Leituras em de 2009

1. AGRESTE, Ricardo. A jornada. São Paulo: Socep Editora, 2009. Se vocês quiserem presentear os vizinhos e amigos não cristãos será jóia. As histórias contadas de maneira simples e contagiantes que mexem com o coração. Os testemunhos são bem legais e servem para falar ao coração das pessoas que nos cercam na sociedade. A Jornada é um livro que trata da maior de todas as sagas. Na verdade é um livro que se baseia na História que inspirou e continua a inspirar todas as demais sagas que existem. Nesse livro você encontrará o conteúdo central da História da Redenção. A narrativa a respeito do Deus eterno e amoroso que criou o ser humano para a eternidade e que, apesar da desobediência deste que o levou a se desconectar do seu Criador, vem ao encontro de homens e mulheres através da pessoa de Jesus Cristo. Para que, através da morte e ressurreição de Jesus, pudesse trazê-los de volta para casa. Você vai se emocionar e surpreender-se com o grandioso amor de Deus e sentir-se desafiado e motivado para viver a vida e investir a sua energia no que é eterno e relevante. Contém 160 páginas.

2. AGRESTE, Ricardo. Feito para durar. Relacionamentos duradouros numa cultura do descartável. São Paulo: Socep, 2009. Estamos inseridos numa cultura que não nos incentiva à construção de relacionamentos consistentes e duradouros. Muito pelo contrário! O tempo todo somos bombardeados por valores altamente individualistas e utilitaristas, os quais tem transformado nossas relações numa espécie de produto facilmente descartável, especialmente quando não correspondem as nossas expectativas. Uma das principais vítimas desta cultura do descartável é o relacionamento conjugal.Por isso este livro é escrito, para nos desafiar a um olhar mais crítico para a cultura que nos envolve e a uma tomada de posição frente a sua influência em nossas vidas e relacionamentos. Em constante diálogo com o mundo contemporâneo, você será desafiado a uma profunda reavaliação de papéis e valores e encorajado à construção de um relacionamento feito para durar. Contém 159 páginas.

3. ALISTER, Mcgrath. O Deus desconhecido. São Paulo: Loyola, 2001. Alister McGrath explora a razão da busca de sentido e de realização pessoal que move todas as pessoas. McGrath descreve os argumentos filosóficos clássicos em favor da existência de Deus propostos por Anselmo de Cantuária e Tomás de Aquino nas suas “cinco vias” críticas de Gaunilo em relação ao argumento de Anselmo e de Duns Escoto e Guilherme de Ockham a Tomás de Aquino são apresentadas com clareza. Na concepção de Alister McGrath, atualmente “há três categorias de argumentos em favor da existência de Deus importantes para a relação da religião com a ciência” (p. 123), ou seja, os argumentos “cosmológico”. Contém 128 páginas.

4. ALMEIDA, Alcindo. Os encontros de Jesus . São Paulo: Fôlego, 2009. As reflexões do querido amigo e irmão Alcindo em “Os Encontros de Jesus” nos dão a dimensão clara do significado que esse acontecimento teve na vida daqueles que tiveram um encontro com Jesus de Nazaré. Todos os que se encontraram com ele tiveram a vida marcada e transformada. Ninguém deixou um encontro com ele sem ser tocado quer por suas palavras suas atitudes ou por seu maravilhoso olhar. Encontrá-lo é ver a Palavra nos penetrando e fazendo-se desejável, manifestando-se como meio da graça fazendo-nos adoradores e conscientizando-nos da necessidade do arrependimento e da salvação.Encontrá-lo é encontrar consolo e conforto para nossas dores é encontrar o próprio sentido da vida é vê-lo transformando nossa história de vida em “antes e depois” desse encontro. Minha oração é que Deus use este livro para levá-lo a um encontro com o Senhor Jesus que mude também sua vida (Hilder C. S). Contém 92 páginas.

5. ALMEIDA, Alcindo. Vivendo na presença do Pai. São Paulo: Fôlego, 2009. Vivemos em um mundo no qual a experiência valida a nossa vida diante dos outros e diante de nós mesmos. Todos estão de alguma forma, em busca de experiências que sirvam de referência para tomada de decisões, para procedermos nossas escolhas. Para tratarmos com nossas questões, sejam elas simples, do dia-a-dia, ou mesmo as mais complexas que dizem respeito ao nosso futuro, nossa família e tudo mais. Portanto, a base na qual podemos construir nossas experiências é a Palavra de Deus. Como Alcindo destaca neste livro: “A Bíblia tem uma porção profunda de motivação para o nosso coração mesmo no meio das nossas lutas e crises” (Pr. Albert Carvalho – IP Bonilha - SP). O livro contém 143 páginas.

6. ALMEIDA, Alcindo. Conselhos para uma vida sábia - Reflexões no Livro de Eclesiastes. São Paulo: Editora Fôlego, 2008. Numa época em que somos desafiados pelo “Senhor Mercado” a levarmos uma vida ‘fast”, vazia de significados e sem tempo para reflexões mais profundas, eis que aparece um pastor, comprometido com Deus, como o seu Reino e a sua justiça, disposto a desafiar uma nação inteira a parar, pensar e ter, sim, uma vida mais sábia. Alcindo Almeida é meu amigo de longa data. Já choramos, sorrimos, brigamos, brincamos e, sobretudo, servimos juntos ao Senhor dos senhores. Fiquei extremamente feliz pelo fato de ele ter coragem para abordar o livro mais instigante da Bíblia Sagrada, o livro de Eclesiastes, que foi escrito pelo sábio rei Salomão. O livro de Eclesiastes, por si só, trata-se de um grande desafio, pois, apesar de ter sido escrito há muito tempo atrás, é absolutamente atual nas suas considerações e conclusões. Salomão trata das questões simples da vida cotidiana até questões mais inexoráveis como a morte. Ele não se intimida e nos coloca contra a parede para que busquemos uma vida com sabedoria e entendamos melhor o sentido dela própria. Contém 232 páginas.

7. ALMEIDA, Alcindo. Dores, lágrimas e alegrias nos Salmos - Reflexões no Livro de Salmos - Volume I (Salmos 1-50). São Paulo: Fôlego, 2008. Neste livro vemos Alcindo nos dando uma saída consistente e uma ótima oportunidade para descobrirmos um mundo repleto de esperança e cheio de expectativas, de que, no Senhor e no seu Ungido (Cristo), o Deus-Homem, e somente nele, há mudanças reais. Somos advertidos a nos preocupar com a nossa vida devocional, a despertar nosso coração para esse ponto tão crucial que tem sido muito negligenciado em nossos dias. Nós vemos isso claramente no Salmo 5, portanto, a coerência se fecha em vários pontos, mostrando lições definidas e claras que nos ajudam na maturidade e no crescimento cristão. Contém 146 páginas.

8. ANTONIO, Jordão Eduardo. Agostinho – Educação e Fé na cidade de Deus. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. O objetivo deste texto é uma compreensão inicial do pensamento educacional agostiniano. O livro é dividido em três capítulos, que apresentam o contexto em que Agostinho viveu e os acontecimentos históricos que marcaram sua época. Insere-se no pensamento de Agostinho ao estudar as bases cosmológicas, antropológicas e ontológicas que norteiam a visão agostiniana de educação. Analisa também os meios de que o homem dispõe para aprender algo. E elucida as dimensões nas quais Agostinho desenvolveu o seu trabalho educativo, colocando à disposição os meios para que essa educação atingisse o seu fim - a formação do ser humano. Contém 127 páginas.
9. ARAUJO, Eleazar. As Crônicas e os contos de Zazo. Brasília: Editora Palavra, 2008. As Crônicas e os Contos de Zazo é um livro que busca na simplicidade dos causos - em forma de narrativa, contos e crônicas - um meio de falar do profundo e fundamental, da ordem do espírito e de Jesus Cristo, de modo leve, verdadeiro e tocante. A obra é tão simples quanto o próprio apelido do autor, Zazo, recebido quando pequeno por sua irmã mais nova que não conseguia pronunciar direito Eleazar, nome bíblico que significa Deus ajudou. Contém 180 páginas.

10. BACON, Francis. Novo Organum ou Verdadeiras indicações acerca da iInterpretação da natureza. São Paulo: Nova Cultural, 1999. Francis Bacon e René Descartes são os primeiros a elaborar reflexões filosóficas que faziam eco aos resultados do conhecimento dos físicos e matemáticos da época. Bacon, diferentemente dos pensadores medievais que direcionavam a produção de conhecimento para contemplar a obra de Deus, defendeu a idéia, muito moderna, de que o produto da ciência deveria ser aplicado diretamente à industria e, portanto, a serviço do progresso. O conhecimento perde seu caráter contemplativo e ganha outra funcionalidade: transformar e dominar a natureza em benefício do homem. Para tanto, o homem deveria conhecer as leis naturais, decifrar a linguagem matemática e os caracteres geométricos do mundo. No Novo Organum, Bacon expressa a necessidade humana de “investigar a possibilidade de realmente estender os limites do poder ou da grandeza do homem e tornar mais sólidos os seus fundamentos. O Império do homem sobre as coisas se apóia, unicamente nas artes e nas ciências”. Com estes princípios Bacon transformou o conhecimento em algo útil, coisa estranha tanto para os gregos da antigüidade como para os teólogos da Idade Média. Contém 255 páginas.

11. BERKHOF, Louis. Teologia Sistemática Berkhof. São Paulo: CEP, 2006. A Teologia Sistemática de Louis Berkhof, após tantas edições seguidas, continua a servir os sérios estudantes de Teologia, numa declaração eloqüente a respeito do seu extraordinário valor. Na verdade, outras publicações têm surgido na mesma área, mas nenhuma mostrou as qualidades que fizeram desta a Teologia Sistemática mais usada em nosso país. É por isso com grande satisfação que a apresentamos aos seus leitores e pesquisadores, com a certeza de que novas gerações de estudiosos das Escrituras serão formadas sob sua benéfica influência. Contém 720 páginas.

