Pular para o conteúdo principal

Estudo 18

A mulher de Endor: uma postura insensata
(Samuel 28.3.25)

ü  Avaliando o texto
     
Os espíritas apelam para o trecho de I Samuel 28 para dar apoio às suas convicções de que é possível consultar os mortos. E sendo parte de um trecho da Bíblia tal prática seria obviamente apoiada por Deus. Muitos cristãos fundamentalistas defendem que realmente foi o profeta Samuel que apareceu à feiticeira argumentando que as Escrituras se referem por cinco vezes a Samuel, que aquilo que foi predito pela feiticeira se cumpriu e que a médium ficou aterrorizada, significando que Deus, de forma sobrenatural, interviu na sessão fazendo uma concessão para que o profeta Samuel realmente aparecesse à feiticeira.
O trecho referido mais fortemente enfatizado é: Samuel disse a Saul isso - no versículo 15. Esta ênfase é dada por aqueles que dizem que, se não fosse realmente Samuel aquele espírito que apareceu à feiticeira, a Bíblia teria mentido e ficaria assim comprovado que as Sagradas Escrituras não são de fato a Palavra de Deus. Seria tudo isso realmente possível?

ü    O apelo de Saul na ocasião:
      
Recordemos a história. O velho profeta Samuel morrera, Saul, o rei de Israel, ia de mal a pior, abandonado por Deus. Os filisteus estavam a concentrar contra ele os seus exércitos. As formas normais de revelação divina estavam-lhe fechadas, por causa da sua deliberada desobediência. Quando lemos em 1 Samuel 28.6: Porém o Senhor não lhe respondeu, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas. A iminência da batalha com os filisteus enchia-o de terror e não sabia para onde se virar. Saul pensou em Samuel e desejou ardentemente uma palavra dele, como dantes. Ele sabia que os que tinham relações com os espíritos familiares possuíam a fama de serem capazes de invocar os mortos. Embora Saul, no início do seu reinado, tivesse suprimido, sob pena de morte, todos os médiuns, feiticeiros e seguidores de magia negra. Agora no seu desespero e na sua superstição, procura uma mulher que praticava ilegalmente a feitiçaria na cidade de Endor.
Saul disfarçou-se e foi ter com a mulher. Ela lembrou-lhe que Saul proibira semelhantes práticas, sob a pena de morte. Porém, depois de receber uma promessa solene que não receberia nenhum castigo, perguntou: A quem te farei subir? E disse ele: Faze-me subir a Samuel. Saul pediu que fizesse subir a Samuel. E a história prossegue como já sabemos.
Não era para menos a atitude de Saul. Ele se tornou um apóstata, decadente, degenerado, desastrosamente obstinado, praticante de feitiçaria e, por fim, suicida. Sua vida em crescente declínio nos mostra que Saul entregara-se à sua vil natureza humana. Mesmo diante de todos os conselhos de Deus, jamais teve sua natureza transformada. Saul jamais foi verdadeiramente arrependido de seus erros, nem obediente e sempre foi orgulhoso e irreverente (I Samuel 13). E no final de tudo o texto diz em I Samuel 15.26 que Saul foi rejeitado por Deus. É nessa ocasião que Saul consulta a feiticeira.

ü    Uma sessão diabólica:
     
A primeira pergunta que poderíamos fazer é: Porque Deus deixaria registrado nas páginas das Sagradas Escrituras algo que não nos trouxesse uma preciosa lição?
Porque num texto como esse Deus nos mostra claramente como Satanás pode forjar uma aparição enganosa, transfigurando-se e até mesmo dando poder aos falsos apóstolos (II Coríntios 11.13-16; I Timóteo 4.1; Apoc. 16.14; II Tess. 2.9). Os cristãos não podem deixar se levar pelos enganos de Satanás, nem mesmo se maravilhar ou espantar com estes, mas perseverar na verdade da Palavra, naquilo que está escrito no texto sagrado, não aquilo que homens e profetas dizem. A Bíblia nos mostra que a sessão de Endor foi uma ação forjada por Satanás. Vejam os motivos:      

ü  Deus jamais agiria em contrário a si mesmo e à sua Palavra:

Deus sempre condenou feiticeiros e necromantes e nunca poderia fazer concessões de suas verdades reveladas, pois isso, seria contrário a sua Natureza e Deus não seria Deus. (Êxodo 22.18; Deut. 18.9-14; Malaquias 3.6; Hebreus 13.8 e 9). Se isto tivesse ocorrido então haveria espaços para os atuais novos apóstolos e etc. Vejam alguns detalhes:
ü  Deus em sua soberania se recusou a responder a Saul enquanto Samuel vivia:
No texto de I Samuel 15.35 e 16.14 mostra que o Senhor não lhe respondeu, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profeta.
ü  A Bíblia afirma claramente que a feiticeira viu “deuses” subindo da terra (I Samuel 28.13).
A palavra hebraica aqui usada é elohim (no plural) e indica que a mulher viu anjos com aspectos divinos. Saul disse a mulher quem ela deveria chamar (I Samuel 28.11). Se tivesse algum poder já saberia de imediato a quem Saul queria invocar. Os demônios mostraram a mulher quem era o homem que estava com ela (I Samuel 28.12). O texto é muito sério e importante para mostrar que Samuel jamais mentiria. O espírito que a mulher viu, mentiu duas vezes. 

1º É afirmando que Saul o teria perturbado em seu descanso. Se Deus tivesse feito Samuel aparecer, isso não seria jamais atribuído a Saul ou à feiticeira. Deus era o único que poderia ter ordenado tal coisa (I Samuel 28.15). 
2º É afirmando que Saul estaria com ele. Se fosse realmente Samuel que estivesse presente não poderia afirmar que Saul iria para o mesmo lugar que o profeta (Lucas 16.26).
3º O verdadeiro Samuel jamais teria aceitado a adoração de Saul, quando ele se prostrou com o rosto em terra (I Samuel 28.14b). Os verdadeiros enviados de Deus nunca aceitariam tal honra que somente pode ser dirigida a Deus (Atos 10.25 e 26).

Olhando para tudo o que aconteceu com Saul tendo essa mulher envolvida aprendemos algumas lições:

ü    Deus nos alerta como seus servos que os demônios enganam com artimanhas:

Vejam que a feiticeira de Endor não tem parte com Deus, há mentiras, há enganos dos demônios e ela foi usada por Satanás para ludibriar a Saul que não teve a percepção divina na sua vida e caminhada. Embora a mulher de Endor tenha até dado alimento para Saul, uma ação até humana, ela foi instrumento do mal para iludir o rei Saul que estava completamente cego espiritualmente falando.

ü    Devemos discernir espiritualmente o que é voz de Deus e do mal:

A Bíblia diz que em I Coríntios 2.14-16: Quem não tem o Espírito não aceita as coisas que vêm do Espírito de Deus, pois lhe são loucura; e não é capaz de entendê-las, porque elas são discernidas espiritualmente. Mas quem é espiritual discerne todas as coisas, e ele mesmo por ninguém é discernido; pois quem conheceu a mente do Senhor para que possa instruí-lo? Nós, porém, temos a mente de Cristo.
Precisamos discernir aquilo que edifica e o que não edifica e as Sagradas Escrituras são nosso ponto de apoio para usar da sabedoria divina. Saul não teve percepção das Sagradas Escrituras no seu coração e por isso, procurou uma feiticeira para resolver os conflitos da vida.
É preciso tomar cuidado com aquilo que não é de Deus. Precisamos ter olhos espirituais para discernir as setas inflamadas do maligno. Saul só consultou a mulher porque ele perdeu de vista o temor a Deus, perdeu a noção do sagrado, perdeu a capacidade de discernimento espiritual.
É preciso muito cuidado com essa questão na vida. Tem gente que busca soluções para vida nos horóscopos da vida, no positivismo, nos jogos da vida e nas coisas mais fáceis. O movimento para o coração está nas Escrituras, elas nos mostram o que devemos fazer e como pensar.
Não tenhamos medo e, sim, confiança quanto ao nosso futuro no que diz respeito a todos os fatos da nossa vida. Como dizem as autoras do livro Elas: O antídoto para o medo é sempre a confiança. E a fé pode curar os nossos piores pesadelos, ela é alimentada pela obediência a Deus. Que a graça do Eterno seja sobre nós!



Pr. Alcindo Almeida

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …