Pular para o conteúdo principal

Leia estes livros preciosos....

GRUN, Anselm. Transforme seu medo - Impulsos espirituais. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. O modo de Jesus lidar com o medo quer ser um convite para enfrentarmos com a mesma bondade e misericórdia os nossos medos. Então os nossos medos serão nossos amigos que nos acompanham, que nos chamam a atenção para perigos verdadeiros e que nos preservam dos exageros que muitas vezes cometemos. O medo vai acompanhar-nos até a nossa entrega definitiva a Deus na morte. Mas não mais nos terá como reféns. Em meio ao nosso medo podemos sempre de novo ouvir a palavra consoladora, animadora e libertadora de Jesus: 'Não tenhas medo'. Contém 128 páginas.
GRUN, Anselm. Virtudes que nos Unem a Deus - Fé, Esperança e Amor. Rio de Janeiro: Vozes, 2008. Poucos temas possuem tanta força na vida das pessoas quanto a Fé, a Esperança e o Amor. Partindo do conceito de que a fé é um modo especial de ver a realidade, Anselm Grün apresenta nesta obra, o poder destes sentimentos, o que eles representam na tradição cristã e como são experimentados na vida diária de cada pessoa. Contém 96 páginas.

HOSSEINI, Khaled. O caçador de pipas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2005. Grande sucesso editorial nos Estados Unidos em 2004, onde vendeu mais de 2 milhões de cópias, O caçador de pipas conta a história de Amir, um afegão há muito imigrado para os Estados Unidos, que se vê obrigado a acertar as contas com o passado e retorna a seu país de origem. O ponto de partida do livro é a infância do protagonista, quando Cabul ainda não era a capital do país que foi invadido pela União Soviética, dominado pelos talibãs e subjugado pelos Estados Unidos. O caçador de pipas está presente na lista dos mais vendidos pelo New York Times e Publishers Weekly há mais de um ano, com publicação em 29 países, além de venda dos direitos para o cinema, com filme a ser produzido pela DreamWorks e dirigido por Sam Mendes, de Beleza Americana. Contém 365 páginas.
CORDEIRO, Wayne. Faça da sua igreja uma equipe. Rio de Janeiro: Danprewan, 2002. Você já se perguntou: Como Deus planeja alcançar a nossa comunidade? E não há que se olhar essa gigantesca tarefa de alcançar uma sociedade corrompida e perversa, marcada pela violência, injustiça, corrupção e impunidade com a mensagem do Evangelho sem se sentir inadequado. O pressuposto de Wayne Cordeiro é que a "causa" de toda igreja é precisamente essa: a proclamação, por preceito e exemplo, da verdade neste mundo de maldades. E que, para tanto, é necessário a igreja tornar-se uma verdadeira comunidade. À declarada profissão de fé de que a Igreja é o Corpo de Cristo, um organismo vivo, acrescenta-se, pela experiência multissecular, que essa é também uma organização. O historiador Arnold Toynbee já pontificava que a institucionalização é o preço da durabilidade; vale dizer, da permanência. A institucionalização é aceitável. A igreja como organismo vivo é movida pelo Espírito Santo. As igrejas como instituições precisam de disciplina e método. "No padrão tradicional em que a igreja se organiza", denuncia Wayne Cordeiro, o pastor faz a obra do ministério e chama quantas pessoas ele possa para ajudá-lo. Ao fazer da Igreja uma Equipe, todos os crentes realizam a obra do ministério, e o pastor ajuda! Isso não só parece melhor, é bíblico!". Para que possamos cumprir o que Deus planejou para nós como indivíduo, e comunidade, cada um deve estar intimamente envolvido no cumprimento da Missão da Igreja. "Quando o crente se dispõe a usar os seus dons em pró do Reino de Deus, três coisas maravilhosas acontecem: ganha uma alegria extraordinária; passa a desfrutar de uma responsabilidade sadia; e experimenta um crescimento acelerado". Usar os nossos dons para fazer da Igreja uma Equipe é essencialmente o ponto de convergência da natureza orgânica e organizacional da igreja cristã. As igrejas estão cheias de dons valiosos, de sonhos a serem liberados. Deus chama todo líder de igreja a ser um liberador de sonhos. Wayne Cordeiro é um liberador de sonhos. E este livro é parte importante de sua rica contribuição. Contém 256 páginas.