12. BOFF, Leonardo. O Senhor é o meu pastor. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. "O Senhor é meu pastor" trata-se de um dos salmos mais conhecidos. Nesta obra, Leonardo Boff analisa os versos desse salmo dando-lhe uma nova dimensão, que nos ajuda na assimilação dessa inspiradora mensagem. O Senhor é meu Pastor mostra que o medo e a insegurança fazem parte da nossa natureza, mas que a fé pode transformar esses sentimentos, pois como Deus está ao nosso lado para nos amparar não há o que temermos. O livro contém 224 páginas.

13. BORNKAMM, Günther. Jesus de Nazaré. São Paulo: Editora Teológica, 2005. Após o lançamento da Teologia do Novo Testamento, de Bultmann, a comunidade teológica tem bons motivos para saudar o relançamento deste livro, escrito por um de seus discípulos mais importantes. Diferentemente de Bultmann, Bornkamm não despreza a base histórica do querigma, mas postula a necessidade hermenêutica de perguntar retroativamente pela prática e mensagem de Jesus, para possibilitar um novo e espontâneo encontro com sua figura e mensagem. Deriva daí a tarefa que constitui o programa deste livro: buscar a história no querigma dos evangelhos e procurar o querigma nesta história. Para a teologia latino-americana, que tanto enfatiza a importância da práxis para a fé, trata-se de uma perspectiva essencial. Verner Hoefelmann. Professor de Novo Testamento da Escola Superior de Teologia (EST) São Leopoldo RS. Contém 400 páginas.

14. BOSMA, Carl. Os Salmos: Porta de entrada para as nações. São Paulo: Fôlego, 2009. Quando cristãos refletem sobre a base bíblica da missão da Igreja, normalmente concentram toda a sua atenção em textos-chaves do Novo Testamento. De fato, costuma-se focalizar quase que exclusivamente toda a atenção em Mateus 28.18-20. Infelizmente, porém, a reflexão cristã sobre a missão da Igreja dificilmente é pensada primeiramente à luz do Antigo Testamento e da missão do povo de Israel para as nações. Apenas casualmente um evento ou pessoa no Antigo Testamento nos faz lembrar essa missão de Israel para com as nações. Na verdade, alguns estudiosos questionam ou até rejeitam a idéia de que o Antigo Testamento contenha explicitamente o conceito de missão de Israel para os povos e para as nações. Mas é correto ignorarmos ou até questionarmos o testemunho do Antigo Testamento com respeito à missão de Israel e da Igreja como Israel de Deus (Gl 6.16)? No nosso ponto de vista, isso não é correto! O escritor Carl J. Bosma entra em defesa da posição de que, conforme o Antigo Testamento, Israel tinha uma tarefa missionária entre as nações, fazendo duas colocações hermenêuticas importantes. Primeiro, devemos nos lembrar de que o Novo Testamento está baseado no Antigo Testamento, e isso inclui naturalmente o conceito de missões. Segundo, o conceito missionário não nasceu apenas no tempo do Novo Testamento. Muito pelo contrário, este conceito de missão baseou-se no Antigo Testamento. Através das páginas deste livro, teremos uma ampla perspectiva bíblica da missão da Igreja através dos relatos bíblicos de toda a Bíblia. O livro contém 92 páginas.

15. CALVINO, João. Comentário de Romanos. São Paulo: Paracletos, 1996. Se porventura conseguirmos atingir uma genuína compreensão dessa Epístola, teremos aberto uma amplíssima porta de acesso aos mais profundos tesouros da Escritura. O homem encontra sua justificação única e exclusivamente na misericórdia de Deus, em Cristo, ao ser ela oferecida no evangelho e recebida pela fé. João Calvino. Contém 534 páginas.

16. CAMPOS, Heber Carlos de. O ser de Deus e as suas obras: A Providência e sua realização histórica. São Paulo: Cep, 2001, Volume 2. Providência e Soberania. Como a doutrina da criação, a doutrina da providência tem a ver com os atos soberanos de Deus. Moisés reconheceu o que todos nós deveríamos reconhecer com respeito à unicidade à soberania divinas. Assim sendo, ele deu ao povo no deserto o seguinte preceito: Por isso hoje saberás, e refletirás no teu coração, que só o Senhor é Deus em cima no céu, e embaixo na terra; nenhum outro há (Dt 4.39). Quando se reconhece e se medita nesse texto da Escritura, não há como fugir à idéia de que a sabedoria de Deus está profundamente enraizada na matéria da providência. A ação providencial de Deus, que é soberana na vida dos seres humanos e de todas as outras criaturas, está claramente afirmada nas Escrituras. Os seres humanos são considerados como nada diante da ação soberana de Deus em suas vidas. Foi exatamente essa compeesão que o profeta Daniel teve desta matéria, quando disse: Todos os moradores da terra são por ele reputados em nada; e segundo a sua vontade ele opera com exército do céu e os moradores da tera; não há quem possa lhe deter a mão, nem lhe dizer: Que fazes? (Dn 4.35) Deus está no controle de tudo. Muitos cristãos, olhando a situação à sua volta, pensam que Satanás é o rei deste mundo. Mas o que a Escritura diz é exatamente o contrário. Deus está no absoluto controle do universo que ele criou. Todas as coisas que acontecem em nossa história são o produto de um plano previamente elaborado por Deus. Contém 674 páginas.

17. CÉSAR, Marília de Camargo. Feridos em nome de Deus. São Paulo: Mundo Cristão, 2009. Quando a fé se deixa manipular, pessoas viram presas fáceis de toda sorte de abuso. A confiança autêntica e sincera em Deus é gradualmente substituída pela submissão acrítica aos desmandos de lideranças despreparadas. Carentes de acolhimento são habilmente capturados pela manipulação emocional de líderes medíocres de plantão e ambos seguem de braços dados experimentando religiosidade fútil e meritória, barganhando a todo momento com Deus. Ao lidar com feridas não cicatrizadas, em seu debut literário, Marília revela a urgência de um novo tipo de liderança, não autocrática, e de um novo membro, mais confiante em Deus e menos dependente do pastor local, a fim de que o espaço da igreja seja saudável, criativo e curador. Contém 160 páginas.

18. CHAPMAN, Gary. Castelo de cartas. São Paulo: Mundo Cristão, 2009. Como qualquer relação, o casamento é pontuado por altos e baixos. Com exceção das pequenas crises conjugais, muitas vezes geradas por situações banais e corriqueiras, há quadros caóticos que precisam de tratamento urgente. Nessas situações, a pior atitude é afastar-se do problema ou ignorá-lo, fingindo que ele desaparecerá por conta própria. Quando a relação conjugal chega neste ponto, o senso comum sugere que se abandone o barco e parta em busca da felicidade, ou seja, divórcio. Entretanto, para aqueles que consideram o casamento mais do que um simples contrato, um grande desafio precisa ser enfrentado. Gary Chapman discute essas questões de extrema gravidade e que possuem enormes conseqüências sobre o casamento e a família em Castelo de cartas. Ele compartilha com o leitor diversos casos reais que conheceu durante os atendimentos em seu consultório, dispondo-se a discutir dez principais temas que, se não tratados a tempo e com firmeza, farão o casamento desmoronar: – irresponsabilidade – excesso de trabalho – quando o cônjuge é controlador ao extremo – falta de comunicação – abuso verbal – abuso físico – abuso sexual – infidelidade – alcoolismo e uso de drogas – depressão. O autor mostra por meio de casos reais que é possível, sim, salvar um casamento à beira do desmoronamento. Castelo de cartas é indicado para quem se recusa a viver uma relação infeliz e acredita que fazer a coisa certa é buscar a restauração do matrimônio. Contém 252 páginas.

19. CORDEIRO, Wayne. Atitudes que atraem o sucesso. Rio de Janeiro: Danprewan, 2002. O livro apresenta passos práticos para edificar valores e perspectivas internas que mudarão sua vida! Mostra os erros comuns que todos nós cometemos sem perceber, o que separa as pessoas bem-sucedidas dos eternos perdedores e derrotados, e como ser uma pessoa positiva, empreendedora, confiante e exitosa. Em sua forma de comunicação informal, Wayne Cordeiro mostra que os segredos da vida abundante são mais velhos do que pensamos. Precisamos apenas descobri-los, pois que estão, como pedras preciosas, incrustados na Palavra de Deus. O que o autor faz é guiar-nos até eles, com aquele seu humor característico, discernimento, encantadoras e profundas ilustrações da vida real. Este livro fará diferença em sua vida! Contém 168 páginas.

20. COSTA, Jease. Bem-aventurados os humildes. São Paulo: Abba Press, 2007. A moda hoje é ir para a igreja. Artistas, ex-BBs, ex-atletas, ex-famosos, encontram em muitas igrejas uma maneira de manter a majestade diante do povo, ainda que superficial. O Pr. Jease Costa, coloca o dedo nessa ferida para nos ajuda a tratá-la como se deve. Ora, quem vem pra igreja deve vir, antes de tudo, em espírito contrito de humildade e serviço cristão, não para fazer da igreja um novo palco para suas apresentações mundanas, agora travestidas de "espiritualidade". Oswaldo Paião - jornalista e editor. Li este livro e entendo que o Pr. Jease foi extremamente eficaz e profundo na abordagem do tema. Como precisamos nos policiar pela graça de Deus para não deixar o nosso ego tomar conta de nós e explodirmos por causa do orgulho. O modelo de Jesus lavando os pés de pecadores, é algo a ser seguido. Livro ótimo! Contém 140 páginas.

21. COVENTRY, Angela M. Compreender Hume. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. Este livro propõe uma apresentação acessível e unificada das contribuições mais importantes de Hume sobre a epistemologia e metafísica, de forma que não pressupõe qualquer familiaridade com Hume por parte do leitor. Mas apesar de ter sido escrito como um guia de orientação para o estudante iniciante, os debates acadêmicos em torno da filosofia de Hume não foram totalmente ignorados, pois foi feito o possível para manter o detalhe acadêmico num nível mínimo. Além disso, a autora também visita outras áreas do trabalho de Hume, especialmente suas opiniões sobre paixões, moral e religião. Contém 232 páginas.
22. CURY, Augusto. O Mestre da Vida - Coleção Análise da Inteligência de Cristo - Vol. 3. Rio de Janeiro: Editora Sextante. 2006. No livro Cury decifra as profundas mensagens deixadas por Jesus desde a sua prisão e o seu julgamento até a sua condenação à morte na cruz. Lançando uma nova luz sobre as passagens mais comoventes da Bíblia, ele nos faz redescobrir esse grande personagem que foi o divisor de águas da história da humanidade. Ele não usava armas nem tinha um exército atrás de si. Sua única arma eram suas palavras e atitudes. Quando falava, arrastava multidões, incendiava corações e destruía preconceitos. Quando navegamos nesse livro vemos um Jesus sem legalismos do farisaísmo e um Jesus que aproxima pessoas dele por causa do seu jeito sensível e amoroso de olhar para pecadores. O livro é excelente! Contém 166 páginas.

23. CURY, Augusto. O mestre dos mestres. Rio de Janeiro: Sextante, 2006. O livro trabalha a idéia de olharmos para a experiência e vida daquele que impactou o coração das pessoas pela sua sabedoria e paciência em lidar com todos. Jesus de Nazaré o carpinteiro que penetrava de maneira profunda o coração de seres humanos que necessitam de alguém ao seu lado. Contém 187 páginas. SILVA, Ricardo Agreste.

24. DAVIES, Eryl. Um Deus irado: o lugar do inferno na pregação. São Paulo: PES, 2009. O Dr. Davies afirma: “O lugar do inferno no ensino do Senhor Jesus Cristo supre os pregadores de algumas diretrizes úteis. O nosso Senhor referia-Se ao inferno com o propósito de exortar os crentes à obediência, encorajá-los na pregação, principalmente quando sofriam perseguição, e também no contexto do Seu ensino sobre a escatologia. É importante notar que tais referências ocorrem no contexto do ensino sobre todo o conselho de Deus, no ensino ministrado regularmente. Pergunto: o inferno ocupa um lugar semelhante a esse em nossos ministérios, com o fim de exortar, encorajar e ensinar os crentes? Estaríamos nós inculcando nos crentes a importância da eternidade e dos dois destinos, que confrontam todas as pessoas? O inferno tem lugar, até mesmo em nosso ministério para cristãos”. Contém 48 páginas.
25. ELLUL. Jacques. O Homem e o dinheiro. Brasília: Palavra, 2008. Jacques Ellul nos apresenta uma obra monumental sobre a relação do homem com o dinheiro. Você aprenderá como o dinheiro produz tristeza, sofrimento e angústia caso não seja dominado e impedido de nos transformar em servos subjugando-nos às suas regras e leis. Contém 180 páginas

26. FÁBIO. Caio. Um só Caminho. São Paulo: Abba Press, 2009. Essa obra, é uma espécie de "apresentação" aos que chegam às Estações do Caminho da Graça e pela compreensão do Evangelho, querem viver a simplicidade de algo que apenas deseja ser lugar-caminho de fomento da Palavra. Contém 160 páginas.

27. FOSTER, Richard & Gayle D. Beebe. Sedentos por Deus. Os sete caminhos da devoção cristã. São Paulo: Vida, 2009. “O que podemos mudar para que nossa vida se torne uma expressão do Espírito do próprio Cristo? Basta ter uma vida com Deus, um relacionamento interativo com ele, em que nossa vida se abra para a influência do Espírito Santo. Durante esse processo, o Espírito Santo dará início à vida dentro de nós e nos guiará por um processo interminável que nos irá moldar conforme a semelhança de Cristo”. Trilhe um dos caminhos da vida com Deus nestas páginas, seguindo os passos daqueles que vieram antes de nós. Pense na última experiência que você teve com Deus. Neste momento, você pode dizer que o conhece na intimidade, nas atividades do dia-a-dia? Quando experimentamos de fato o amor de Deus, sentimos o gostinho de sua vontade e de seu amor por nós, porém esses momentos quase sempre são passageiros. A vida nos distrai. Nosso conhecimento e nossa compreensão se apagam, enquanto nossa sede de Deus vai aumentando. Neste livro, você aprenderá como satisfazer esse anseio, pois desenvolverá a capacidade de receber o amor de Deus e corresponder a ele. A formação espiritual é o processo pelo qual nosso ser interior se abre para permitir a obra do Espírito Santo, que nos forma à imagem do Filho. Richard Foster e Gayle Beebe, líderes experientes em formação espiritual, apresentam a você cristãos que nos passado conheceram a Deus profundamente. Cada um deles irá ajudá-lo a trilhar um dos sete caminhos para a intimidade com Deus descobertos ao longo da história cristã. Escrito em segmentos curtos, cada um tratando de uma personagem, Sedentos por Deus é a leitura devocional perfeita. Esta rica fonte de devoção poderá guiar você à mesma intimidade profunda com Deus, preparando sua vida para a obra do Espírito Santo. O livro contém 376 páginas.

28. GONDIM. Ricardo. Sem perder a alma. São Paulo: Grupo MK de Comunicação, 2008. Ao ler textos de Ricardo Gondim, a presidente do Grupo MK de Comunicação, Yvelise de Oliveira, apaixonou-se por suas bem traçadas linhas. Daí, surgiu admiração, amizade e o convite para que a obra fosse lançada pela MK Editora. Sem Perder a Alma é um livro de crônicas em que o pastor da Igreja Assembléia de Deus Betesda e poeta disserta sobre inúmeros temas convidando o leitor à reflexão e levando-o pelo caminho da emoção sem apelação. Segundo o jornalista e blogueiro Sérgio Pavarini, os textos de Gondim combinam sensibilidade e franqueza em doses obrigatórias. Ed René Kivitz, pastor da Igreja Batista de Água Branca (São Paulo), vai mais longe: “São reflexões imprescindíveis àqueles que anseiam re-significar o evangelicalismo”, garante. É um dos lançamentos da MK Editora. Contém 198 páginas.

29. GRUN, Anselm & Meinrad Dufner. A saúde como tarefa espiritual. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. Pensar sobre a tarefa espiritual que a saúde representa nos ajuda a escutar melhor o nosso corpo, a reconhecer o sentido de nossas doenças e a lidar conosco com mais cautela e consciência. Este livro é um alerta para que prestemos mais atenção aos sinais que nosso corpo nos oferece e um convite para o desenvolvimento da arte cristã de um estilo de vida saudável que permita o reconhecimento do corpo como expressão da alma. Contém 120 páginas.

30. GRUN, Anselm. A caminho. Rio de Janeiro: 2009, Vozes. Viaja-se para se chegar a uma meta; caminha-se para estar-a-caminho. A vida é um caminho em que, passo a passo, cada um segue a sua estrada. Há caminhos errados, há desvios, há trechos áridos. Há caminhos árduos e brandos. E nós caminhamos e nos aproximamos uns dos outros. Nesse sentido, caminhar é uma maneira de exercitar a fé, de encontrar a fé ao caminhar. O autor nos revela a mística do caminhar e aprofunda o significado desta nova forma de espiritualidade. Contém 96 páginas.

31. GRUN, Anselm. As fontes da espiritualidade. Rio de Janeiro: Vozes, 2007. Este livro trata a espiritualidade como o caminho que favorece uma transformação do interior do ser humano rumo à transcendência. A idéia presente na obra é a de que, se não é possível reproduzir o caminho espiritual dos primeiros cristãos, ou dos primeiros monges, ao menos o conhecimento pode ajudar a encontrar o caminho. Contém 62 páginas.

32. GRÜN, Anselm. Bíblia – Reflexões e meditações. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. Através de uma seleção das mais significativas histórias extraídas dos livros bíblicos, o leitor vai conhecer a mensagem central da Sagrada Escritura. Para Anselm Grün, o segredo para uma leitura prazerosa da Bíblia é deixar que as palavras simplesmente caiam em nossos corações e degustá-las mesmo quando não podemos, à primeira vista, compreendê-las completamente. Para ler a Bíblia não é necessário conhecer todo o contexto teológico nem histórico de seu surgimento. O importante é confiar na Palavra! A palavra de Deus. O livro contém 160 páginas.

33. GRUN, Anselm. Chamados a viver o Evangelho. A espiritualidade dos conselhos evangélicos. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. Esta obra revela a surpreendente atualidade da sabedoria presente nos ensinamentos de Jesus que as Ordens Religiosas procuram viver através dos chamados conselhos evangélicos: a obediência, a pobreza e a castidade. Em meio a uma cultura que valoriza o individualismo, o consumo, o poder do "eu', a posse de riquezas e a satisfação de todas as vontades e prazeres, os conselhos evangélicos podem parecer desagradáveis e inadmissíveis. O objetivo dos autores é traduzir esses impulsos espirituais pra a linguagem de nossa época, relacionando-os às diferentes condições de vida daqueles que procuram viver mais profundamente o evangelho de Jesus. Contém 254 páginas.

34. GRUN, Anselm. Encontrar o equilíbrio interior. São Paulo: Vozes, 2009. Quando fazemos um balanço da vida, desejamos muito que realização e frustração, altos e baixos, estejam equilibrados. Todos desejamos permanecer em equilíbrio interior e, assim, impedir que a força gravitacional nos leve para baixo. Entretanto, este equilíbrio não é algo estático; ele é vivo e, por isso, dinâmico. Trata-se de buscar um balanço adequado entre as diferentes exigências que se impõem ao indivíduo. A formação para este equilíbrio é tarefa diária e a nossa lição, consiste em exercitar este equilíbrio. Os quinze breves capítulos desta obra ajudarão o leitor a amadurecer e desenvolver a capacidade de equilibrar os pólos que coexistem dentro de cada um de nós. Contém 168 páginas.

35. GRUN, Anselm. Os padres do deserto - temas e textos. Os Padres do Deserto viveram entre os séculos III e VI. Apesar de terem conhecimento do perigo que corre a humanidade, os monges primitivos eram otimistas. Acreditavam que não somos condenados a repetir o nosso assado ou sofrer por causa dele. Podemos abandonar nosso passado e caminhar para Deus. Esta obra reúne 20, dentre os mais de 1000 ditos dos Padres do Deserto, que transmitem a sabedoria dos monges. Na segunda parte, Anselm Grün se restringe a Evágrio Pôntico e principalmente a seu livro Praktikos e Sobre a oração. O livro contém 128 páginas.

36. HENDRICKS, Howard & William Hendricks. Como o ferro Afia o ferro. São Paulo: Vida Nova, 2006. O mentoreamento não é uma opção, mas uma necessidade. O Dr. Hendricks e Bill nos dão critérios profundos e práticos sobre a prioridade, o processo e a prática dessa necessidade vital na vida de todo homem. Tony Evans – autor, palestrante e pastor. Howard Hendricks toca num ponto crítico de uma questão crítica no mundo de hoje com uma clareza e a uma franqueza que atingem tanto a mente quanto o coração. Jerry Bridges – The Navigators. Não há alguém mais apto do que Howard Hendricks para tratar da questão tão urgente que é o mentoreamento. Com a ajuda do seu filho Bill, o professor Hendricks produziu uma obra de arte. Homens, comprem e leiam este livro! Vocês nunca mais serão os mesmos. Joseph Stowell – presidente do Moody Bible Institute. Contém 255 páginas.

37. HOUSTON, James. A felicidade. Brasília: Palavra, 2009. Em parte, este livro está sendo escrito porque eu mesmo não tenho sido feliz em muitas fases de minha vida. Ninguém nasce feliz, embora seja possível a todos atingir certo grau de felicidade. O livro tem 285 páginas.

38. HOUSTON, James. O criador - Vivendo bem no mundo de Deus. Brasília: Palavra, 2009. Este livro é para cristãos comuns que querem seguir em sua jornada rumo a um conhecimento mais profundo de Deus como Criador do céu e da terra. Contém 336 páginas.

39. HOUSTON, James. O desejo. Brasília: Palavra, 2009. Este livro mostra o sentimento de desejo, que é o incessante pulsar da vida humana. O que ansiamos determina o escopo de nossas experiências, profundidade de nossas percepções, os padrões com os quais julgamos e a responsabilidade com que escolhemos nossos valores. Contém 313 páginas.

40. JONES, D. Martyn Lloyd. O segredo da bênção espiritual. São Paulo: Editora dos Clássicos, 2002. É uma das grandes obras escritas pelo renomado Dr. D. Martyn Lloyd-Jones. Trata-se da compilação de uma série de sermões expositivos pregados na capela de Westminster, em Londres, Inglaterra, tomando por base todo o capítulo dois do Evangelho de João. Escrito de maneira clara, vigorosa e contagiante, que é o estilo inconfundível do autor, ele faz uma magistral apresentação de quem é Jesus, sua natureza e obra. Nesse precioso relato do apóstolo João, destaca Lloyd-Jone: “Há uma mensagem de vida que nos alcança em meio aos nossos problemas e perplexidades, uma vida mais que superabundante está à nossa disposição através de Jesus Cristo e somos designados a desfrutá-la em cada momento”. É um livro imprescindível, pois vivemos numa época em que vemos em todo lugar pessoas entristecidas, amarguradas e buscando um sentido em sua vida. Ele nos apresenta grandes desaios. Um deles é compartilhar a grande bênção da vida abundante com tais pessoas. Também confronta a espiritualidade vazia que impera em muitos círculos cristãos. Que tipo de cristão somos nós? Em que consiste nosso cristianismo? Qual é o segredo da bênção espiritual? Você está disposto a aceitar as bênçãos da vida abundante nos termos que Deus Pai as apresenta? Ou somos influenciados pela popular e iníqua idéia de “exigir de Deus” que Ele faça aquilo que queremos, caindo no pecado da impaciência e presunção? Estas e outras perguntas são respondidas habilmente neste maravilhoso livro. Desejamos que sua leitura o auxilie a obter da plenitude de Cristo e de sua Graça, pois ambas adoçam as mais amargas águas da vida. Contém 307 páginas.

41. JONES, Martyn Lloyd. A mensagem da cruz - O caminho de salvação de Deus. Brasília: Palavra, 2009. Um excelente livro que fala da perspectiva profunda do derramamento de sangue do nosso Senhor Jesus em favor de pecadores que não merecem o amor de Deus. Livro ótimo!!! Contém 212 páginas.

42. KIZZIAR, Dennis. Vencendo as crises. Uma abordagem bíblica e objetiva diante das adversidades Brasília: Palavra, 2006. A crise existencial tem levado inúmeras pessoas ao sofrimento e à desistência da luta contra seus problemas - fato esse causador, até, de danos à saúde física e emocional. Onde, então, encontrar força e fé para vencer essas crises? Como aprender a conviver com elas? Vencendo as Crises, oferece respostas sólidas e práticas a essas anomalias. O autor volta ao passado e navega pela admirável vida do homem de Deus, José, ensinando-nos a suportar as adversidades, a vencer as crises e a lidar com situações envolvendo: * hereditariedade; * mal-entendidos; * adversidade; * tentação; * obscuridade; * prosperidade; e amargura. Este é um livro realista, prático e bíblico. Sua vida será transformada por meio da leitura e estudo de seus conceitos. O livro contém 102 páginas.
43. KORNER, Reinhard. O que é oração interior? Rio de Janeiro: Vozes, 2009. A oração pode assumir as mais diversas formas. O que importa é o fato da oração interior encontrar-se conectada com uma especial vivacidade e atenção interior. O autor concebe a "Oração Interior" como esta postura espiritual que deve acompanhar-nos durante todas as situações do cotidiano. Reinhard Körner nos oferece indicações práticas para uma prática viva da oração em todos os momentos. Contém 104 páginas.

44. KREPPOLD, Guido. Entendendo os Dogmas- A roupagem humana das verdades de fé cristã. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. A palavra "Dogma" costuma carregar consigo um sentido bastante pesado e negativo. Como conceito, soa para muitos como algo que prejudica a liberdade de pensamento. No âmbito da igreja, no entanto, o Dogma está relacionado à expressão da mensagem de Jesus Cristo e ao fundamento da unidade e da comunidade. Guido Kreppold resgata novamente seu sentido profundo e nos faz redescobrir o tesouro vivo e essencial da fé da Igreja. Os dogmas são, para este experiente psicólogo, pilares centrais da fé que, ao seu modo, proporcionam liberdade, embora, ou exatamente porque eles tratem de algo incontestável. O livro tem 136 páginas.

45. LADD, George Eldon. A teologia do Novo Testamento. São Paulo: Hagnos, 2003. Finalmente temos em português, uma teologia do Novo Testamento que, sem desprezar a erudição clássica e contemporânea, oferece uma opção inteligente e honesta dentro da linha conservadora. George Eldon Ladd consegue reunir neste volume o que há de melhor na pesquisa da teologia do Novo Testamento. Sua abordagem, bem documentada quanto às fontes utilizadas, sem prejuízo da parte didática, demonstra de modo vivo e claro os principais problemas e perspectivas de solução no domínio dos documentos básicos da fé cristã que, posteriormente foram identificados como um cânon especial sob o título de Novo Testamento. As influências do contexto histórico e cultural vivido pelas testemunhas, da herança vetero-testamentária de idéias básicas da fé cristã, o colorido particular de cada autor com sua interpretação dos fatos pertinentes à pessoa de Jesus Cristo, são relacionados num todo coerente e agradável. Mais e melhor: as discussões teológicas não conseguem apagar o profundo comprometimento do autor com a obra iniciada por aquele que dividiu a história humana: Jesus Cristo. O arranjo da obra segue uma sequência tópico-fundamental abrangendo: Os Evangelhos Sinópticos; O Evangelho de João; A Igreja Primitiva; O Apóstolo Paulo; As Epístolas Gerais; O Apocalipse. Farta e seleta orientação bibliográfica é fornecida ao longo dos capítulos. De sua leitura, pastores, professores de classe e líderes de igrejas muito lucrarão na preparação de sermões, palestras e estudos bíblicos. Contém 904 páginas.

46. LEWIS, C S. As crônicas de Nárnia - O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa. São Paulo: Martins Fontes, 2006. Ele relata as aventuras ocorridas em 1940 na Inglaterra, 40 anos após o que seria o início da saga descrita em O Sobrinho do Mago (1955). Em Nárnia já haveriam se passado mil anos, modificando, portanto, a maioria dos personagens da aventura anterior, com exceção do leão Aslam e da rainha Jadis, agora conhecida como Feiticeira Branca. A diferenciação do tempo entre os dois universos é muito utilizada por Lewis, deste modo, os mesmos personagens voltam a Nárnia em épocas diferentes, e suas aventuras anteriores são narradas como lendas. O livro contém 180 páginas.

