Eva: doadora da vida

Elas: 52 mulheres da Bíblia que marcaram a história do povo de Deus
Ann Spangler- Jean Syswerda
 
Nesse livro vemos a história do povo de Deus sob a perspectiva feminina. Embora Adão, Abraão, Noé, Moisés, Samuel, Saul, Davi e Pedro sejam personagens bem conhecidos - realmente, são alguns dos homens mais dignos de toda a Bíblia. Muitas mulheres não conhecem a respeito de Agar, Miriã, Débora, Noemi e Ester, sem mencionar Jael, Rispa ou Joana. As mulheres geralmente sabem como os homens enquadram-se na história da salvação, mas e as mulheres? O que suas histórias têm a dizer sobre o amor de Deus e sobre nossa resposta a ele?
O livro Elas examina de perto a vida de 52 mulheres da Bíblia, algumas de destaque e outras não tão destacadas, apresentando a história da salvação sob uma nova perspectiva. O elenco de personagens é amplo e variado, incluindo de prostitutas e rainhas perversas a profetisas, de mulheres ricas a mulheres exploradas, de mulheres solteiras a casadas e viúvas, de jovens a idosas.
Longe de se tratar de personagens fictícias, são mulheres de verdade, que lutaram contra a tragédia ou, algumas vezes, foram sua causa; que arriscaram a vida e a reputação por outros, cheias de compaixão e de sabedoria para vencer as dificuldades. A história dessas mulheres revela muito sobre o amor de Deus, o ciúme dele por nós e sua criatividade para extrair o bem das circunstâncias mais desesperadoras.
Podemos usar o livro Elas como guia devocional, como estudo bíblico, texto inspirativo e também como auxiliar para grupos de oração. De uma forma ou de outra, estamos diante de 52 vidas que marcaram a história do povo de Deus para sempre.
Nos tempos bíblicos, os nomes tinham um significado que, no geral, já não possuem mais hoje. Os nomes que os pais davam aos filhos permitiam um vislumbre da experiência pessoal deles, algumas das quais refletiam reações emocionais a uma situação.
Quando Sara tinha 90 anos, Deus lhe disse que ela e Abraão iriam ter, finalmente, o filho que desejavam havia tanto tempo. Sara mal podia acreditar! Sara ria consigo mesma dizendo: Depois de velha, e velho também o meu senhor, terei ainda prazer? (Gn 21.6). Quando o filho nasceu, Sara o chamou de Isaque, que significa riso, e disse: Deus me deu motivo de riso; e todo aquele que ouvir isso vai rir-se juntamente comigo (Gn 21.6). Uma das cenas mais tristes da Bíblia talvez seja aquela em que Raquel, sofrendo muito e sabendo que estava à morte, chamou seu filho de Benoni, filho do meu sofrimento. Mas Jacó, pai da criança, amando o pequenino, mesmo em sua tristeza, chamou-o de Benjamim, filho da minha mão direita (Gn 35.16-20). Quando o filho de Ana nasceu, ela lhe deu o nome de Samuel, que se assemelha à expressão, em hebraico, para ouvido de Deus, porque Deus ouvira seu clamor por um filho.
Não há como não se apaixonar pela história do povo de Deus e pelo Senhor quando percebemos que Deus manifesta, nos mínimos detalhes, seu carinho especial por nós. Ao ler as histórias contidas no livro, seguiremos na jornada de descobertas maravilhosas. Perceberemos que, mesmo em meio 7 bilhões de habitantes deste planeta, Deus a conhece melhor do que ninguém e a chama pelo nome. Para Deus, você é única!
Estudemos a primeira mulher da Bíblia: Eva.
O texto importante para nossa avaliação é Gn. 2.18-25: E o Eterno disse: Não é bom que o Homem fique sozinho. Farei alguém que o ajude e faça companhia a ele. Então, o Eterno formou do pó da terra todos os animais do campo e todos os pássaros do céu e levou-os ao Homem para ver que nome ele daria a cada um. Eles seriam chamados pelo nome escolhido pelo Homem, qualquer que fosse. E o Homem deu nome ao gado, aos pássaros do céu e aos animais selvagens, mas não encontrou nenhum ser vivo que pudesse ser sua companheira. O Eterno fez que o Homem caísse num sono profundo. Enquanto ele dormia, tirou uma das costelas dele e preencheu o lugar com carne. O Eterno usou a costela que havia retirado do Homem para formar a Mulher. Então, apresentou-a ao Homem. E o Homem disse: Até que enfim! Osso dos meus ossos, carne da minha carne! Seu nome será Mulher, pois foi feita do Homem. Portanto, o homem deve deixar pai e mãe e unir-se à sua esposa. E os dois se tornarão uma carne. O Homem e a Mulher estavam nus, mas não sentiam vergonha.
Há duas palavras hebraicas traduzidas pelo verbo “criar” na língua portuguesa:
 
(1) Barah – usada em Gênesis 1.1,21,27 (Veja também Is 45.7-8,12,18, etc.); Barah é usado exclusivamente para designar uma atividade divina. Nunca é um ato humano. Em outras palavras, é um termo que só se usa com relação a Deus.
(2) Asah – significa “fazer de coisas já existentes” (Gn 1.7,16,25-26,31; 2.2-4,18; 3.1). Assim o Espírito (ruah, que também significa “vento” ou “sopro” estava sobre o que foi criado, e fez forma e ordem da matéria mediante a palavra poderosa de Deus (E disse Deus…e assim foi). Tudo foi “bom” (Gn 1.4,10,12,18,21,25), até “sobremaneira bom” (Gn 1.31), mostrando equilíbrio e ordem, menos o homem sozinho (Gn 2.18).
 
Bem, quando olhamos para a ideia de Deus ter criado ambos, homem e mulher. Percebemos claramente que eles foram criados na imagem de Deus. Não há superioridade da parte do homem sobre a mulher quanto à imagem de Deus que está em cada um (Gn 2.27). A diferença se dá apenas no aspecto da formação do corpo físico e na ordem cronológica desta formação, o homem sendo formado primeiro do pó da terra e a mulher formada mais tarde, tirada do corpo dele. Veja bem que Gênesis 1.27 usa a palavra “criar” (barah em hebraico, que significa criar como ato divino e não do nada, pois, o homem foi criado do pó da terra e a mulher, do homem), enquanto Gênesis 2.7 usa a palavra “formar” (yatsar, em hebraico, que significa moldar num molde como um oleiro, formar, modelar) e Gênesis 2.22 usa a palavra “formar” (banah, em hebraico que significa construir, reconstruir, estabelecer). A palavra “façamos”, em Gênesis 1.26, no hebraico é asah, que significa, simplesmente, “fazer”, sem mais detalhes.
Quero dizer que com essa ideia na criação não há lugar no relato da criação pelo machismo que acha que o homem é superior à mulher. O machismo encontra sua força em Gênesis 3.16 onde a Bíblia indica que um aspecto da maldição que caiu sobre a mulher por causa do pecado foi que “ele te dominará”. Mas, esta maldição foi tirada por Jesus Cristo (Gl 3.13) de forma em que na igreja cristã não há mais lugar para o machismo.
O texto de Gálatas 3.28 ensina claramente que não há homem nem mulher; porque todos são um em Cristo Jesus. Foi o Evangelho de Jesus Cristo que libertou e devolveu à mulher seu devido lugar de igualdade ao homem, o que não acontece em algumas no mundo a fora.
Olhando para nossa personagem Eva cujo significado do nome é: doadora da vida. Essa é a pessoa feminina que é tirada do lado de Adão. Ela tem olhos, boca com traços femininos, uma voz suave, pele fina e delicada. A fala de Adão quando olha para essa perola que Deus tirou dele mesmo, ele diz: Até que enfim! Osso dos meus ossos, carne da minha carne! Seu nome será Mulher, pois foi feita do Homem.
Lá estava a arte da criação chamada de Eva – vida e os dois seres agora estão juntos sem nenhuma crise, eles andam nus e sem qualquer vergonha porque não têm a presença do pecado na vida deles. No paraíso de Adão e Eva não havia medo, dor, pânico, tristeza, discórdia e nem desordem, pelo menos por enquanto.
Quando Deus criou a mulher o texto mostra as características dela:
 
 Ela deveria ser uma “auxiliadora” (Gn 2.18),
 Uma consoladora (Gn 24.67)
 Uma encorajadora (Pv 31. 12, 26).
 Eva era parceira de Adão para executar o propósito divino de multiplicar e encher a terra (Gn 2.18).
 Ela deveria ser sua companheira terrena mais íntima, aliviando sua solidão (Gn 2.18).

O fato terrível que envolve a mulher é registrado em Gn. 3.1-7 quando o pecado entrou no mundo porque Eva foi seduzida e contaminou também o coração de Adão, o caos instalou-se. O plano de Deus permanecia o mesmo, mas foi deturpado pelas escolhas pecaminosas de Adão, de Eva e de seus descendentes. Deus permitiu que Adão e Eva escolhessem pecar, mas não escolhessem as consequências do pecado.
O que aconteceu com a desobediência de nossos pais?
 
 O medo tomou conta deles; temeram enfrentar a Deus por causa da sua desobediência (Gn 3.10).
 Eles foram expulsos de seu lar com esta previsão: o trabalho de Adão se tornaria difícil, por que seria obrigado a lutar com cardos e abrolhos (Gn 3.17, 18), e Eva sofreria ao dar à luz (Gn 3.16).
 Adão, Eva e sua posteridade teriam combates espirituais até o fim dos tempos.

Não podemos esquecer que o fracasso de Adão e Eva é real e marcou a história dos seres humanos, mas os princípios de Deus para o casamento permaneceram os mesmos – segundo os papéis designados por Deus:
 
 Os maridos devem usar sua autoridade, dada por Deus, para prover, proteger e amar (Gn 2.15-17; Ef 5.25),
 As mulheres devem ajudar seus respectivos maridos e submeter-se à sua liderança, dirigida por Deus (Gn 2.18; Ef 5.23,24).
 
