade de crescimento humano, nada de Deus, nada de respeito ou interesse pela espiritualidade. Enquanto, Aimeleque é sacerdote que tem o santuário como algo para abençoar a vida, para olhar Deus, ver sua graça e bondade. Mesmo correndo risco de morte, ela olha para Davi como homem de Deus e não como inimigo de Saul. Ele salva a vida de Davi porque tem graça no santuário.
Acredito que Deus quer que toda vez que entramos no santuário nos tornemos conscientes da presença de um Deus santo e saiamos de lá melhores. Saiamos mais graciosos e humanos. Saiamos pensando no Reino, na graça na vida e na bondade divina.

Pr. Alcindo Almeida

Comentários

Postagens mais visitadas