47. LOPES, Augustus Nicodemus. O que estão fazendo com a Igreja. São Paulo: Mundo Cristão, 2008. Desde 2005, três amigos se revezam nos comentários sobre os mais diversos assuntos que se referem à vida da igreja e à sociedade. Em comum, a pena afiada, a identidade reformada e o zelo pela fé cristã. O palco escolhido por Augustus Nicodemus, Mauro Meister e Solano Portela é o blog O tempora, O mores (Que tempos os nossos! E que costumes), referência à célebre frase de Cícero (106-43 a.C). Dentre as centenas de textos postados por eles, Augustus Nicodemus selecionou alguns dos seus para se projetarem além da blogosfera, e assim oferecer suas percepções sobre a igreja evangélica e sobre o que entende ser a ascensão e queda do movimento evangélico brasileiro. Liberais, neo-ortodoxos, libertinos e neopentecostais, não escapam da escrita certeira de Augustus, cujo objetivo com a publicação de O que estão fazendo com a igreja vai muito além da simples (e saudável) polêmica. Seu desejo é fortalecer os que insistem em seguir a fé bíblica conforme entendida pelo cristianismo histórico. Sem esquecer as mazelas de conservadores, fundamentalistas e neopuritanos, Augustus traça um panorama do complexo cenário evangélico com a firmeza que lhe é peculiar.Contém 208 páginas.

48. LOPES, Hernandes Dias. A miséria humana no tribunal da misericórdia. Vol. III. São Paulo: Arte Editorial, 2009. O homem não tem de fazer nada para ir para o inferno. Com suas virtudes e predicados morais, ele é um pecador perdido. Mesmo sendo religioso e honrado cidadão ele está condenado, se não crer em Jesus. Não é preciso roubar, matar, adulterar. Todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus. Para ir para o céu é preciso nascer de novo. É necessário crer em Cristo como Senhor e Salvador. Contém 60 páginas.

49. LOPES, Hernandes Dias. A poderosa voz de Deus. São Paulo: Hagnos, 1999. Deus é tremendo em seu falar. Suas palavras estão por toda parte. No vento, no mar, no raio, no trovão, com conselho de um pai, no carinho de uma mãe, na leitura de um livro, na letra de um hino e em tantos outros lugares quanto a mente possa imaginar. De forma criteriosa, o Pastor Hernandes Dias Lopes descreve isso em seu livro, mostrando que Deus é singular em sua comunicação a ponto de utilizar sempre uma forma diferente e poderosas para nos dizer algo especial. É possível perceber que Ele assim fez com Jonas, com Paulo, com Balaão, com líderes de todos os tempos, com seus servos e até mesmo com inimigos do seu povo, a exemplo de faraó no Egito. Em A Poderosa Voz de Deus você vai descobrir e conhecer as mais variadas manifestações que o Senhor do Céu e da Terra usa para nos falar. Vai entender e observar que é possível ouvir suas palavras nos atos mais simples da natureza. Vai aprender e se emocionar. Neste livro você vai ver e ouvir a poderosa voz de Deus atuando em sua vida. Contém 76 páginas.

50. LOPES, Hernandes Dias. Como conciliar os decretos de Deus com a oração. Vol. II. São Paulo: Arte Editorial, 2009. Quem nunca ouviu ou nunca fez uma das seguintes perguntas: Como entender a finalidade da oração dentro do decreto de Deus? Se tudo já foi decretado antes da fundação do mundo, qual é o papel da oração na vida do crente? Se Deus sabe todas as coisas, por que devo orar? Se você já fez ou já ouviu alguma dessas perguntas, então este livro foi feito para você. Com certeza, você será enriquecido e receberá munição para responder e auxiliar aqueles que fazem as mesmas inquirições. Essas e outras perguntas inquietaram muitos cristãos e ainda continuam a provocar muitas indagações pelos cristãos contemporâneos. Porém, finalmente, a luz raiou em nossa pátria. Deus jamais deixa os seus eleitos na escuridão da ignorância. Este é o volume 2 da Coleção Grandes Temas da Fé Cristã, escrita pelo Rev. Hernandes Dias Lopes, autor já consagrado pelos leitores no Brasil e no exterior. Outros títulos da Coleção: Como enfrentar o sofrimento vitoriosamente A miséria no tribunal da misericórdia O povo mais feliz da Terra A missão da paternidade Evangelização: programa ou estilo de vida? Como ser um crente cheio do Espírito Santo? Absalão, o pai da paz Filosofia, a bomba das idéias. Contém 64 páginas.

51. LOPES, Hernandes Dias. Como enfrentar o sofrimento vitoriosamente. São Paulo: Arte Editorial, 2009. Através do sofrimento vindo de Deus para a nossa caminhada, percebemos mais o quanto a sua graça se multiplica, quando cremos que os espaços vazios da nossa vida, são preenchidos pela ação de Deus, ou quando entendemos que o nada é a substância essencial para Deus fazer algo de especial na nossa vida. Vivendo sob a graça de Deus, nós passamos a compreender que o pouco é necessário para Deus fazer muito na nossa vida mesmo no meio da dor e sofrimento. A verdade é que os espinhos na alma são importantes para vermos a graça do Pai sendo derramada em nosso coração. O livro contém 100 páginas.

52. LUCADO, Max. Sem medo de viver. Por meio de histórias atuais e intrigantes, o autor apresenta um ponto de vista mais humano sobre o mundo que nos cerca, sem deixar de lado seu jeito amigável de recontar as histórias bíblicas. Trata-se de uma leitura recomendada para todos que estão encarando desafios, mudanças, insegurança ou algo totalmente desconhecido. Em outras palavras, é um livro para qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo. “Neste livro, como um excelente mestre, Max Lucado nos ensina a navegar nas águas da emoção e a enfrentar alguns tipos de medo que todos nós, mais cedo ou mais tarde, atravessaremos”. Augusto Cury, autor de O código da inteligência. Número de páginas: 216.

53. MACARTHUR, John. A parábola do filho pródigo. Uma análise completa da história mais famosa que Jesus contou. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2009. Um dos trechos bíblicos mais conhecidos serviu de inspiração para o lançamento da Thomas Nelson Brasil escrito pelo conferencista norte-americano John MacArthur. “A Parábola do Filho Pródigo – uma análise completa da história mais famosa que Jesus contou” é resultado de anos de reflexão sobre a narrativa bíblica que fala de um pai e seus dois filhos e acaba de chegar ao Brasil. Considerada por Charles Dickens a maior de todas as pequenas histórias já contadas, a parábola serviu de inspiração para Sheakspeare escrever “O Mercador de Veneza” e “Henrique IV”. De acordo com MacArthur, ela tem muito a ensinar tanto a cristãos quanto a pessoas de outras religiões. “A história do filho pródigo não é uma mensagem calorosa e bonitinha feita para nos sentirmos bem, mas uma poderosa chamada, um aviso muito importante”, explica o autor. MacArthur apresenta a parábola sob a ótica do pai, do filho pródigo e do filho mais velho, que se sente enciumado quando o pai recebe o filho rebelde de volta. O livro traz, ainda, detalhes esquecidos da parábola e a contextualiza historicamente. Para ele, existe um motivo pelo qual essa história tão curta toca os corações de tantos ouvintes: “Nós nos reconhecemos nela. O filho pródigo representa um típico pecador que se arrepende. A paciência, o amor, a generosidade e a alegria do pai pelo retorno do filho são emblemas claros e perfeitos da graça divina”, argumenta. Contém 300 páginas.

54. MACARTHUR, John. A sós com Deus- O poder e a paixão pela oração. Brasília: Palavra, 2009. O Dr. Martyn Lloyd-Jones disse algo precioso sobre a oração: A oração é sem sombra de dúvida a mais elevada atividade da alma humana. O homem se encontra no seu melhor e mais elevado estado quando, de joelhos, fica face a face com Deus (p.07). A essência da oração é simplesmente falar com Deus como faríamos com um amigo querido. Isto sem qualquer fingimento ou medo. Mas, o fato é que o maior problema dos cristãos hoje é que oram pouco. Falam pouco com o dono da vida e da respiração. Isto acontece porque para a vida de muitos a oração foi substituída pela ação pragmática. O autor nos chama a atenção para a necessidade da oração como meio de sobrevivência espiritual. O livro contém 198 páginas.

55. MACARTHUR, Jr. John. Princípios para uma Cosmovisão Bíblica. São Paulo: Cultura.Cristã, 2003. 'Uma ensagem exclusivista para um mundo pluralista. Este pequeno livro deve ser um lembrete da distinção do evangelho. Justamente esta estreiteza coloca o Cristianismo à parte de qualquer outra cosmovisão. Afinal de contas, o ponto central do sermão melhor conhecido de Jesus foi declarar que a estrada para a destruição é larga e cheia, enquanto que a estrada da vida é tão estreita que poucos a encontram (Mt 7.14). Nossa obrigação é apontar a estrada tão estreita. Cristo é, ele mesmo, o único caminho para Deus, e obscurecer o fato é, na realidade, negar Cristo e desacreditar o evangelho em si. O livro contém 106 páginas.

56. MANNING, Brennan. Confiança cega. São Paulo: Mundo Cristão, 2009. O livro recupera a contundente mensagem de sua obra-prima para revelar quanto Deus se agrada quando depositamos nele nossa confiança e desistimos do perfeccionismo neurótico que projeta padrões inalcançáveis de santidade. Manning reconhece que confiar beira o heroísmo, pois nada mais difícil do que lidar com nossa impotência diante de certas decepções e certos desafios da vida. Confiar é a solução para o coração maltrapilho. Nas palavras do autor, “a confiança é nossa dádiva que devolvemos a Deus, e ele a considera tão maravilhosa que Jesus morreu por amor a ela”. "O livro é uma combinação que pode nos surpreender à primeira vista. A qualificação “cega” pode referenciar o “absoluto”, o “irrestrito”, o “sem medida”. Mas é bem nesse ponto que vemos pela primeira vez a competente abordagem que Manning faz do assunto, pois, ao nos conclamar a uma “confiança cega”, ele está realmente se opondo à “autopiedade” que contamina a cultura moderna. Ele nos chama a uma confiança que se recusa terminantemente a fazer da autopiedade o maior bem da vida. Este livro é de fato um ataque frontal a todos os pecados egocêntricos de nossos dias: auto-indulgência, vontade própria, serviço em causa própria, louvor dirigido a si mesmo, autogratificação, justiça própria, auto-suficiência e outros do mesmo gênero" (Richard Foster). O livro contém 189 páginas.

57. MAXWELL, John C. A Atitude Vencedora. Descubra a chave do sucesso pessoal e profissional. Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2009. Você está cansado de lidar com o sentimento de derrota ou ser o “segundo” melhor em tudo o que se propõe fazer? Você pode mudar esse quadro agora! Em A atitude vencedora, John Maxwell compartilha insights da vida real, mostrando como reconhecer a atitude vencedora e superar as dificuldades da vida, conquistar pessoas e transformar problemas em oportunidades. Você pode desenvolver uma atitude que traz coragem e sucesso! O livro contém 224 páginas.

58. MCGRAFH, Alister. Introdução à espiritualidade cristã. São Paulo: Vida, 2008. Em Uma introdução à espiritualidade Alister McGrath traz significativa contribuição para se compreender e apreciar o legado da espiritualidade cristã clássica. O autor apresenta um trabalho que demonstra a vital importância da teologia espiritual para a revitalização da Igreja no início do século XXI e para os que desejam desenvolver uma vida cristã genuína. Este texto atende à necessidade de uma introdução clara, informativa e bem escrita ao tema da espiritualidade cristã. Alister McGrath apresenta esta área da teologia cristã como uma das mais sérias e importantes a serem estudadas. Aqui o autor se baseia em temas e textos ímpares da prática e do pensamento cristãos como resultado da experiência de sete anos de ensino. Escrita de modo acessível e testada em sala de aula, esta obra: • Evita uma abordagem puramente histórica e árida do tema. • Encoraja à leitura das fontes primárias de textos importantes do cristianismo na seção Estudos de caso. • Inclui a análise essencial da relação entre teologia e espiritualidade, com foco nos sete principais temas sobre o assunto. • Pode ser usada em estudo individual e em grupo e também em sala de aula. Contém 322 páginas.
59. MUELLER, Enio. Teologia cristã em poucas palavras. São Leopoldo - RS: Teológica, 2005. O propósito deste livro é ser uma pequena introdução à teologia cristã. Tem um capítulo para cada uma das divisões clássicas da Teologia Sistemática. Tentei me concentrar naquilo que, a meu ver, é fundamental e mais necessário. Os três textos aqui reunidos foram originalmente preparados para ocasiões bem concretas e específicas, e posteriormente retrabalhados numa perspectiva de conjunto. No processo, perderam também parte de seus contornos intra-eclesiais, assumindo um horizonte de ecumenicidade a partir do fundamento comum do evangelho. É sempre um risco para a teologia, se perder nos meandros de uma multidão de detalhes e obscurecer a percepção do que é realmente essencial. Por isso, vale a pena fazer o exercício de tentar captar este essencial e dizê-lo em poucas palavras. O livro contém 110 páginas.

60. NOUWEN, Henri. Conversa espiritual. Brasília: Palavra, 2009. Para variar um pouco, sempre aprendemos algo novo com Nouwen. sua espiritualidade e coração sensível mexe com a nossa estrutura. Vale a pena ler este pequeno livro editado pela Palavra.Contém 76 páginas.

61. NOUWEN, Henri J. M. Sinais de vda. São Paulo: Paulinas, 2009. Sinais de vida é um inspirador livro sobre a identidade individual e comunitária do cristão, escrito a partir da experiência da Comunidade da Arca, entidade que acolhe e assiste pessoas com deficiências, fundada pelo filósofo canadense Jean Vanier. Levado pela observação de que vivemos dominados pelo medo instilado por aqueles que detêm o poder - o que nos torna pessoas ansiosas, nervosas, preocupadas -, o autor propõe a busca pelos sinais que podem gradualmente nos fazer vencer os temores e deixar que o amor nos guie: intimidade, fecundidade e êxtase. Mencionadas por Jesus no discurso de despedida de seus discípulos, como se pode ler no Evangelho de João, essas três palavras descrevem a vida na casa do amor. A obra exprime uma profunda mensagem de esperança, que aponta o caminho da liberdade, da alegria e da felicidade que conduz à vitória sobre os equívocos da mentalidade predominantemente competitiva e pragmática da atualidade. Número de Páginas: 128.

62. OWEN, John. Triunfo sobre a tentação. Brasília: Palavra, 2009. Este livro aborda três de suas obras de teologia prática: Da Mortificação do Pecado nos Crentes(1656) - Da Tentação(1658), e A Natureza, o Poder, o Engano e a Prevalência do Pecado que Habita o Interior(1667). Esta obra editada pelo Dr. James M. Houston, nos fala através dos séculos e nos chama a recuperarmos os conceitos de pecado e de responsabilidade individual que nosso mundo não têm feito outra coisa senão esquecer. O livro contém 270 páginas.

63. PAGANELLI, Magno. É cristã a igreja evangélica? São Paulo: Arte Editorial, 2009. A pergunta que dá título a este livro soa estranha ou, mesmo, contraditória. Mas, considerando a exortação do apóstolo Paulo, quanto à existência de ''outros evangelhos'', a pergunta torna-se adequada e a reflexão, urgente. Dentre as questões que o cenário eclesiástico nacional suscita, destacam-se algumas por sua relevância: • O evangelho que sustenta e ''inspira'' determinadas práticas e modelos atuais é o mesmo pregado por Jesus Cristo? • A tradição, que certamente possui seu valor, tem protegido os cristãos do assédio do pecado? Ou tem, ela mesma, forçado a Igreja a um compromisso exclusivista e alienante da sua relação com texto bíblico? • De que modo os ''donos de igrejas'' têm adotado manobras para consolidar impérios pessoais, em vez de se ocuparem com o Reino de Deus? Alguns dos problemas que podem ser vistos hoje, na Igreja, são recorrentes; manifestaram-se no passado, apenas com outra roupagem. Como então identificar seus modernos disfarces, em meio a tanta aparência de piedade? “Este texto conduz-nos à reflexão sobre a tríplice base de diagnóstico, a partir da qual a Igreja brasileira pode começar sua reforma interna: o excesso de institucionalização nos setores reformados; a visão de “império pessoal” e não de Reino de Deus; a falta de “preparo para preparar”, ou, descaso com Palavra de Deus como única autoridade de fé e prática. Tenho certeza de que esse texto nos ajudará a refletir sobre os caminhos de uma igreja que precisa se repensar. Contém 98 páginas.

64. PARANAGUA, Glenio Fonseca. A oliveira enflorada. A frutificação do Espírito. Esta obra aborda, com bom gosto, a frutificação espiritual na vida dos filhos de Deus. Londrina: Ide, 2007. É uma leitura atraente e untada com bom humor. Algumas pessoas têm dificuldades em distinguir o fruto do Espírito Santo dos dons espirituais. Há também aqueles que confundem os dons com os poderes latentes da alma, causando muita confusão na aldeia cristã. O autor aqui procura mostrar que o fruto do Espírito está no singular e não no plural, contudo brota com oito atributos específicos, enquanto os dons são vários e com variadas demonstrações. Nem todos têm os mesmos dons, mas todos os filhos de Deus produzem o mesmo fruto. O fruto do Espírito é o amor e o da oliveira é a azeitona. A oliveira é um tipo do Espírito Santo, que em lugar de azeitonas produz o amor no viver dos santos. Assim como o fruto da oliveira tem um conteúdo oleoso, assim, o Amor, fruto do Espírito, tem também atributos ungidos que qualificam o testemunho do cristão. O amor ágape é a marca registrada que identifica o cristão verdadeiro. Vá em frente e veja se esta é a sua impressão digital, como filho de Deus. Contém 128 páginas.