PIPER, John. Fome por Deus. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2008. Nossos apetites direcionam nossa vida - quer sejam as súplicas de nosso estômago, o desejo ardente por posses ou poder, ou os anseios de nosso espírito por Deus. Mas para o cristão, a fome por qualquer coisa além de Deus pode ser um arquiinimigo, pois nossa fome por Deus - e por ele somente - é a única coisa que nos trará vitória. Você tem essa fome por Deus? Como John Piper afirma: "Se não temos sentido grande desejo pela manifestação da glória de Deus, não é porque tenhamos dele sorvido profundamente e estejamos satisfeitos. É porque temos "beliscado" por longo tempo na mesa do mundo. Nossa alma está abarrotada de pequenas coisas e não há lugar para o prato principal". Se estamos cheios do que o mundo oferece, então talvez um jejum possa expressarm ou até mesmo aumentar, o apetite de nossa alma por Deus. Entre os perigos da auto-negação e da auto-indulgência está o caminho da aprazível dor chamada jejum. Esse é o caminho pelo qual John Piper o convida a andar neste livro. Pois quando Deus é a suprema fome de seu coração, ele será supremo em todas as coisas. Contém 238 páginas.

Chapman, Gary. Como mudar o que mais irrita no casamento. São Paulo: Mundo Cristão, 2007. Certas coisas nunca mudam...mas dá para mudar as coisas erradas. “Ele é assim mesmo, nunca vai mudar”. “Ela sempre foi desse jeito, não espere mudanças”. Essas duas declarações — recorrentes em muitos casamentos — revelam tanto uma atitude quanto um desejo. Se, por um lado, a queixa está relacionada a certa frustração por ter de conviver com traços de personalidade, hábitos, manias e vícios que o cônjuge possui ou mantém, por outro demonstra a expectativa reprimida de que, um dia, aquela pessoa que parecia tão perfeita na época do namoro poderá mudar para melhor. Há quem considere isso uma esperança vã. Contém 80 páginas.

SPURGEON, Charles. Tudo pela graça. São Paulo: Novo Século, 2003. Nesses últimos tempos, a Igreja Brasileira está começando a experimentar um momento novo na sua história. Centenas de milhares de pessoas estão reconhecendo a própria necessidade de Deus. Elas estão em busca de segurança para as suas almas e de respostas para as suas dúvidas. Na verdade, ainda que não percebam, essas pessoas, estão ansiando pela tão preciosa salvação que Jesus, de uma vez para sempre, conquistou na cruz do Calvário. Por isso, de modo claro, vejo que o livro Tudo Pela Graça de Spurgeon está chegando em tempo tão oportuno. Ele apresenta a resposta de Deus ao anseio dessas pessoas. Ele é como um manual, que de modo simples, expõe a mensagem de salvação. Todos os cristãos, de todas as idades, precisam ter impressas no coração as verdades apresentadas neste livro.

