Mesmo nas crises, seja referencial de companheirismo


- Texto para reflexão: Depois Davi, retirando-se desse lugar, escapou para a caverna de Adulão. Quando os seus irmãos e toda a casa de seu pai souberam disso, desceram ali para ter com ele. Ajuntaram-se a ele todos os que se achavam em aperto, todos os endividados, e todos os amargurados de espírito; e ele se fez chefe deles; havia com ele cerca de quatrocentos homens. Todavia um dos filhos de Aimeleque, filho de Aitube, que se chamava Abiatar, escapou e fugiu para Davi. E Abiatar anunciou a Davi que Saul tinha matado os sacerdotes do Senhor. Então Davi disse a Abiatar: Bem sabia eu naquele dia que, estando ali Doegue, o edomeu, não deixaria de denunciá-lo a Saul. Eu sou a causa da morte de todos os da casa de teu pai. Fica comigo, não temas; porque quem procura a minha morte também procura a tua; comigo estarás em segurança (I Samuel 22.1 e 2; 20-23).

Há uma história que é narrada no filme: Os miseráveis. É a história de um ladrão que é influenciado por um sacerdote religioso. Ele é acolhido pelo mesmo e tenta roubar o sacerdote leva os seus castiçais de ouro e ainda bate no mesmo. Em seguida, os guardas o pegam e levam-no para o sacerdote reconhecer. E um soldado diz: É este o pilantra que o roubou, não é mesmo!
Ele diz ao ladrão: Faltou você levar os talheres, estes transformarão a sua vida para sempre. E este ladrão nunca mais foi o mesmo. Porque houve alguém que se transformou no seu companheiro leal. Isto que aprendemos neste texto precioso.
Vemos no texto (capítulo 21) que Davi vai a Nobe, ao sacerdote Aimeleque. Davi estava faminto e pediu pães para Aimeleque e o mesmo disse que não tinha pão comum à mão; havia só pão sagrado. E foram dados os pães da proposição santos para Davi. Esta é só uma idéia de que a nossa lógica é diferente da de Deus.
O texto nos informa que ali estava um homem, um dos servos de Saul e o seu nome era Doegue, edomeu, chefe dos pastores de Saul. Então Davi pede alguma arma para ele e Aimeleque diz que só tem a espada de Golias e imediatamente fugiu para Aquis reis de Gate. Só que lá reconheceram Davi e ele teve de se fazer de doido.
O texto diz que Davi foi embora e se refugiou na caverna de Adulão que significa refúgio. Vejam a vida de Davi como está. Ele vem fugindo de um lugar para o outro. O seu corpo está cansado, ele está desanimado de tanta perseguição de Saul sem ele ter feito nada para o rei. E quando ele está numa crise enorme, Deus envia seu pai e seus irmãos para a caverna de Adulão, cujo significado é refúgio e ali estiveram com ele. E o texto diz que todos os que se achavam em aperto, todos os endividados e todos os amargurados de espírito se ajuntaram a Davi e ele se fez chefe deles. O número era cerca de quatrocentos homens.
Agora, imaginem o rei perseguindo Davi, ele estava em total apuro e o texto mostra claramente que no meio da crise de Davi, vem mais pepino para ele. Homens em aperto com problemas, homens e endividados e todos os amargurados de espírito. Todo este grupo está com outro homem em crise total. Mas, o texto diz que Davi se fez chefe deles.
A minha pergunta é: Que tipo de pessoa extraordinária é este Davi? Pois, no meio de um terremoto grande na sua vida, ele ainda tem tempo para ser companheiro de endividados, de amargurados de espírito e de homens em aperto?
Davi é um referencial de companheirismo no meio de uma crise horrível. Ele não se preocupa somente consigo mesmo, mas com os outros também e estende o seu ombro amigo para gente que eu e vocês não gostaríamos de estar perto.
Esta é a proposta do Evangelho do Reino de Deus, é a proposta de gente em crise cuidar de outros em crise. E a proposta de se doar. Henri Nouwen diz algo extraordinário sobre esta realidade:

“Em nossa sociedade voltada para a solução, é mais importante do que nunca compreender que querer aliviar a dor sem compartilhá-la é como querer salvar uma criança de uma casa em chamas sem o risco de se ferir... O envolvimento com os outros é o engajamento mais profundo nas questões cruciais de nosso semelhante” (NOUWEN, Henri. Crescer: os três movimentos da vida espiritual. São Paulo: Paulinas, 2000, p. 59).

É preciso entrar na chuva para se molhar. Precisamos converter o movimento da nossa vida da hostilidade para a hospitalidade, para o companheirismo. Olhem só o princípio deste moço santo de Deus. Ele está em crise profunda, mas no meio dela, quer ser amigo, companheiro, gente que está ao lado de pessoas que ninguém quer estar. Este é Davi, o amado de Deus, aquele que não mede esforços para estar ao lado de endividados, de amargurados de espírito e de homens em aperto.
Você foi chamado para isto. Esta função não é só dos pastores, é sua também. É nossa, é da igreja. Em que lugar? No bairro, no Hospital, na Faculdade lugar onde jovens estão se entregando às drogas e à vida dissoluta.
Davi não é alguém que passa batido na história, é alguém que se preocupa com o seu semelhante e ele é hospitaleiro, companheiro, amigo de endividados, de amargurados de espírito e de homens em aperto. Que loucura SANTA!!!
Cuidemos daqueles que estão ao nosso redor!!! Deus colocou alguns na nossa caminhada e precisamos cuidar deles. Porque são nossos semelhantes e a Palavra de Deus nos ensina a cuidar dos mais fracos e não agradar a nós mesmos.

_____________
Pr. Alcindo Almeida

Comentários

Postagens mais visitadas