65. PARANAGUÁ, Glenio Fonseca. O crime da letra. Jó – A história da justiça injustificada na salvação da alma justa. Londrina – PR: Ide, 2009. O exame da Escritura sem a revelação da pessoa de Cristo é uma sopa de letras. Há uma multidão de famintos catando exegese sem conseguir matar a fome espiritual. Esta é a proposta de Glenio neste livro, fazer uma exegese no livro de Jó da maneira mais cuidadosa possível. O livro contém 120 páginas.
66. PARANAGUÁ, Glenio Fonseca. O meu cálice transborda. Londrina - PR: Ide, 2006. Muita gente vive, hoje em dia, com peso em excesso na sua bagagem espiritual. Há uma crença de halterofilista provocando desistência da marcha cristã em muita gente fraca e, ao mesmo tempo, arrogância naqueles estivadores que conseguem algum desempenho. A religião do peso pesado é responsável pelo sofrimento de uma multidão que não obtém bom resultado, bem como a soberba dessa turma que parece ter alcançado o primeiro lugar no pódio. Vida cristã, todavia, é de pouco peso. Segundo Jesus, ainda que se tenha muita tribulação neste mundo, o seu jugo é suave e a sua carga é leve. O fato principal desta caminhada sem contrapeso é a plenitude da graça que abastece a experiência dos filhos de Deus. Por mais lutas que se nos deparem e por mais dificuldades que passemos aqui e agora, nada pode exceder à provisão da graça que nos foi dada em Cristo com fartura. O Meu Cálice Transborda é um desfrutar maravilhoso dessa surpreendente graça de Deus revelada através da pessoa sublime de Cristo Jesus. Este é um livro que você não pode deixar de ler, a fim de se deleitar nesta multiforme graça do nosso Pai celeste. A Bíblia mostra que onde houve o excesso arrogante do pecado, houve a efusão da graça transbordante. No reino de Deus não há escassez de suprimento. Além disso, a vida que leva a esse reino não passa por um posto de pedágio, mas pelo Arco do Triunfo, onde os peregrinos recebem seu passaporte sem qualquer ônus e com todas as vantagens de um cidadão celestial. Todavia, não há graça permissiva, muito menos encabrestada. Ainda que sejamos inteiramente livres, ela nunca financia a lascívia. O Meu Cálice Transborda é uma exposição estimulante da graça surpreendente que equilibra os dois lados da questão: a graça protegida pelo medo da libertinagem com a graça escancarada em que tudo é permitido. É uma leitura desafiadora. O livro contém 93 páginas.

67. PETERSON, Eugene. O caminho de Jesus e os atalhos da igreja. São Paulo: Mundo Cristão, 2009. Definitivamente, ele não é uma obra para ser consumida com avidez despretensiosa. O texto de Eugene Peterson tem de ser saboreado pouco a pouco, de modo a ganhar significado e relevância. Há, contudo, um senso de urgência que não pode ser negligenciado: estamos muito distantes do padrão bíblico de santidade, até mesmo porque ser santo não está na moda. Como que numa conversa tête-à-tête, Peterson explica o significado da metáfora caminho (muito mais que uma “estrada para Céu”), e suas diferentes implicações na construção de um estilo de vida cristocêntrico, ao revelar como Abraão, Moisés, Davi, Elias e Isaías ajudaram a preparar o caminho de Jesus. A amplitude de significados se descortina à medida que Peterson nos auxilia na interação com o texto bíblico, traduzindo em sua totalidade o real significado de "caminho". Neste ponto, seguir a Jesus é muito mais que adotar um manual de boas maneiras com direito a passaporte para a vida eterna. Transformou-se na construção de um estilo de vida fundamentado nos valores do Reino, e livre da influência conceitual de certo e errado imposta pela sociedade contemporânea.

68. PETERSON, Eugene. Espiritualidade subversiva. São Paulo: Mundo Cristão, 2009. Peterson inicia afirmando que o livro de Marcos é fundamental para a espiritualidade cristã; trata da importância de se escutar a voz de Deus; ensina a trilha da verdadeira espiritualidade; fala sobre anjos e a função do seminário para a formação espiritual. Estudos bíblicos: Isaías, Jeremias, Apocalipse e a ressurreição são alguns dos temas trabalhados nesta parte do livro. Poesia: As bem-aventuranças interpretadas em forma poética. Leituras pastorais: ele analisa o ministério pastoral: fala sobre a função do pastor, os perigos que ele corre por estar sob os holofotes, os falsos mestres que estão por aí como lobos em pele de cordeiro, e cita grandes nomes da teologia, a começar pelo apóstolo João. Conversas: Esta última parte reúne uma série de entrevistas, conversas, que diversas pessoas tiveram com o autor. É um mosaico composto de artigos, estudos, leituras e entrevistas que revelam quão indispensável é a teologia espiritual como fonte de renovação da cristandade. Contém 320 páginas.

69. PINK, Arthur W. Os sete brados do Salvador na cruz. São Paulo: Arte Editorial, 2009. A. W. Pink, cujos escritos têm despertado o interesse de novos leitores em anos recentes, faz uma exposição profunda, e ao mesmo tempo clara, a respeito das sete declarações feitas por Jesus durante as horas em que ele esteve crucificado. A partir de cada uma dessas declarações, A. W. Pink argumenta, com muita profundidade e clareza, as implicações teológicas, doutrinárias e práticas, fruto de uma elaboração que considera o todo da obra de Cristo e da revelação das Escrituras. É, sem dúvida alguma, um texto relevante para o cristão no século 21, tão carente de referenciais bíblicos sólidos, diante da pregação triunfalista que apresenta um cristianismo irreal e promete um estilo de vida estranho aos propósitos do Senhor para cada um de seus filhos. Contém 160 páginas.

70. PIPER, John e Justin Taylor. O sofrimento e a soberania de Deus. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2008. Para todos aqueles que não vivem uma vida tranqüila, para todos os que chegaram ao ponto da exaustão, para todos os que foram traídos por pessoas aparentemente piedosas, para todos os que se perguntam se conseguirão seguir em frente, o sofrimento e a soberania de Deus será como pastos verdejantes e profundas águas tranqüilas. Esta não é outra obra teológica que complica o que parece ser um paradoxo irreconciliável; é um livro que brota da experiência prática e aplica a Escritura ao mundo real em que vivemos. Jerry Rankin, Presidente da Southern Baptist International Mission Board. Este livro o desafiará a crer que Deus é verdadeiramente soberano, não somente no seguro céu da inquirição teológica, mas também na desordem dolorosa da vida real. Você será encorajado a viver mais consistentemente pela graça de Deus e para sua glória. Contém 223 páginas.

71. PIPER, John, J. MacArthur, R. C. Sproul. Apascenta o meu Rebanho. São Paulo: ultura Cristã, 2009. A pregação bíblica está perto do extermínio em nossos dias. Há somente momentos para "compartilhar", "sugerir", repletos de casos e de pregações voltadas para suprir "necessidades emocionais". Mas a exposição da Palavra de Deus com autoridade é algo cada vez mais raro de se encontrar. Este livro é um apelo aos pregadores para que "preguem a Palavra". No Antigo Testamento, Deus se desagradou por seu povo estar perecendo por falta do conhecimento dele mesmo. Com muita frequência, aqueles que foram chamados para alimentar o rebanho de Cristo fazem pouco mais do que afagá-los, em vez de alimentá-los com a Palavra de Deus. Esta obra é para pastores e pregadores. Ela encoraja os pastores a honrar seu chamado. Ela guiará as igrejas a auxiliar seus pastores para que mantenham este padrão bíblico. Todo ministro da Palavra de Deus irá tirar proveito da leitura em oração deste livro. O livro contém 176 páginas.

72. PIPER, John. Graça futura. São Paulo: Shedd, 2009. O caminho para prevalecer sobre as promessas enganosas do pecado. O poder purificador de se viver pela fé na Graça Futura. "O propósito do pastor Piper ao escrever este livro é revitalizar o decadente cristianismo que só conhece a graça barata e a fé barata. Impregnado da Bíblia, embebido de Deus, profundamente evangélico e apaixonadamente humano, Piper preenche as dimensões esquecidas da fé, esperança e contentamento, estabilidade e santidade, a apreciação de Deus e o louvor a ele, com mão de mestre. Este é um livro rico e sábio, um livro para ser apreciado e relido". Contém 384 páginas.

73. RAMOS, Ariovaldo. Ação da igreja na cidade. São Paulo: Hagnos, 2009. Os ajuntamentos de núcleos humanos a que chamamos "cidades" seja qual for seu modus vivendi, são os locais onde devemos instalar nossas bases. Assim quem quiser ganhar uma nação para Cristo deverá fazê-lo cidade por cidade, uma vez que estas são o objeto básico do projeto da Igreja. Contém 80 páginas.

74. RAMOS, Ariovaldo. Romanos: uma carta para a cidade. São Paulo: Betesda, 2008. Muitos eruditos já produziram comentários sobre a Carta aos Romanos: Barth, Brunner, Lloyd-Jones, Stott, entre outros, sempre com uma abordagem Exegético-Teológica.Nesta obra, porém, o autor faz uma abordagem totalmente nova, quase que devocional, da epístola do apóstolo Paulo.A vantagem disso é que temos um livro contemporâneo, que valoriza os aspectos práticos do viver cristão nele apresentados. Romanos é uma carta que Paulo escreve para apresentar-se, isto é, discorrer sobre seu ministério e entendimento do evangelho, que são suas credenciais...E o nosso desejo, nestes dias difíceis, é que Deus também nos confirme, que nos mantenha fiéis a si, que nos mantenha na paz, pregando o grande mistério de que Deus estava em Cristo reconciliando consigo o mundo’, diz Ariovaldo Ramos, que é missionário e teólogo dos mais respeitados da comunidade evangélica brasileira. Contém 120 páginas.

75. RENA, Lili. Luther King - Peregrino da Liberdade. São Paulo: Paulinas, 1997. Numa linguagem simples e acessível, a obra narra a vida de Martin Luther King. Mostra a procura incansável pela paz, promovendo a não-violência e pregando a igualdade de direitos entre as raças. Contém 80 paginas.