PETERSON, Eugene. Maravilhosa Bíblia. São Paulo: Mundo Cristão, 2008. A leitura do texto bíblico ganha contornos surpreendentes à medida que aprendemos a ler a Bíblia deixando-a falar por si mesma. Além de conhecer a história do povo de Deus, a leitura feita com os olhos do espírito oferece um inesperado caminho de volta, pois se abre uma oportunidade para que a Palavra leia para nós nossa história. No entanto, segundo Eugene Peterson , poucos aproveitam da riqueza da Palavra de Deus, pois cada vez mais ela se transforma em mero acessório do povo cristão, cuja leitura se dá apenas racionalmente, desperdiçando a vitalidade que o texto encerra, capaz de costurar um relacionamento autêntico entre Deus e nós. Maravilhosa Bíblia propõe o resgate da antiga tradição de ler as Escrituras com o faro apurado do espírito. Se o texto bíblico foi escrito mediante a inspiração de Deus, a leitura de sua Palavra não pode ser um exercício mecânico e desinteressado. Ler exige meditação e oração, em busca da fertilização e do renovo que apenas a Palavra pode proporcionar.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Estudo 26: A mulher sunamita: generosa e hospitaleira - (II Reis 4.8-37)

Há um cântico que nos ensina muito é o Salmo 37.4-5, a letra diz:
“Agrada-te do Senhor e ele fará aquilo que deseja o teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, e o mais ele fará. Descansa no Senhor e espera nele. Pois, ele é a tua salvação, ele é o teu castelo e o teu refúgio na tribulação. Confia no Senhor e ele agirá, confia no Senhor e ele agirá“ [1].  É exatamente sobre essa providência de Deus na vida do seu povo que quero falar, usando esse exemplo da mulher sunamita. Esta que foi agraciada por Deus pela instrumentalidade do profeta Eliseu. Sabemos que o significado do nome de Eliseu é: Jeová é salvação. A meu ver combina com sua missão como profeta desse período. Ele foi um dos maiores profetas desse período juntamente com o seu antecessor, o profeta Elias. Ambos foram profetas no Reino do Norte de Israel. Eliseu era filho de Safate, habitava em Abel- Meolá do Vale do Jordão e pertencia a uma família próspera. Quando Elias estava no monte Horebe desanimado e triste, Deus fa…

Emoção X Razão: Mulheres agem de forma emocional, homens se comportam racionalmente

Recentemente li o livro Homens são de Marte, mulheres são de Vênus de John Gray. Ele diz que quando se aborrecem, os homens querem silêncio e solidão. Já entre as mulheres, as preocupações resultam na matraca desenfreada, pois, falando acalmam-se. O ego masculino é movido à base de conquistas, o feminino é pura emoção. Ele deve escutá-la, e ela deve compreender seu silêncio. Conclusão: marido e mulher não falam a mesma língua, não são do mesmo planeta. Na maioria dos processos normais, a mulher age de forma emocional, enquanto o homem se comporta de forma racional. Na nossa cultura costumamos dizer que os homens são insensíveis, durões e bem insensíveis. E com respeito às mulheres que elas são pura emoção e coração. John Gray diz que “quando os homens e mulheres são capazes de respeitar e aceitar suas diferenças, então o amor tem uma grande chance de desaborchar” (GRAY, John. Homens são de Marte, mulheres são de Vênus. São Paulo: Editora Rocco, 1997, p. 24). O grande problema é que convi…

Histórias da vida

A mentalidade dogmática deseja prender a verdade na malha das suas palavras, entendo que ela se equivoca. Acredito que nós aprendemos, falamos e escrevemos interpretando cada ponto da nossa história de vida. Na interpretação passam verdades, mas nunca absolutas, nossa história tem várias facetas.  Temos um quadro da nossa história e ela vai acontecendo com várias interpretações e olhares dentro de nós mesmos. Gosto demais de relembrar a história da minha vida. Lembro-me sempre dos momentos bons e ruins dela. Eu tive momentos de profunda tristeza, mas neles, vi o mover de Deus me ensinando a passar pelos vales dela, com a percepção da graça divina em mim sempre. Vi amigos chegados morrendo, vi amigos conquistando e perdendo. Vi histórias de vidas sendo tocadas por Jesus Cristo de Nazaré. Como é bom poder enxergar o passado com graça e com a noção no íntimo de que Deus esteve presente em cada detalhe.  As histórias serão sempre histórias contadas por nós dentro da alma e do coração. Cada …