Deus é a alegria do coração no meio da tristeza

- Texto para reflexão: Porque a sua ira dura só um momento; no seu favor está a vida. O choro pode durar uma noite; pela manhã, porém, vem o cântico de júbilo (Salmo 30.5).

Não conseguimos andar sozinhos, não conseguimos obter vitórias por nossas próprias forças. Não passamos pelos obstáculos porque somos suficientes e capazes sozinhos. É Deus que nos sustenta, que nos fortalece, nos anima e nos ajuda a vencer e passar pelas lutas da vida. Vejam essa experiência do filme Duelo de Titãs, as lutas e dificuldades da vida nos abatem e nos mostram realmente que não conseguimos nada sozinho.
Davi nos convida para cantar louvores ao Senhor e louvarem o seu santo nome. Porque Deus não conserva a sua ira para sempre e porque no seu favor está a vida. Ele diz que o choro pode durar uma noite. Contudo, pela manhã vem o cântico de júbilo e de alegria.
Davi entende que o sofrimento tem no seu fim uma alegria que vem de Deus. Uma alegria que ninguém pode tirar. A luta é grande na noite, mas a alegria vem pela manhã. As crises viram a noite, mas a esperança chega ao raiar do dia.
O texto afirma que Deus não conserva a sua ira, ele é misericordioso e olha para os seus santos. Por isso, o choro pode durar a noite toda, mas na manhã dos outros dias as misericórdias são renovadas na vida. Exatamente por isso Davi tem esperança para a sua vida.
Augusto Cury afirma que "Deus através da cruz ouviu o clamor dos homens pecadores. Ele suportou todo o peso das torturas para nos defender e derramar a sua graça eterna em nosso coração. Em nosso lugar ele foi um príncipe no caos" (CURY, Augusto. O mestre da vida. Rio de Janeiro: Sextante, 2006, p. 102).
Não precisamos nos desesperar diante das crises a ponto de perder a esperança. Porque na manhã seguinte, as misericórdias são renovadas. Paulo diz em II Coríntios. 4.16-18: Por isso não desfalecemos; mas ainda que o nosso homem exterior se esteja consumindo, o interior, contudo, se renova de dia em dia. Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós cada vez mais abundantemente um eterno peso de glória; não atentando nós nas coisas que se vêem, mas sim nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, enquanto as que se não vêem são eternas.
Davi tem consciência no seu coração de quem Deus é e o que ele faz em favor do seu povo. Ele afirma que o Senhor pelo seu favor o fez permanecer forte. O Senhor teve compaixão dele e foi o seu ajudador. Deus tornou o seu pranto em regozijo.
Davi diz que Deus o tirou do cilício, que era a prática dos homens antigos de tirarem suas vestimentas e se vestirem de saco e se lamentarem diante das suas culpas e se aproximarem do justo juiz celestial implorando com toda a humildade o perdão das faltas (CALVINO, 1999, p. 638).
O texto na parte b do versículo 5 Davi afirma: O choro pode durar a noite inteira, mas de manhã vem a alegria. Alguns perguntam: E se o meu choro durar muitas noites e não haver a alegria no amanhã? Deus não cumpre a promessa dele? Porque todas as manhãs alguns acordam e os seus problemas permanecem estáticos?
A idéia não é de tempo, e sim, da esperança que podemos ter em Deus. A noite inteira é a questão do sofrimento, mas na manhã temos o conforto e sabemos que a ira de Deus não está sobre nós. O que está conosco é a sua misericórdia e sua bondade.
Nas noites da vida acontecem os sofrimentos e tristezas da vida, mas ao amanhecer se ergue na nossa frente um grito de alegria (CHAMPLIN, 1995, p. 2138) e esperança no Deus que fortalece a nossa vida. Como Davi diz no Salmo 39.12: Ó Senhor Deus, ouve a minha oração! Escuta o meu pedido. Não te cales quando choro. Como todos os meus antepassados, sou teu hóspede por pouco tempo.
Como precisamos dessa alegria para viver em meio ao caos da humanidade. Como diz W
illiam Shakespeare: A alegria evita mil males e prolonga a vida. O problema que há em nós um negócio chamado ansiedade. Apesar de viver no presente somos constantemente influenciados pelas sombras do passado e excitados pelas fantasias e preocupações do futuro. Assim nascem as raízes mais profundas da nossa infelicidade: a nossa incapacidade de ser e viver no presente sem precisar recorrer ao passado e ao futuro.
A ansiedade é um dos mais terríveis sentimentos a assolar o coração humano. A ansiedade mata o presente, faz adormecer o hoje, anestesia o agora e em troca, dá vida ao futuro, acorda o amanhã e se centraliza no depois (PEDROSA, Eduardo, texto da PUC Rio de Janeiro).
A ansiedade provoca em nossa vida a necessidade de controlar e por isso, não queremos sofrer e queremos ter alegria constante. Davi passa por uma tribulação forte que o conduz para uma alegria profunda. O conduz para uma compreensão de quem Deus é na usa vida. Ele não se deixa levar pela ansiedade em momento algum. Ele ora e clama ao Senhor.
O texto diz que o choro pode durar uma noite inteira, mas pela manhã irrompe a alegria. Quando li Transforma meu pranto em dança percebi que gostamos de vitórias sem esforços, crescimento sem crise, cura sem dores e ressurreição sem cruz. Não é de admirar que nossas comunidades pareçam organizadas para manter a distância o sofrimento. Tanto a experiência de Davi como a de Jesus nos ensinam esperar pela alegria nos lembrando do choro.
Jesus não enlouquece através de uma busca pelas insistentes vitórias fáceis que seres humanos querem. Jesus é alegre entrando num jumento e como alguém que é sofredor. Jesus nos convida a permanecer em contato com os muitos sofrimentos de cada dia e a experimentar o começo da esperança e da nova vida, justamente aí onde vivemos, no meio das feridas, dores e falência humana. O caminho da paciência que nos conduz vagarosamente para o triunfo é o da cruz de Cristo (NOUWEN, 2002, p. 9).
O sofrimento nos convida a depositar nossas feridas em mãos maiores. Em Cristo vemos Deus sofrendo em nós. Ele nos chama para compartilhar os sofrimentos de amor de Deus por um mundo ferido (NOUWEN, 2002, p. 10). A chave para entender o sofrimento é deixar de nos rebelar contra os inconvenientes e as dores da nossa vida (NOUWEN, 2002, p. 11).
Que Deus nos dê graça para entendermos essas verdades!

____________
CALVINO, João. Comentário no Livro de Salmos. São Paulo: PARACLETOS, Vol. I,1999.
CHAMPLIN, R. N. Comentário do Livro de Salmos. São Paulo: Hagnos, 2001.
CURY, Augusto. O mestre da vida. Rio de Janeiro: Sextante, 2006.
NOUWEN, Henri. Transforma meu Pranto em Dança. São Paulo: Textus, 2002.
KIDNER, Derek. Comentário no Livro de Salmos. São Paulo: VIDA NOVA, Vol. 14a, 1992.

Comentários

Anônimo disse…
Olá Pastor, realmente nesta meditação, não existe a vitória sem a luta. Podemos dormir com a vontade de não acordamos nos outro dia, mas quando abrimos os nossos olhos e vemos que estamos vivos a nossa esperança se renova pela manhã em Cristo. Sabemos que em Is.64-4 parte b temos um Deus que trabalha por nós, muito obrigada por esta meditação, renovou as minhas esperanças...Deus muito o Abençoe, bj.Elaine.

Postagens mais visitadas