76. RIBEIRO, João Ubaldo. O Sorriso do Lagarto. São Paulo: Record, 1989. Romance escrito em 3ª pessoa - ambientado na Ilha de Itaparica na Bahia. É descoberto na ilha por pescadores locais (João Pedroso - sociólogo amador) e Pe Monteirinho o envolvimento de Lúcio Nemésio (médico pesquisador) com Engenharia Genética; criação de monstros em laboratório. O caso é denunciado porém, por falta de credibilidade e provas é abafado! João Pedroso é morto por ter envolvido com Ana Clara, mulher de Ângelo Marcos. Trecho ...diz dr. Lúcio Nemésio: "-Os animais tem alma? Animal, animal, todo mundo sabe disso. Então só tem alma etimológica ou têm alma mesmo? A alma é privativa dos mamíferos superiores? Dos primatas?" Preste Atenção - Na humanização dos animais: "O Sorriso do Lagarto". - Na animalização dos humanos: Ângelo Marcos, homem sem caráter e de instintos irreprimíveis! Sinceramente falando, o livro apesar de ser estilo romance não atrai. O que é incrível pelo nome do escritor. O livro contém 362 páginas.

77. Ronaldo Lidório. Verdadeiro Cristianismo ou Falsa Religiosidade? São Paulo: Socep, 2006. Voltando ao Brasil em 1996 após 3 anos na África vi pela primeira vez em Belo Horizonte um outdoor com uma expressão que intrigou-me: "Está amarrado", e um laço ao redor. Pensei tratar-se de um rodeio. Mais a frente, no vidro traseiro de um ônibus urbano surgiu a frase completa: "Está amarrado em nome de Jesus". Imediatamente percebi que não se tratava de um rodeio, e nem mesmo um rodeio evangélico. O pastor ao meu lado explicou-me pacientemente: "É uma expressão de autoridade contra a influência demoníaca". Até chegarmos à igreja onde falaria sobre Missões fiquei a pensar no fundamento da autoridade cristã e é necessário nesta altura afirmar que, apesar da autoridade cristã em uma perspectiva bíblica basear-se em nossa identidade, quem somos em Cristo, seria uma hipocrisia nos modelos do evangelho usarmos de autoridade espiritual para "amarrarmos" qualquer força maligna no mundo que vivemos se não nos dispomos a, primeiramente, "amarrar" o pecado carnal que controla a nossa vida. Em sua "Moralidade e ética". A autoridade cristã baseia-se naquilo que somos e naquilo que somos chamados a ser: nação santa. É necessário desassociarmos a Panoplian, autoridade de Deus, da figura única de uma Igreja lutando face a face com o Diabo. A Panoplian de Deus, antes de mais nada, deve ser exercida quando nos trancamos em nossos quartos, confrontamos a nossa fé com aquilo que experimentamos em nossas vidas, tratamos o pecado como pecado, choramos as lágrimas amargas do pecador, somos perdoados, transformados, nos renovamos no Senhor, o Espírito Santo aponta o caminho, seguimos, saímos do quarto novos e limpos outra vez. Somente uma Igreja santificada em seu quarto alcançará os homens no mundo.Contém 92 páginas.

78. ROUSSEAU, Jean-Jacques. O Contrato Social. São Paulo: Nova Cultural, 1999. Jean-Jacques Rousseau foi um dos mais considerados pensadores europeus no século XVIII. Sua obra inspirou reformas políticas e educacionais, e tornou-se, mais tarde, a base do chamado Romantismo. Nesta obra, Rousseau expõe a sua noção de Contrato Social, que difere muito das de Hobbes e Locke: para Rousseau, o homem é naturalmente bom, sendo a sociabilização a culpada pela "degeneração" do mesmo. O Contrato Social para Rousseau é um acordo entre indivíduos para se criar uma Sociedade, e só então um Estado, isto é, o Contrato é um Pacto de associação, não de submissão.Contém 639 páginas.

79. SITTEMA, John. Coração de pastor. São Paulo: Cultura Cristã, 2004. Quem pastoreia a igreja? A resposta será dada a partir de nossas conveniências pessoais, de nossas preferências e tradições ou a partir da Escritura? Um livro muito necessário, com muitas idéias úteis, encontradas na Escritura. Minha sugestão é que você o compre e o devore. John Sittema escreveu um livro excelente sobre o papel dos presbíteros, apoiado em estudo bíblico cuidadoso e rica experiência pastoral. Este é um livro desafiador e prático, um recurso muito valioso para a igreja hoje - Robert Godfrey, Presidente do Westminster Theological Seminary, CA. O livro contém 288 páginas.

80. TARSO, Paulo de. Finanças para a vida - Fazendo doações. São Paulo: Fôlego, 2009. Como alcançar o sucesso financeiro? Muito se tem dito sobre os passos para alcançar o sucesso financeiro. O conceito mais difundido liga o sucesso financeiro ao acúmulo de dinheiro. No entanto, este é apenas um aspecto de uma equação muito mais complexa quando o assunto é dinheiro. Na série Finanças para a Vida, Paulo de Tarso desvenda, passo a passo, um caminho mais amplo para provar que o sucesso financeiro está ao alcance de todas as pessoas e não apenas de alguns afortunados que conseguirão chegar ao primeiro milhão. Apresentando uma sólida base bíblica, o autor o levará a entender que o sucesso financeiro está ligado a prática de vários princípios que, associados, farão de você um vencedor nesta área. Ganhando dinheiro, fazendo doações, investindo, tratando as dívidas, gastando com sabedoria e reconhecendo o valor dos relacionamentos são os títulos através dos quais, você se defrontará com uma nova e vibrante perspectiva para lidar com o dinheiro e chegar ao sucesso ao lidar com ele. Contém 40 páginas.

81. TOZER, A. W. A Tragédia da Igreja - Ausência de Dons. Rio de Janeiro: Danprewan, 2009. Nesta série de doze profundos e proféticos estudos, Tozer explica porque tantos cristãos e igrejas estão fracos. Ele nos mostra situações que constituem uma verdadeira tragédia na Igreja mas não nos deixa sem esperança. Suas palavras despertam o nosso espírito à medida que vamos reconhecendo o que Deus quer fazer em nós e através de nós. Tozer, durante o seu frutífero ministério de pregação, preocupou-se com as deficiências espirituais das igrejas cristãs. Seus sermões não devem ser lidos apenas como textos doutrinários. O seu apelo, a cada capítulo, é, profundamente, devocional e inspirativo. Contém 176 páginas.

82. WEINGARTNER, Lindolfo. Parábolas da vida - meditações. Curitiba – PR: Encontro - Sinodal, 1998. O autor desenvolve vários textos trazendo alguns princípios para o nosso coração. Ele desafia o leitor a seguir as pegadas de Jesus, que "falava em parábolas". O texto nos ajuda a compreender a fé e a falar do Evangelho aos que o desconhecem. Contém 146 páginas.

83. WESLEY, John. Diário de John Wesley- O pai do metodismo. São Paulo: Arte Editorial. É muito gostoso de ler o diário de Wesley. São as histórias do dia-a-dia dele e também de algumas pessoas ao redor dele com o Charles Wesley. Na medida em que você lê, é impressionante como a oração é parte integral da vida dele. Inclusive nas horas de confusões. A vida de Wesley é movimento de santidade e aprendemos com isso. Percebemos na leitura que em todo tempo ele orava e pregava o Reino.Outro detalhe é que ele lia muito! Tem horas que a gente se emociona na leitura. Certamente Wesley que é um modelo profundo de vida para nós. Vejam algumas frases dele: “Meus dias de louvor nunca irão se acabar, Enquanto a vida, e pensamento, e, por fim, A imortalidade perdurarem." (pouco antes de sua morte, aos 88 anos). "O ócio e eu nos despedimos, um do outro. "Eu espero que eu não viva para ser inútil. Eu vejo todo o mundo, como minha paróquia. Em qualquer parte dele, que eu esteja, eu julgo meu dever inelutável declarar a todos os que estão dispostos a ouvir, as boas-novas da salvação. Este é o trabalho a que, eu sei, Deus me chamou (...). Grande encorajamento eu tenho, então, para ser fiel, cumprindo o trabalho que Ele tem me dado realizar. Contém 450páginas.

84. WILLARD, Dallas. A renovação do coração. São Paulo: Mundo Cristão, 2008. De forma geral, quem se convertia até uns 30 anos atrás ainda deve lembrar do que a maioria dos pastores costumava bradar dos púlpitos: “Você tem que mudar tudo em sua vida para seguir a Jesus!” Mas alguma coisa aconteceu nas últimas décadas, e o discurso mudou. Para não criar antipatia contra o rebanho, nem afugentar potenciais fiéis, muitos líderes passaram a inverter a lógica, e garantem que não é preciso mudar nada para seguir a Jesus. Para Dallas Willard, representante mais do que legítimo de uma multidão de pessoas preocupadas com os rumos da Igreja moderna, ninguém nasce de novo para continuar sendo o que era antes. Por isso a estranheza que tal falta de solidez espiritual lhe causa – fraqueza esta que, a seu ver, tem sido a ruína do povo de Deus. Afinal, não deveria ser comum encontrar um número tão grande de crentes envolvidos em pecados sexuais, improbidade financeira e tantos outros desvios morais. Em linguagem objetiva, e ainda assim repleta de sensibilidade, Willard vasculha os processos e os componentes da natureza humana para propor um discipulado pessoal e o enfrentamento sem rodeios dos desafios à autenticidade da fé. O resultado, segundo ele, fica patente “quando todas as partes essenciais do ser humano são efetivamente organizadas em função de Deus, e por ele restauradas e sustentadas”. Contém 352 páginas.

85. WRIGHT, N. T. Simplesmente Cristão Por que o cristianismo faz sentido. Minas Gerais: Ultimato, 2008. Simplesmente Cristão apresenta a essência do cristianismo, tanto para recomendá-lo aos de fora como para explicá-lo aos de dentro. É claro que ser cristão no mundo de hoje é qualquer coisa, menos simples. Mas se há um tempo em que é necessário dizer, do modo mais simples possível, o que cada coisa significa, é agora.Contém 256 páginas.
1.

Comentários

Postagens mais visitadas