1. Eva e as consequências da desobediência:
 
 Dores de parto:
 
Ela foi a primeira a conceber filhos, a primeira a abrigar um óvulo fertilizado em seu útero. Ela foi mãe de Caim e depois de Abel. Claro que essa consequência foi dolorida como é ainda hoje para todas as mulheres que são filhas de Eva. Agora, a dor, contrações, irritações, o peso do bebê e as diversas complicações são das filhas de Eva. Só que o prazer de ser recipiente da vida humana e isso apesar da dor alegra o coração das filhas de Eva. Esse momento é impar, é singular e mesmo com dor é gratificante. Deus dá o privilégio tão somente a mulheres de serem mães.
 
 As promessas para a mulher:
 
O sofrimento de ser mãe é agraciado com a fala da promessa da redenção em Gn. 3.15. O texto de Gênesis 3.8-4.25 tem seu foco no "protoevangelho". Este termo não é tão usado e conhecido em décadas recentes como já foi. O fato de que Henry L. Ellison intitulou seus comentários de Gênesis 3.15 "O Protoevangelho", indica que o termo é usado pelos estudiosos evangélicos. Para Ernest Kevan o termo se refere especificamente às palavras que Deus falou quando se dirigiu a Satanás na presença de Adão e Eva.
A mensagem tem sido considerada a primeira revelação redentora (ou evangelho) no Antigo Testamento embora muitos escritores críticos não concordem e alguns escritores evangélicos tenham expressado alguma incerteza. Não estamos muito preocupados com a crítica, o que nos interessa é que Deus anunciou uma solução para o problema que nossos pais Adão e Eva arrumaram por causa da sedição da tentação da serpente naquele dia complicado para a raça humana
A primeira mensagem da redenção não foi somente a respeito da atividade redentora messiânica e da vitória assegurada, mas também incluiu a revelação com respeito à antítese divinamente estabelecida, concernente ao juízo certo que aguarda Satanás.
A maldição dirigida à serpente, no entanto, também foi dirigida diretamente a Satanás. Esta maldição foi absoluta. Satanás teria sua cabeça esmagada; ele seria completamente dominado, derrotado e feito impotente. A vida e o envolvimento no reino cósmico de Yahweh chegariam a um fim. Esta maldição foi dirigida a Satanás e sua semente, seus seguidores demoníacos e aqueles da raça humana que permanecessem sob seu controle e a seu serviço. O pronunciamento desta maldição sobre Satanás incluiu uma promessa de vitória para a mulher e sua semente porque do esmagamento de Satanás viria a vitória e a continuidade de vida para aqueles da raça humana que viessem a ser incluídos na semente da mulher.
Esta maldição que a semente da mulher, Jesus Cristo, tinha que sofrer foi absoluta e irrestrita no sentido que a plenitude da ira de Deus Yahweh foi colocada sobre ele. Ela foi mitigada no sentido em que a maldição não trouxe uma separação completa, permanente e absoluta entre Deus Yahweh e Jesus. Sendo ele mesmo Deus, Cristo, tendo sido completamente desamparado por Deus Pai e separado dele, tinha o poder de sofrer a maldição, vencê-la, e sustentar a vida e o amor do pacto que Deus Yahweh havia estabelecido.
Hoje recebemos a graça deste "protoevangelho" anunciado no AT, porque Jesus já veio habitar no meio de nós e teve o seu ministério na terra, morreu na cruz e ressuscitou pisando assim na cabeça da serpente. Somos livres da condenação, da maldição e da separação eterna de Deus. Ele nos amou em Cristo e por causa da sua obra redentiva no Calvário, temos acesso ao trono do Pai!
Eva na verdade, mesmo sendo pecadora é a primeira mulher a ter participação num dos atos mais nobres da vida humana, a arte de ser mãe. Ela é coroa da criação, meiga, carinhosa, supridora da solidão que havia no homem. Ela é o reflexo da criação, ela é revestida de beleza e facetas que são especiais demais. Ela é simples, é auxiliadora e parceira do homem em todos os momentos da vida.
 
 Para refletir e viver:
 
 Cuidado com a natureza pecaminosa, ela engana a gente. Vejam a atitude de Eva, a serpente consegue seduzi-la e o estrago depois que ela ilude a Adão e ele come do fruto é enorme para toda criação.
 Cuidado para não dar vazão às vozes estranhas: A Bíblia fala da mulher que é sábia, ela edifica sua casa com sabedoria. Ela é a defensora do seu esposo, ela zela pela sua família. A mulher imprudente fica dando ouvidos figuradamente as serpentes e se esquecem que elas são venenosas. A palavra é prudência para a vida.
 Seja uma mãe que ama em todo tempo. Invista nos filhos, netos e agregados. Exerça influência na vida dos filhos sendo amigos e parceiros deles.
 Leia as Escrituras sempre para formação no coração e no caráter diante de Deus.
 
________
Alcindo Almeida.
 

Comentários

Postagens mais visitadas